Lesões de Rugby: Quais são as mais comuns?

Lesões de Rugby: Quais são as mais comuns?

Sem negar que estamos a falar de um desporto de contacto, no presente artigo pretendo afastar um dos mitos mais habituais no mundo do desporto: o rugby é um desporto perigoso?

Para tal, vamos tratar de conhecer quais são as lesões de rugby mais comuns através de algumas investigações realizadas, além de ver como se podem prevenir e quais são os seus tratamentos.

Prevenção lesões rugby

És adepto do rugby? Praticas de maneira amadora ou profissional? O que te vou contar aqui vai interessar-te, e muito 😉

O rugby é um desporto perigoso?

Gostava de responder a essa pergunta com uma outra: O que é um desporto perigoso?

Isto é, em todos os desportos que podemos praticar há sempre um risco de possível lesão, já que em praticamente todos eles existe um risco de contacto para nós, rival ou companheiro.

Não tenhas medo de praticar desporto. Realizar desporto diariamente, juntamente com uma dieta equilibrada, ajuda-te a levar uma vida mais saudável.

Talvez o rugby tenha sido tratado como um desporto de alto contacto e, com isso, de risco ou perigoso durante muitas décadas, deixando de lado a sua grande história, assim como o seu aroma de companheirismo e de respeito pelo rival.

Como um jogador de rugby se lesiona

Ao longo do post, vamos rever quais são as lesões mais comuns neste desporto, assim como as rotinas que jogadores amadores e profissionais devem seguir para as prevenir.

Quais são as lesões mais comuns no Rugby?

Foram realizados muitos estudos nas últimas décadas sobre o índice de lesões no rugby.

Vamos basear os seguintes dados no estudo realizado na temporada de 1996, no campeonato da União de Rugby de Buenos Aires na sua máxima categoria.

Em dita análise, estudou-se a 150 jogadores de três equipas, seguindo o número de lesões que tinham sofrido ao longo da temporada.

Os dados apresentaram como resultados médios de um total de 17 lesões por cada 1.000 horas de jogo, 73 lesões totais nos 22 jogos analisados na temporada (sem contar com as que aconteceram nos treinos, aumentando o número para 94 lesões em 75 jogadores).

Esse valor indica que o rugby é um desporto lesivo ou perigoso?

O número referido não é baixo, é certo, mas se se compara com outros desportos é idêntico ao que acontece no futebol, mas inferior (com bastante diferença) comparando com outros, como o hockey, com 78 lesões.

Número lesões rugby

A percentagem de lesões leves foi de 24%, moderadas 47% e graves 29%.

Tendinite

São as denominadas lesões por excesso de uso. Num estudo anteriormente citado dos doutores Costa, Godoy e Ayerza, existe uma percentagem de 26% alocada a ditas lesões: tendinite, lesões musculares ou semelhantes.

Sem dúvida, neste aspeto parece especialmente importante o cuidado do desportista: descanso, tratamentos preventivos, alimentação e suplementação.

Lesões traumáticas

Pancadas, placagens, contactos de alto impacto. Todos eles podem supor uma lesão no mundo do rugby.

Rugby lesões mais comunes

O estudo cujos dados foram recolhidos no desporto profissional argentino refere que 74% das lesões dos 150 jogadores analisados foram traumáticas.

Sem dúvida, este dado deixa claro que o rugby é um desporto de contacto, mesmo que não seja tão elevado comparado com outros desportos, como aliás já vimos anteriormente.

A distenção/entorce de alguma das articulações é a zona mais afetada (30%) e mais comum em todo o mundo do rugby, supondo a metade delas algum tipo de fratura (15%).

Comoções cerebrais e lesões cervicais

De acordo com o que refere o Dr. Firman, médico de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Universitário Meridional, as lesões na cabeça e no pescoço “são exceção no rugby”, mesmo que por isso não sejam menos importantes, refere, “ao diagnosticar as possíveis comoções cerebrais no mesmo terreno de jogo”.

Protecçõesrugby segurança

Relacionado com este tema, a União Argentina de Rugby obriga todas as equipas da sua competição a realizar um estudo de aptidão médica pré-competitiva.

Para que serve esta análise? O objetivo é conhecer se existe uma estreiteza do canal congénito da coluna cervical. No caso de o estudo ser positivo, os serviços médicos já ficam informados que o jogador terá um maior risco para a lesão medular cervical perante qualquer contusão na referida zona.

Conheces o que é uma comoção cerebral e o que a provoca?

De acordo com o Guia de Formação sobre a Comoção Cerebral realizado pela Federação Espanhola de Rugby, é uma lesão “cerebral traumática, que pode ser causada por uma pancada direta na cabeça ou no corpo, e pelos movimentos de tipo esticão cervical da cabeça e do pescoço que ocorrem quando um jogador é bloqueado ou choca com outro jogador, com o chão ou com um elemento envolvente (postes, grades, etc.). Imediatamente depois de uma presumível comoção cerebral, o cérebro fica susceptível a um dano superior se ocorre outro impacto”.

Por esta razão, o jogador deve ser retirado imediatamente do terreno de jogo para ser analisado pelos serviços médicos.

Como tratar as lesões de rugby

Este último tema é precisamente o mais importante: os serviços médicos devem estudar e tratar os jogadores de lesões no próprio terreno de jogo, com o objetivo de evitar possíveis lesões graves.

Rugby prevencao prevenção lesões

Tal e como afirma Paloma Loza, coordenadora de fisioterapeutas da Federação de Rugby de Madrid, o trabalho de prevenção neste desporto é importante, já que “evita que o jogador se lesione mais do que deve e tenha de parar, assim como tudo o que isso significa: quebra da forma física e psicológica; e depois um duro regresso à atividade”.

Trabalho para as prevenir

Dentro do trabalho estipulado para prevenir as possíveis lesões num desporto de contacto, e sem contar com as proteções, entende-se como básico que será a melhor condição física possível.

Um correto treino físico previne grande parte das eventuais lesões que possam ocorrer em qualquer tipo de desporto, enquanto o treino e a fortaleza psicológica pode melhorar a competição.

Quanto à prevenção de lesões traumáticas, é de vital importância o uso de elementos de proteção: bocais, craneais ou das articulações. De acordo com os estudos analisados, na grande maioria dos casos as ditas proteções são “muito deficientes ou inexistentes”.

A Internacional Rugby Football Board não autoriza o uso de nenhum protetor externo que tenha broches ou estruturas sólidas que possam originar acidentes com o tackle, mas autoriza protetores acolchoados para os ombros ou para a cabeça.

Jogas rugby? Não percas o conteúdo específico que preparámos sobre os suplementos mais importantes que deves incluir na tua dieta.

Novas regras no Rugby para evitar lesões

A Federação Internacional de Rugby está a trabalhar há vários anos na possível mudança de algumas regras do desporto com o objetivo de tratar de evitar lesões.

Novas regras rugby

A que mais polémica tem levantado, e que foi testada em categorias de escalões inferiores em França, foi a de proibir as placagens. Não todas, apenas aquelas acima da cintura do rival.

O que se pretende evitar com esta medida?

Baixar o número de eventuais lesões por comoção cerebral. Mesmo que neste artigo se tenha falado que o rugby não é um desporto lesivo ou violento, o certo é que o número de lesões cerebrais é bastante alto.

A segurança dos desportistas preocupa os responsáveis deste desporto.

Referências Bibliográficas

Outros conteúdos que podes ler em relação com o tema:

  • Como evitar as lesões no futebol? Acede desde o link
  • Quais são as lesões mais habituais no ténis? Conhece mais na secção deste desporto na HSN Blog. Clica aqui.
Avaliação Lesões no Rugby

Um desporto perigoso? - 100%

Lesão excesso de uso - 100%

Traumatismos - 100%

Comoções cervicais - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre José Miguel Olivencia
José Miguel Olivencia
José Miguel Olivencia é um profissional da comunicação e desporto. Sempre tratou de de uni-los nas suas diferentes experiências profissionais, como ocorre na HSN e Blog HSN.
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *