CrossFit, Conselhos de nutrição

CrossFit, Conselhos de nutrição

Parece que depois de uns anos, e como se tem visto, o CrossFit não foi uma moda passageira, mas todo o contrário, é uma realidade, crescendo a cada dia o número de seguidores e de centros especializados. Com isso, temos à nossa disposição uma das disciplinas mais completas que hoje em dia existem

Como qualquer outra atividade, dentro das pessoas que a põem em prática, vai sempre haver um grupo que está um passo mais à frente, isto é, que procura otimizar e retirar o máximo benefício. Um dos pontos mais importantes sobre os quais intervêm é a nutrição. Para tanto, procuram informação sobre as melhores dietas, ou inclusivamente os suplementos que podem potenciar o seu rendimento. Em certas ocasiões, fazendo caso a informações que, talvez, na maioria dos casos não estão destinadas para elas.

Com este artigo não te vou dizer o que tens que comer – era o que mais faltava – mas ponho-te em conhecimento do que atualmente observo, e assim como identificar o principal problema e qual pode ser a solução

O perigo das dietas

Mesmo que tenhas “cibernavegado” pouco, de certeza que os termos seguintes te dizem alguma coisa: Dieta Paleo, Jejum Intermitente, Dieta Cetogénica, “High Carb”, “Low Carb”

São denominações de hábitos alimentares sob o conceito de Dieta. Existe uma constante curiosa, todas são avaliadas pela ciência, todas têm uma grande quantidade de estudos sobre os seus benefícios por detrás… E para todo aquele que a pratica, é fenomenal. Faz-me lembrar as religiões, cada uma com o seu Deus ou deuses…

Deste modo, quem tem razão? Devo fazer caso à Comunidade CrossFit e tornar-me Paleo, ou melhor, reduzir a minha janela de alimentação a 6 ou 8 horas, como diz a do jejum. Meto carbos à noite, ou deixo de os comer e vou procurar as fitas reativas para ver se entrei em cetose…

Pois sim, mesmo que seja hilariante, é o panorama que uma pessoa que sem muita experiência vai encontrar logo após dobrar a esquina do website de serviço…

Na minha modesta opinião, isto é muito mais sério do que à primeira vista parece, e se infra valoriza o perigo e o risco para a saúde: em vez de se ir a verdadeiros especialistas (Aka D-N), seguem-se as recomendações encontradas na rede, e depois nem se têm em conta fatores tão subjetivos como pode ser o tipo de atividade (não é o mesmo praticar CrossFit que Musculação ou Ciclismo…), a frequência (quantas vezes por semana…), a duração de cada sessão, se se padece de alguma patologia (diabetes, problemas de tiróide…)

Dieta

A controvérsia do empregado de escritório e do desportista

As tornas intercambiaram-se. Alguém com um elevado consumo calórico, com uma vida ativa e desportiva, costuma ingerir menos calorias ou pelo menos ter cuidado com os alimentos que leva à boca, já por não falar de quando se dão algum capricho fora do planing, aí, jesus, tocam os alarmes…

Ao invés, aquelas pessoas sedentárias a 90 e tantos por cento, isto é, pessoas que respondem a um perfil de trabalhador de escritório , são os que têm cartão de sócio para as máquinas de vending…

Eis o principal paradigma da sociedade, os que devem “permitir-se” um plano mais flexível, e em bom rigor, sem demasiadas preocupações com planos milimétricos, são os que parecem ter medo, por exemplo, dos carbohidratos. E os que se supõe que deveriam cometer a maiores restrições, passam olimpicamente disso… depois virão os choros.

CrossFit e regresso à essência

O CrossFit, em si mesmo, não inventou nada , isto é, pode dizer-se que retomou exercícios que já foram realizados anteriormente (desde há décadas), e que se mantiveram à margem daquilo que entra pelos olhos na nossa sociedade, talvez pelo negócio montado (futebol…), como é o caso da halterofilia. E é algo pelo que estar também agradecido, aproximar esta bonita disciplina e dá-la a conhecer.

CrossFit olimpicos

Entre outros importantes benefícios: recuperar os padrões de movimento com o nosso peso corporal, realizar ginástica, priorizar uma base de força com respeito à hipertrofia…

E, como não, o tema de nutrição não ia ficar para trás. Atenção! A minha posição não é para nada em contra do estilo de vida e tipo de alimentação que se advoga, o que a maioria dos seus desportistas faz, no CrossFit, penso que tem uma grande quantidade de benefícios. O que talvez, e de acordo com certas pessoas, e sobretudo pelos seus interesses (competição, melhoria da composição corporal…), há que fazer uma série de ajustes. Mesmo assim, em certo aspeto tenho as minhas dúvidas (evitar lácteos, por que motivo a batata-doce sim e a batata não?…).

Efetivamente, a dieta Paleo, é a que mais relevância tem no mundo CrossFit. Este tipo de alimentação procura regressar às nossas origens, com o argumento de que o nosso genoma ancestral não variou tal como o ritmo das alterações alimentares da sociedade. CrossFit é rendimento, e creio que este tipo de alimentação pode ficar, de vez em quando, curta. Por outro lado, vejo-a como a dieta a estabelecer para o resto de população (sobretudo a sedentária).

Alimentos paleo

A noção que se tem da dieta Paleo, é que se trata de uma pseudo-cetogénica, quando na realidade não é assim. A dieta Paleo não suprime os carbohidratos, mas as fontes destes. Assim, o primordial são as verduras, frutas de temporada, raízes e tubérculos…

A chave: uma Dieta Equilibrada

Mas isto que digo não é porque o inventei, mas porque cai pelo seu próprio peso.

Ao fim e ao cabo, o CrossFit é um desporto ou disciplina desportiva, ou como se queira chamar, mas onde vais levar uma “ganda malha”, aquele que penso ser o mais forte do bairro, pode levar uma cura de humildade… No fim, se se faz exercício, já é o máximo. Qualquer sessão pode deixar-te de rastos. Mas… passa-se o mesmo com aquilo que te faria um jogo de 90 minutos de futebol, um percurso em bicicleta de 80km pela montanha com desníveis, ou correr um Triatlo Sprint.

O corpo vai precisar, perante tais esforços, do substrato que em todos os momentos nos permite manter a intensidade. Isto é, o combustível que permita o intercâmbio constante de ATP celular. E para as anteriores atividades, o denominador comum é a glucose. Esta encontra-se armazenada nos depósitos correspondentes, na forma de glucogénio, ficando deste modo: glucogénio hepático e muscular.

Ditas reservas não são muito elevadas, e estima-se uma “autonomia” fornecida por 6-7g de glucogénio por kg de peso corporal. Noutro tipo de atividades, como a Maratona, devido ao nível de adaptação dos atletas, o substrato energético são os triglicéridos (gorduras). Mas é outro tema a abordar.

Se tenho que competir nos Games, e tenho 7 eventos em 3 dias, peço que me expliquem como recupero o glucogénio à base de brócolos…ah!

Para o nosso interesse, o que pretendo dizer é que tal esforço físico, em certas ocasiões, leva à conclusão, por própria experiencia dos mesmos desportistas (crossfitters), que mantendo os hábitos promovidos pela dieta Paleo, não chegam a conseguir nem a recuperação nem a melhoria do rendimento. Não se podem recarregar os depósitos de energia tão rápido para abastecer o ritmo do treino, onde em ocasiões alcança mais de duas sessões diárias.

Nutrição CrossFit Atletas

Foi o que comentei antes acerca de uma competição

Diferenciar objetivos

Definir massa muscular ou render? Fazer exercício pela saúde ou preparar uma competição?

Aqui é o ponto de inflexão em todo o crossfitter. O CrossFit nasceu como uma atividade de propósito geral que potencia as qualidades e capacidades físicas da pessoa. Para demonstrar dita evolução, realizam-se competições, onde as pessoas que melhor preparação tenham conseguido, o vão demonstrar.

Não se trata de ganhar, mas de demonstrar quem é o crossfiter que melhor fez os trabalhos de casa, isto é, aquele que sabe dosear a sua energia (eficiência), é estratega, domina todas as habilidades, mas possivelmente não seja o melhor em cada uma…

E, claro está, competir exige uma dedicação quase exclusiva para verdadeiramente ter possibilidades de êxito. Em face do sobredito, se além do mais procuras “definir” o fail é iminente. Mesmo assim, realizando CrossFit com o objetivo desportivo, uma dieta de definição é quase contraditória, já que as consequências serão precisamente não render como se espera.

Se praticas CrossFit com outro propósito, como mecanismo ou ferramenta para melhorar a tua mobilidade, força, agilidade… sim pode ter uma boa consonância.

Desempenho definição

Conclusões

Espero que com este artigo pelo menos tenham aberto os olhos e não vos deixem influenciar pela primeira recomendação daquele fórum americano… Ninguém à exceção de vós mesmos sabe a ciência certa do que é o melhor, e perante tal paradigma, temos duas opções:

  1. Ensaio e erro
  2. Pessoas que te ajudam (profissionais D-N)

Entradas Relacionadas

Avaliação Conselhos de Nutrição em CrossFit

Perigo das dietas - 100%

Empregado de escritório e deportista - 100%

Dieta Equilibrada - 100%

Planificar Objetivos - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Javier Colomer
Javier Colomer
Baixo o lema “Knowledge Makes Stronger” Javier Colomer expõe a mais clara declaração de intenções para expor os seus conhecimentos e experiência dentro do panorama Fitness. O seu sistema de treino BPT avala isso.
Confira também
Crossfit fortaleza mental
CrossFit, Fortaleza Mental

De todos os treinos, é sabido que o treino de CrossFit é um treino que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *