Dente-de-Leão – Descobrimos suas inumeráveis contribuições para o organismo

Dente-de-Leão – Descobrimos suas inumeráveis contribuições para o organismo

O dente-de-leão é uma planta herbácea cujas raízes e folhas vem-se utilizando desde faz séculos como medicamento natural para transtornos digestivos.

O que é o dente-de-leão?

A espécie vegetal taraxacum officinale responde ao nome comum de achicoria amarga, mas também é conhecida como dandelion e, entre outras denominações, dente-de-leão.

É uma espécie que pertence a família das compostas ou asteráceas, uma das plantas com maiores prestações no âmbito dos remédios terapêuticos naturais, daí sua inumeráveis usos.

Se resumimos o interminável listado de contribuições que rodeiam ao dente-de-leão, podíamos sintetizar em dois aspetos principais:

  • Sua ubiquidade, já que encontra-se em qualquer lugar
  • O enorme repertório de problemas de saúde para os que é valido

Ensinamos-te a reconhecer o dente-de-leão

Taraxacum officinale, antes era considerada como uma má erva, é uma planta herbácea (ou seja, de talo flexível, embora que é um falso talo), de ciclo anual e que desenvolve um tamanho mas bem reduzido.

Seu nome, dente-de-leão parece surgir do aspecto das suas folhas, que assemelham a dentes ponte agudos. Mais realidade que existe uma grande variedade no seu aspecto em função do lugar e o clima.

E normal ver crescer espontâneamente em terrenos más bem húmidos, formando parte da paisagem convencional dos jardins urbanos, terrenos baldios,  estradas e incluso as vezes entre as grades de construções de pedra.

Suas grandes flores crescem nas partes mais difíceis desses falsos talos cheios de folhas que dispõem de forma alterna sem pecíolo. Caracterizam-se pela sua cor amarelo e por ser hermafroditas e, como é característica da família que pertence, fecha-se á noite e em dias chuvosos ou de pouca luz.

dente-de-leão aberto

Sua corola ou parte mais cromática das flores, está integrada por cinco pétalos unidos. Mantém um ciclo de alternativa de fecho e abertura que acaba com um fecho definitivo que resulta o preâmbulo de que, trás vários dias assim, evolucionam a fase de fruto (denominado cipsela), cuja anatomia permite estar na disposição de soltar as sementes pela ação do vento, dando pé a seu surgimento e o inicio de novas plantas. Há quem descreve estes frutos como frutos secos com aspecto alado, revestidos de uns cabelos de textura sedoso que facilitam essa dispersão pelo vento.

Tempo de coleta

Se falamos de quais são as práticas que devem seguir para o aproveitamento das excelentes bondades e propriedades medicinais do dente-de-leão, podemos dizer que a  primavera tardia é o momento ideal para a coleta das folhas ternas de cara ao consumo em cru.

É importante fazer constar que sua conservação posterior requer um embolsamento hermético de maneira que impedi sua contaminação por pó ambiental.

Em quanto as raízes, podem colectar-se em dois momentos do ano em função da finalidade que persegue:

  • Coincidindo com o auge da floração, geralmente entre maio e junho; baixo esta recomendação temos a característica de que contém a maior abundância de látex
  • Em Outono buscamos na sua riqueza o polisacárido inulina, devido a que a raiz nesta época contém um 40%, no contraste com a sua composição na primavera que reduz a 2%. A inulina possui benefícios e propriedades naturais para a saúde

sembrado dente-de-leão

Origem do dente-de-leão

A pré historia desta planta buscamos no território ocupado pela actual Grécia, distribuindo de forma espontânea pelo hemisfério norte.

É atribuído aos médicos árabes do século X (de acordo com os escritos do sábio multifacetado Avicenna) o mérito de ter sido pioneiro na detecção de duas das suas propriedades mais reconhecidas actualmente, os diuréticos e a cólera (estimulante da produção biliar)

Vamos voltar aos seis centurias para avançar no acontecimento do dente-de-leão como remédio multiusos, que o médico e botânico Leonart Duch começou a prescrivir entre suas pacientes como colagogo (estimulante da libertação de bílis para facilitar a digestão das gorduras), astringente, analgésico estomacal e regulador do ciclo menstrual.

Por motivos desconhecidos, este galeno adoptou a medida de um dente do rei dos felinos como dose terapêutica desta planta, o que consagrou entre na aldeia llano a expressão “tomar um dente-de-leão”.

Usos mais próximos na história

A medicina tradicional pronto começou a não ser alheio as excelências deste remédio natural. Não em vão, durante vários séculos formou parte do catálogo de remédios preventivos de doenças, fundamentalmente nas parcelas de protetor hepático, depurador orgánico pelo seu alto efeito diurético e freno as verrugas pela ação de sua savia.

Já na década dos quarenta do século passado, o Dr. Henri Leclerc apuntou aos avances conseguidos no controle de alguns problemas dermatológicos como eccemas, erupções e dermatite fazendo uso de infusões do dente-de-leão. Estes efeitos revelam com maior evidencia nos casos de que os pacientes, aparentemente afligidos somente de problemas cutáneos, padecem certo grau de insuficiência hepática, o qual, como descobriu seguidamente, era devido ao estreito vínculo entre a integridade da pele e o funcionamento do fígado.

dente-de-leão fechados

Propriedades do dente-de-leão

Vamos resumir o tipo de substancias, orgânicas e inorgânicas, que tem reservadas importantes funções no mantimento e a reparação de tecido e órgãos.

Órgãos subterrâneos da planta

  • Grande cantidade de polisacáridos, pertencem os grupos conhecidos como glucanos e mananos, mas especialmente inulina, um interessante componente que abarca a condição de oligosacárido probiótico (estimulante do crescimento das baterias intestinais beneficiárias para a saúde) e de fibra solúvel
  • Colina, uma substancia comum incluída no grupo de vitaminas B que desenvolve uma intensa labor de proteção do fígado, ajudando a sua detoxicação por todo tipo de substancias de residuos.
  • Triterpenos (compostos orgânicos ligados ao isopreno, um hidrocarburo de cadeia corta) derivados do látex, entre os que destacam taraxasterol, taraxerol, taraxol, beta-amirina, estigmasterol e beta-sitosterol
  • Componentes mais residuais, como ácido cafeico, resinas, pectina e mucílagos

Partes verdes do dente-de-leão

É destacável sua riqueza em flavonoides (luteína e zeaxantina), cumarinas (como a cichorina e a aesculina), carotenoides (em cuja abundância rivaliza com a emblemática cenoura), vitamina A, C e D, tiamina e ácido nicotínico (pertenecentes ambas ao complexo vitaminico B) e minerais, com maior preponderância do potássio (5%), mas estando também presentes em quantidades significativas ferro, fósforo, cobre e magnésio.

dentes-leão

Raízes e folhas da planta

Compartem a presença de dois compostos que conferem certo sabor amargo, denominados taraxicina e taraxacerina, que fazem que esta planta acompanhe uma característica alheio as suas propriedades medicinais mais de um pequeno interesse alimentar: sua capacidade como estimulante do apetite e melhorar a digestão.

Benefícios do dente-de-leão

Sem duvida, em conjunto, as plantas medicinais representam uma alternativa imemorável quando falamos de  tratamentos e remédios naturais para combater aflições Seus efeito secundários passam quase inadvertido e resultam idóneas para aqueles que introduzem substancias de síntese no seu organismo, já seja como consequência de reações alérgicas ou por temor a uma sobrecarga a causa de possíveis fontes de toxicidade.

Que melhor maneira de centrar com objetividade o amplo abanico de funções biológicas com grandes benefícios associadas ao dente-de-leão que fazendo alusão ao trajectos institucionais oficiais do âmbito farmacológico, válidas a efeitos classificativos desta planta:

  • European Scientific Cooperative on Phytotherapy (ESCOP): recomenda a raiz de dente-de-leão para normalizar a função hepática e a produção de ácidos e sais biliares, como agente de estimulantes da função renal e para evitar as dispepsias ou má digestão.
  • Agencia Europea de Medicamentos e Produtos Sanitarios (AEMPS) e sua homóloga europeia Agencia Europeia de Medicamentos: catalogam o dente-de-leão como “medicamento de uso tradicional indicado para transtornos digestivos leves, tais como sensação de plenitude abdominal, flatulência e digestão lenta” e para “aumentar a quantidade de rina y limpar vias urinarias e rins”.

Órgão más beneficiado pelo dente-de-leão

Se existe um órgão que pode sinalizar como principal deposito da projeção terapêutica do dente-de-leão é o fígado,  é devido a  sua contribução para eliminar as toxinas circulantes no sangue, que exerce uma forte pressão metabólica sobre esta víscera, e a fluidificar ou tránsito pelos conduto biliares.

É muito aconselhável seu consumo nas aquelas pessoas que convém estimular o fígado por verse afectadas pelo síndrome do fígado preguiçoso , assim como para aqueles padecem do chamado fígado gordo (acumulação anormal da matéria gorda no parênquima hepático).

saúde ocular

Melhora a saúde ocular

O consumo diario de, ao menos, 12 miligramas dos flavonoides luteína e zeaxantina para limar, na medida do possível, o progresso das cataratas e a degeneração macular relacionada com a idade.

Pois bem, a toma de uma chávena de infusão da raiz já que supera as recomendações que aportam benefícios que os especialistas fixaram para manter a saúde dos órgãos, está romantizado com os 15 miligramas de luteína e zeaxantina que aquela incorpora.

De acordo com o acima exposto, combate a cegueira nocturna: o dente-de-leão é um corretor das deficiências na visão em condiciones pobres de luz como consecuencia do seu contéudo de vitamina A e helenina, dois principios activos que estimulam a melhor produção de rodopsina, uma proteína que atua nas células especializadas da retina chamada abastones, e essencial para que este processo seja aplicado em óptimas condições.

Benefícios a nível cutâneo

Combate tanto o acne como os eczemas. No caso do acne, não esquecemos que a ultima causa parece estar na ação de algumas toxinas geradas pelo desajuste hormonal proprio da idade juvenil. Por isto, supõe uma importante ajuda no poder detoxicante do dente-de-leão, cuja savia pode ser utilizada de forma tópica, sem ser ingerida, com a vantagem adicional de que é um líquido consideravelmente alcalino com eficácia bactericida.

Esta última condição tem a sua razão porque o processo do acne também intervém em alguns microorganismos. Mas, em geral, o dente-de-leão está indicado para maneijar algumas alterações dermatológicas relativamente comum, como o prurito (um picadura recorrente) e os eczemas ligados a dermatite.

Contra a prisão de ventre

Um extracto da raiz pode constituir um bom remédio para combater a prisão de ventre quando querem evitar os laxantes farmacológicos, estimulando o trânsito intestinal com risco nulo de aparição de episódios de irritação ou de qualquer outro tipo.

antioxidante dente-de-leão

Promotor das enzimas antioxidantes

Como comprovamos experimentalmente, o dente-de-leão comporta como um promotor das enzimas antioxidantes e intervém no equilibro dos perfiles os diferentes tipos de lípidos circulantes: triglicéridos, colesterol HDL e colesterol LDL, fundamentalmente. O especialistas valoram amplamente a possibilidade de que exerça um efeito de proteção contra o stress oxidativo relacionado com alguns transtornos do aparelho circulatório.

Acção diurético do dente-de-leão

A talvez represente a função más rutilante de taraxacum officinale é sua ação diurética, carente de riscos e efeitos secundários, que permite uma fluída eliminação das toxinas acumuladas como fruto do metabolismo. Faz, que seja muito recomendável praticar em cada cambio de estação um tratamento preventivo com o dente-de-leão.

Dente-de-leão para emagrecer

É muito eficaz nas dietas de redução de peso. Sua actuação neste campo não só vem derivada de sua escasez energética, sino especialmente do seu chamativo efeito diurético, com o que contribui a eliminar a água sobrante pela urina de forma natural.

Pelo seu escasso aporte energético, que é consequência do baixo conteúdo em gorduras e Carboidratos  é idóneo para ser integrado em qualquer dieta destinada a emagrecer. Como? Uma das suas mais comuns aplicações é como chá, que embora resulta muito nutritivo em realidade é muito pouco calórico (só tem 25 calorias por chávena).

Suas folhas podem consumir se cruas em saladas, recomendando, para evitar que o tono amargo que pouco a pouco vão adquirindo  acentue excessivamente, os jovens, que devem colectar-se ao poucos dias de começar a crescer. Também é bastante apreciado, em forma de salteado, como condimento de pratos de cogumelos, cebolas ou verduras.

E outra opção de desfrutar da comestibilidade de suas folhas ternas consiste em submergias uns trinta minutos em salmoura, cozinhando seguidamente ao vapor como qualquer verdura.

perda de peso dente-de-leão

Como tomar o dente-de-leão

Por via tópica

Sua raiz utiliza-se como matéria prima para obter um óleo com o qual pode levar a cabo a massagem ideal, com benefícios, para tratar reumatismos e artrite, fazendo gala de excelentes propriedades anti-inflamatórias. E, em outro ordem das cosas, ajuda a absorção dos coágulo propícios dos hematomas ocasionados como consequência de golpes.

Com finalidade estética

  • Contra a celulite ou pele de Laranja: ao evitar a retenção de líquidos, ajuda expurgar as toxinas que pré-dispõem sua formação. Constitui um dos remédios com mais benefícios para este problema
  • Por idêntica razão pode utilizares para livrar-se das desagradáveis olheiras, cuja causa, em bastantes casos,  devido a retenção de líquidos
  • Um hábito constante de tomar infusão de dente-de-leão pode ter baixo controle  aparição de pecas e manchas próprias da idade
  • Praticar  assiduamente lavar o cabelo á base de infusão de dente-de-leão costuma ser uma medida válida para compensar diferentes anormalidades do cabelo, tanto oleoso como seco ou frágil
  • Um uso tópico contribui a reduzir a película oleosa da pele

Cápsulas

Se busca uma forma simples e rápida de consumir dente-de-leão sem verse em preparações de nenhum tipo, as cápsulas são o recurso ideal, estando a venda em ervanarias e lojas de produtos naturais, e claramente na loja online da HSN.

Em quanto a dossificação, deve seguir as recomendações indicadas na embalagem, já que depende da quantidade de extracto seco que contenha as cápsulas, mais habitualmente são duas cápsulas com cada uma das três refeições principais.

Em forma de tinta

Outra opção igual de cómoda que as cápsulas. Pode encontrar em muitas ervanárias e sua forma de consumo é simples já que apenas temos que adicionar  umas gotas da mesma a um vaso cheio de agua ou sumo. Como desoxidante também serve ingerir 30 gotas de tinta madre com água três vezes diárias.

Contem, como quase todas as tintas, altos níveis de álcool, assim que não é recomendável tomar durante a gravidez e a lactancia (se é em quantidades maiores as que encontram nos alimentos).

dente-de-leão infusão chá

Infusão

O dente-de-leão pode tomar também como infusão, podendo combinar com outros ingredientes naturais, com o fim de contribuir a remediar alguns problemas na saúde. É eficaz quando se busque aproveitar a contribuição do dente-de-leão em dietas de perda de peso.

Contraindicações do dente de leão

Sempre que se consuma em quantidades lógicas, pode dizer que o dente-de-leão apenas tem efeito secundários e é praticamente inocuo.

O pequeno risco que estranha radica principalmente nas sua folhas, que ao comer las no seu estado natural podem aportar muitos oxalatos e provocar serios problemas de saúde porque secuestram os átomos de alguns minerais essenciais como magnésio, ferro e calcio, provocando uma inibição da sua absorção.

Por sua vez, o talo pode fechar certa toxicidade, especialmente para as crianças, pela sua abundante conteúdo em látex.

Reações alérgicas

  • Flatulências, diarreias e dor abdominal
  • Dermatite
  • Irritação no globo ocular, sequedade de boca ou calafrios
  • Dor de cabeça, coluna ou musculares

Em todos os caso estaríamos falando de uma reação alérgica algum dos seus componentes, e evidentemente haveria de suspender o consumo.

Deve-se notar que todas as pessoas alérgicas a plantas compostas, como calêndula, margarida ou crisântemo, são altamente propensas a serem alérgicas ao dente-de-leão.

flor aberta dente-de-leão

Como tomar correctamente o dente-de-leão?

O dente-de-leão é um potente estimulante da produção de bílis na vesícula, pelo que as pessoas que tenham cálculos biliares recomenda que evitem seu consumo porque pode ocasionar fortes cólicas.

Algo similar acontece com o aparelho excretor: os oxalatos da parte foliar do dente-de-leão podem aumentar a presencia de cálculos renais já que maioritariamente estes estão compostos por sais.

E de maneira equivalente pode falar-se de que capacidade de estimular a produção de sucos gástrico, não convém que tomem aquelas pessoas que sofrem de acidez ou úlcera de estômago.  pode fazer que seja extensível a outras patologías digestivas como síndrome do cólon irritável ou coliti ulcerosa.

Temos que mencionar o caso dos diabéticos. Esta planta pode diminuir o nível da glicose no sangue se compagina com os fármacos apropriados para controlar a diabetes, dando lugar a um quadro típico de hipoglucemia com visão embaraçada, suor, tremores, vertigem, formigueiros, taquicardia…

Deve advertir se que cabe a possibilidade de que algumas preparações das que se comercializa levam, incorporado alcool, pelo que devemos ter preocupações óbvias no caso de dar a uma criança, grávidas ou mães lactantes. Nestes dois últimos casos, influi além disso o facto de que o dente-de-leão atribui  certas propriedades hormonais.

Combinação com medicamentos

  • Litio: o dente-de-leão impedi a excreção deste metal, cuja acumulação no sangue pode ocasionar uma intoxicação a meio ou longo prazo.
  • Potássio: pode disparar os níveis séricos de potássio quando por questões de hipertensão ou de outra índole estejam recebendo um tratamento a base do mesmo e se adopte a pauta de ingerir regularmente dente-de-leão.
  • Antibióticos: é possível que o dente-de-leão restrinja a absorção intestinal dos mesmos, a efeito que cabe esperar mais frequentemente com as quinolonas, destacando norfloxacina, ciprofloxacina, enoxacina, esparfloxacina e trovafloxacina.
  • Assim mesmo, seu poder como diurético não aconselha ingerir de maneira paralela a fármacos da mesma natureza porque podia desencadear uma desidratação por excessiva perda de líquido.
  • Anticoagulantes (como a aspirina) e bloqueantes de ação neuromuscular (como a toxina botulínica ou a succinilcolina): no caso de tomar algum destes medicamentos resulta importantíssimo consultar ao médico a oportunidade ou não de consumir dente-de-leão.

sumo dente-de-leão

Para que serve o dente-de-leão

Vamos a intentar repassar as inumeráveis utilidades que pode dar ao dente-de-leão.

A raiz é utilizada como um substituto do café, sem as complicações da bebida original. Para desfrutar do dente-de-leão como recambio natural do café deve tostar e moer suas raízes. Pode elaborar facilmente com substituto de café tostando raízes num forno até que adquirem uma cor castanho, momento o que pode dizer que esta pronta para consumir.

Como aperitivos antes das refeições ou em caso de anorexia, os botões de flores preparados em vinagre são um excelente recurso..

Para preparar uma salada tonificante do fígado podem utilizar as folhas frescas acompanhadas de alface, brotes de alfalfa, albaca e salsa. Se tem a costume de consumir estas saladas, há que prevenir a tendência das folhas do  dente-de-leão ao pronto deterioro, para o qual convém armazenar hermeticamente com papel de cozinha que absorve a humidade sobrante e podem aguantar até 4 dias. Também os pétalos das flores e os botões podem servir como ingredientes  de sabor e corantes nas saladas.

Podem elaborar se sumos, misturando normalmente com alguma fruta e sendo o recomendável beber um vaso diário.

A mermelada, frequentemente chamada mel de dente-de-leão por ter uma textura parecida da mel autêntica, é um concentrado muito popular em algumas regiões europeias. A melhor materia prima para elaborar são as flores colhidas nas horas centrais do dia nos meses de abril ou maio. Como receita, pode apontar a integrada por dois conjuntos de flores acompanhados de meio litro de água, meio quilo de açúcar e meio limão.

As formas mais extendidas

Mas talvez a maneira más extendida de consumir dente-de-leão seja em tisanas, elaboradas desde suas flores e folhas secas, seguidas dos extratos líquidos (ou seja, em gotas) e as cápsulas, que bem podem ser confeccionadas tanto á base de ou de extrato seco; estas últimas, a sua vez, pode elaborar se desde de:

  • Raiz, sendo a dose equivalente a 3-5 gramas, que pode ser tomada até três vezes por dia
  • folhas, equivalente a entre 4 e 10 gramas, também com um máximo de três vezes por dia
  • Mistura de raiz e folhas, entre 3,5 e 5 gramas, com batente idêntico

tisana dente-de-leão

Remedios com dente de leão

Tisana contra o acne

O acne e os furúnculos podem combater obtendo um cozido a partir de 5 gramas de raiz de bardana e outros dez de raiz de dente-de-leão em três quartos de litro de água.

Deixar esta mistura em ebulição algo menos de dez minutos e outros tantos em repouso para que os princípios activos difundo bem no cozido. Desta toma-se uns cem mililitros uma três vezes diárias.

Contra a inflamação da próstata

Esta é uma infusão para a qual você tem que misturar cinco gramas de urtiga e tantos gramas de dente-de-leão em meio litro de água, que são deixados ferver e descansar por alguns minutos. Devido à sua capacidade diurética, ao estimular a produção de urina, o dente-de-leão ajuda a atenuar a inflamação dessa glândula.

No “Journal de Medicina Alternativa y Complementaria” foi publicado há alguns anos um estudo que revelou que o dente-de-leão causa um aumento muito aparente no volume de urina durante as cinco horas após o consumo.

Outro estudo, este sobre cultura de tecidos publicado no “Journal of Medicinal Food” mostrou que o dente-de-leão realiza uma inibição significativa do óxido nítrico, prostaglandinas, interleucinas e citocinas, todas substâncias que atuam como mediadores do processo inflamatório.

Para la retenção de líquidos

Uma colher da erva seca de rabo de cavalo e outra equivalente de dente-de-leão dissolve-se em meio litro de água e ferve, podendo consumirse um total de três chávenas diárias. Com ela devem tomar precauções os hipertenso, os que deve ser seu médico que valore a oportunidade de tomar por risco de sofrer reações adversas.

dente-de-leão verrugas

Infusão ideal contra a cirrose hepática

Neste caso de cirrose, uma boa ajuda para o fígado pode representar um cóctel a base de 20 gramas de dente-de-leão, 30 de passiflora e 50 de cardo mariano. Para ajustar a dose, desta mistura toma só uma colher pequena, que adiciona água fervendo contendo numa chávena e deixamos esfriar. Esta operação podemos fazer ate cinco vexes ao dia, sendo recomendável não baixar de três.

Dente-de-leão para eliminar as verrugas

Ao arrancar e cortar a planta do dente-de-leão, da sua raiz brota uma matéria leitosa que tem a curiosa capacidade de erradicar nas verrugas. Para que sua efectividade seja máxima, a raiz deve estar fresca e esse líquido aplicar rapidamente encima da verruga que,  a continuação, deve proteger com uma tira. Isto deve fazer duas vezes por dia.

Para quistos ovaricos

Procura aplacar o volume destes quistos corrigindo o desequilíbrio dos níveis hormonais que provocaram a sua formação. Sua composição é enormemente simples: uma infusão de uma colher de chá de folhas secas de dente-de-leão em um copo de água de cerca de cem mililitros.

Para acumulação de ácido úrico no sangue

Este excesso é geralmente causado pela geração de grandes quantidades de resíduos resultantes da decomposição de proteínas animais e álcool ingeridos em excesso. Uma de suas manifestações clínicas mais comuns é a chamada gota, que produz dor intensa no dedo grande do pé, mas é causa frequente de dor intensa nas articulações por inflamação destas, chegando nos casos mais graves a produzir episódios agudos de insuficiência renal ou hepática.

A infusão é obtida através de uma combinação de quantidades idênticas de dente-de-leão, coroa de frade e anis verde, dos quais um máximo de três copos por dia é permitido.

Os principais responsáveis pela eliminação do ácido úrico são os polifenóis do dente-de-leão, que também contribuem para a purificação do sistema linfático.

talo rabo de cavalo

Tisana com rabo de cabalo

Com estas duas plantas pode-se preparar uma excelente tisana, cuja ação inclui afeções como a hipertensão arterial, a litiase renal e a gota, entre outras. Para preparar, misturamos colheres cheias de ervas secas de rabo de cabalo e de dente de leão e submergimos em meio litro de água fervendo. Uma vez que começou a ebulição, uns poucos minutos assim e repouso de quinze minutos. Deste preparo podem beber até três chávenas diárias, frio ou quente, que convém peneirar.

Fontes Bibliográficas

Artigos Relacionados com o tema:

Valoração Dente-de-Leão

Usos na historia - 100%

Para emagrecer - 100%

Formas de tomar - 99%

Efetividade - 100%

100%

HSN Evaluação: 4 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Alberto Ricón
Alberto Ricón
Alberto Ricón é um especialista em nutrição e higiene alimentar com ampla experiência no setor. Trabalha como Técnico de Saúde Alimentar na Comunidade de Castilla La Mancha.
Confira também
Berberina
Berberina: Um tratamento terapêutico polivalente

A berberina não é líder no ranking dos medicamentos terapêuticos mais conhecidos, para que é …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *