Lesão de Isquiotibiais no Futebol: Prevenção e Tratamento

Lesão de Isquiotibiais no Futebol: Prevenção e Tratamento

Jogas futebol e receias as lesões musculares? É verdade que podes vir a sofrer com elas e entre as mais comuns encontra-se a lesão de isquiotibiais. No presente artigo quero ensinar-te como a prevenir e, no caso de vires a sofrer com ela, como a tratar para regressar nos prazos indicados ao relvado.

Uma lesão de isquiotibiais é uma das mais comuns no mundo do futebol

Uma lesão de isquiotibiais no futebol é uma das mais comuns no mundo do futebol. Porquê? Vou agora explicar-te porquê.

O que são os isquiotibiais?

Os isquiotibiais são um grupo de músculos situados na parte posterior da coxa. A origem destes músculos encontra-se na pélvis (concretamente no osso ísquio) e inserem-se tanto na tíbia como no perónio.

Existe uma certa polémica com o nome deste grupo de músculos, já que os peritos asseguram que o seu verdadeiro nome é músculos isquiossurais (o distintivo isquiotibial faz referência ao facto de irem do ísquio até à tíbia, esquecendo o perónio).

Dentro deste grupo de músculos encontramos:

  • Músculo Semi-membranoso.
  • Bíceps Femoral, que é composto por uma cabeça longa e uma cabeça curta.
  • Semi-tendinoso.

Os três músculos que constituem os isquiotibiais

Os três músculos que constituem os isquiotibiais.

A sua importância no futebol

A importância deste grupo de músculos no futebol (e no desporto em geral) reside nas suas funções. Os isquiotibiais (ou isquiossurais) têm, principalmente, 2 funções:

  • Extensão da anca.
  • Flexão do joelho.

Além disso, segundo a posição do joelho, tem mais 2 funções:

  • Rotação interna da anca (com o joelho esticado).
  • Rotação externa do joelho (com o joelho fletido).

Lesões musculares de futebol isquitibiais

Estas funções são de grande importância para a corrida, na qual se produz, em cada passada, uma flexoextensão tanto da anca como do joelho ao longo do mesmo, regulada pelos músculos da coxa (isquiotibiais e quadriceps principalmente).

Por isso, sendo o futebol um desporto intermitente de alta intensidade, no qual ocorrem muitas ações à intensidade máxima, os isquiotibiais ou isquiossurais devem suportar cargas muito elevadas, tanto em número como em intensidade.

Como é que ocorre a lesão de isquiotibiais no futebol?

Dentro das lesões que incluem a musculatura isquiotibial, a mais comum é a da cabeça longa do bíceps femoral.

Esta lesão ocorre no início da fase de apoio da corrida, momento no qual a nossa anca se encontra fletida e o nosso joelho esticado, e o nosso bíceps femoral recebe tensão de ambas as extremidades.

Por outro lado, também é habitual a lesão do músculo semi-membranoso. Neste caso, a lesão ocorre por um alongamento excessivo que, geralmente, ocorre pela elevação da perna mais além do nosso intervalo de movimento ou num golpe da bola.

Por que motivo é a lesão de futebol mais comum?

A lesão da cabeça longa do bíceps femoral ocorre geralmente por uma utilização excessiva deste músculo.

O que significa que o músculo, no momento da sua rutura, se encontra fatigado, seja por uma carga excessiva ou por uma má recuperação.

Conforme referimos anteriormente, no futebol ocorrem várias ações a alta intensidade, com cerca de 16,6 ± 7,9 sprints por jogo. Se a isso somarmos todas as ações que são realizadas ao longo da semana de treinos, a carga que este músculo recebe é bastante significativa.

Como prevenir a lesão de ísquios?

A indústria do futebol investiu (e continua a investir) milhões de euros em tecnologias para a prevenção de lesões. No entanto, a realidade é que, nos últimos anos, a ocorrência de lesão de isquiotibiais no futebol não parou de aumentar (+4% cada ano).

Como prevenir a lesão de ísquios

O principal problema no momento de tentar prevenir estas lesões é que, geralmente, nos concentramos no próprio músculo como um ente isolado, e não como parte de algo maior.

Devemos entender que os isquiotibiais são parte de uma cadeia que é responsável por absorver e transmitir forças durante todos os nossos movimentos e que, por muito que os trabalhemos, se o resto da cadeia não se encontrar em condições de trabalhar com a mesma intensidade, devemos compensar esses défices com um excesso de solicitação dos isquiotibiais, o que pode resultar nesta lesão por excesso de utilização que referimos anteriormente.

Por isso, o primeiro passo é trabalhar toda a musculatura envolvida na corrida de forma conjunta.

Neste sentido, devemos entender que a lesão de isquiotibiais no futebol é multifatorial, isto é, que o seu aparecimento resulta da soma de vários fatores muito diferentes. Por isso, se trabalharmos apenas a força, estaremos a esquecer outros fatores igualmente importantes para tentar reduzir as possibilidades de ocorrerem lesões.

Substituição por lesão

Apesar do grande número de fatores a ter em conta, acima de tudo é importante levar um controlo correto das cargas por parte da equipa técnica, para evitar expôr os jogadores a maior carga do que aquela que podem suportar.

O que faço para evitar ficar lesionado nos isquiotibiais?

Para referir alguns destes fatores (mesmo que existam muitos mais), devemos ter uma atenção especial a:

  • Técnica de corrida correta.
  • Trabalho de força específico do desporto.
  • Proprioceção.
  • Incluir trabalho de sprints.
  • Descanso e nutrição.
  • Deteção e redução de descompensações (tanto entre músculos da mesma perna como entre ambas as pernas).

A lista pode alargar-se muito, uma vez que existem dezenas de fatores que podem influenciar, direta ou indiretamente, no estado da nossa musculatura.

Serviços Médicos Lesão

Por isso, hoje em dia, a ciência não conseguiu realmente prevenir esta lesão, o máximo que conseguiu foi reduzir, em certa medida, as possibilidades de vir a sofrer com ela.

Exercícios de prevenção

Conforme referi anteriormente, a lesão de isquiotibiais ou isquiossurais tem uma etiologia multifatorial, pelo que a redução das possibilidades de sofrer desta lesão deve atender a todos aqueles fatores que entrem dentro do grupo dos ‘modificáveis’.

Segundo a literatura científica, um dos trabalhos mais eficientes na prevenção de lesões de isquiotibiais é o trabalho de força excêntrica.

A força excêntrica é aquela que é produzida quando ativamos as fibras de um músculo que está a ser alongado.

No entanto, nem todos os exercícios de força excêntrica são igualmente eficientes. Devemos procurar aqueles que constituam uma carga semelhante àquela que a nossa musculatura suporta durante a corrida, tanto ao nível de intensidade como de velocidade de contração.

Opções interessantes são o single leg deadlift e o single leg sliding leg curl, tanto na sua versão deitado como de joelhos.

Como podes comprovar, os exercícios propostos são todos a uma perna. A razão principal deste método é que vamos tentar que os exercícios sejam o mais parecidos possível com o desporto que praticamos, pelo que não faria muito sentido fazer exercícios sentados, deitados ou com as duas pernas ao mesmo tempo.

Outra das chaves para a redução das possibilidades de sofrer uma lesão de isquiotibiais no futebol é introduzir trabalho de corrida a alta intensidade e sprints de forma sistemática dentro dos nossos treinos.

O que vai ser muito eficaz por ser o mecanismo de lesão por excelência do bíceps femoral no futebol pelo que, se a musculatura estiver adaptada para suportar este tipo de cargas, a possibilidade de lesão vai ser reduzida (desde que o façamos em doses e momentos coerentes).

Por último, vamos destacar a importância de ter uma boa técnica, tanto de corrida como de movimentos específicos do futebol, como são as travagens, acelerações ou mudanças de direção, entre outros.

Como recuperar de uma lesão de isquiotibiais: Tratamento

Como qualquer lesão muscular, o mais importante na recuperação de uma lesão de isquiotibiais no futebol é respeitar os processos biológicos de reparação dos tecidos, uma vez que não existem técnicas milagrosas para recuperar em tempo recorde.

Dito isto, gostaria de referir que respeitar esses prazos não significa estar parado, uma vez que isto nos iria atrasar e, também, vai fazer com que a nossa recuperação não seja tão boa quanto devia.

Recuperação Lesão de Isquiotibiais no Futebol

Se é verdade que tudo vai depender da gravidade da lesão, a partir das 48 a 72 horas depois de ter sofrido a lesão podemos começar a realizar atividades sem impacto, como pode ser a bicicleta para favorecer a circulação na zona lesionada.

Além disso, podemos começar com contrações isométricas, ou seja, aquelas que não produzem nem encurtamento nem alongamentos das fibras musculares (por exemplo, empurrar o calcanhar contra o chão quando estamos deitados).

A partir dos 7 dias, podemos começar a realizar contrações concêntricas (com encurtamento e alongamento das fibras), começando com pouca intensidade e aumentando-a progressivamente.

A partir desse momento, iremos introduzir aos poucos a corrida e trabalhos mais específicos do futebol, desde que a nossa musculatura vá respondendo bem, já que o mais importante não é continuar com os prazos standard, mas sim que os nossos tecidos estejam preparados para progredir.

O principal conselho neste sentido é que sejam assistidos por um readaptador profissional, para ter a certeza de que a vossa recuperação cumpre com todos os critérios necessários para que voltem a jogar com as maiores garantias possíveis e com o menor risco de recaída.

Quanto tempo vou ficar de baixa?

Cada jogador é um mundo e cada lesão também, pelo que uma mesma lesão pode ter tempos de recuperação diferentes, não apenas entre dois jogadores diferentes, mas também no mesmo jogador se sofrê-la em várias ocasiões.

Dito isto, a literatura científica diz-nos em que prazos se estão a movimentar os jogadores de futebol profissionais segundo o grau de gravidade da lesão:

  • Grau 0 (alongamento de fibras sem rotura): cerca de 8 dias.
  • 1 (rotura de poucas fibras): entre 15 e 25 dias aproximadamente.
  • 2 (rotura de uma quantidade considerável de fibras): entre 20 e 30 dias aproximadamente.
  • Grau 3 (rotura completa): entre 2 e 4 meses.

No entanto, devemos ter em conta que, apesar de que o nosso tecido estar recuperado e a lesão ter cicatrizado bem, isto não significa que estejamos preparados para voltar a competir. Quer dizer sim que vamos precisar de uma readaptação físico-desportiva que nos devolva a um estado de forma igual ou melhor do que aquele que tínhamos antes da lesão. O objetivo é reduzir o risco de recaída.

Bibliografia e fontes:

Ligações relacionadas que não deves perder:

Avaliação Lesão de Isquiotibiais no Futebol

Como ocorre - 100%

Por que razão é a lesão mais comum - 100%

Trabalho de prevenção - 100%

Tratamento - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Carlos Gallardo
Carlos Gallardo
Além de exercer como readaptador das escolas do Rayo Vallecano de Madrid, é um apaixonado pela divulgação científica. Desta forma, procura aproximar as novas técnicas de recuperação e trabalho através de textos especializados no HSN Blog.
Confira também
Futebol alto volume muscular
O Volume Muscular Afeta o Rendimento do Futebolista?

O futebol é um desporto complexo no qual o rendimento de um jogador é o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *