Óleo de Cânhamo Tudo o que Precisas de Saber

Óleo de Cânhamo Tudo o que Precisas de Saber

Neste artigo, contamos tudo aquilo que precisas de saber sobre o Óleo de Cânhamo, uma fonte desconhecida de gordura saudável.

O que é o Óleo de Cânhamo?

O óleo de cânhamo é o nome comercial dado ao óleo de sementes da planta Cannabis sativa L.

Este é o óleo de marijuana?

A utilização de diferentes partes da planta para a elaboração de produtos destinados à alimentação, cosmética ou indústria têxtil denomina-se geralmente de cânhamo.

Enquanto que a utilização da planta devido às suas propriedades psicoativas para fins recreativos ou de qualquer outra índole é geralmente denominada de “marijuana” o “weed”.

De qualquer forma, estamos sempre a falar do mesmo, produtos elaborados a partir da Cannabis sativa.

O que é que têm em especial as Sementes de Cânhamo?

As sementes da planta possuem uma boa quantidade de matéria gorda, cerca de 30-35% da sua massa, o que faz delas uma fonte, como tantas outras sementes vegetais, de gorduras.

Uma das suas particularidades é o bom perfil de ácidos gordos que apresenta, maioritariamente ácidos gordos poliinsaturados da série ómega 3 e ómega 6 que fazem dela uma fonte de gordura vegetal saudável para o coração.

Biossíntese

Figura I. Biossíntese de substâncias ativas a partir de ácidos gordos ómega 6 e ómega 3.

Qual é o perfil de gordura das Sementes de Cânhamo?

As sementes de Cannabis sativa possuem um óleo de excelente qualidade, que antes de serem refinadas apresentam uma cor verde viva e uma forte densidade devido à presença de clorofila e outras xantofilas na sua matriz.

A composição de ácidos gordos das sementes é excelente, muito rica em ácidos gordos poliinsaturados numa quantidade aproximada de 3:1 (n6:n3).

Uma relação nutricionalmente equilibrada e com uma capacidade de combater uma grande quantidade de doenças ocidentais não transmissíveis que se desenvolvem como consequência de um estado crónico de grau reduzido em parte pela predominância de ácidos gordos ómega 6 sobre o ómega 3.

Efeitos

Figura II. Efeitos sistémicos do consumo de uma quantidade variável de ácidos gordos Ómega3/Ómega6.

O perfil de ácidos gordos do óleo das sementes de cânhamo é o seguinte:

  • 50-70% ácido linolénico
  • 15-25% ácido α-linolénico
  • ~10% Ácidos gordos saturados (principalmente palmítico e esteárico).
  • Pequenas quantidades de Ácido γ-linolénico, Ácido olénico e ácido estearidónico.

Perfil

Figura III. Perfil de ácidos gordos nas sementes de (da esquerda para a direita): cânhamo, linhaça, girassol, soja, abóbora.

A composição certa de ácidos gordos do óleo das sementes de cânhamo faz com que seja uma alternativa a considerar ao óleo de peixe (Hazekamp et al., 2010).

Mesmo que em termos pessoais não o considere equiparável numa dieta omnívora,onde embora tenha lugar, o óleo de peixe continua a ser superior.

Porém, se falarmos em pessoas veganas, é um excelente suplemento para o nosso Omega-3 Vegan 4000UI para permitir o aumento da síntese de EPA através da conversão ALA -> EPA e retroconversão DHA ->EPA.

Conversão

Figura IV. Caminho de biossíntese de DHA a partir do ácido alfa-linolénico.

Podes ler mais detalhes sobre este tema no Link da Publicação onde abordo o consumo de óleo de algas como fonte de ácidos gordos ómega-3 por parte pessoas veganas.

Produção de óleo

As sementes de canábis são produzidas pelas plantas fémea após a fertilização por parte do macho.

Uma planta com dimensões padrão pode chegar a produzir até 1kg de sementes que, após a colheita, são secas para retirar a humidade e evitar a germinação e, posteriormente, serem descascadas (nem sempre) e processadas através da prensagem a frio para extrair o óleo.

Sementes
Podemos extrair o óleo através da utilização de dissolventes orgânicos ou tratamentos com base na utilização de altas temperaturas, só que isto destrói facilmente os ácidos gordos poliinsaturados das sementes, integra-os e faz com que parte dos seus efeitos positivos se percam.

Por isso, o óleo de cânhamo pode ser obtido através da prensagem mecânica em condições de temperatura controlada.

É perigoso? Pode constituir um risco?

É a pergunta mais comum dos consumidores que nunca utilizaram óleo de cânhamo, ¿é psicoativo?

Não.

As sementes de Cannabis sativa não sintetizam de forma natural os canabióides e, por isso, não só não contêm THC como também não possuem CBD e outros ácidos canábicos, logo, a sua utilização deve ser sempre 100% seguro e isento de contaminação por estas substâncias.

“Ser colocado em risco” com óleo de sementes de cânhamo é impossível, a menos que não tenham sido reportados casos na literatura, pelo que vamos partir do princípio de que a priori não é possível.

Caso exista algum tipo de contaminação, pode dever-se à presença de canabióides devido à exposição à resina das flores da planta durante ou após a sua colheita.

Por isso, é importante ter e conta o lugar onde são adquiridos os óleos de cânhamo.

As garantias de ausência total destas substâncias devem estar acreditadas por entidades que certificam externamente as melhores práticas de fabrico da empresa que produz a matéria prima e aquela que processa o produto.

Acreditação bureau

Figura V. Acreditação Bureau Veritas que garante as melhores práticas de fabrico (GMP) dos produtos comercializados pela HSN.

HSN é uma empresa certificada pela enntidade Bureau Veritas, que apresenta normas de certificação muito restritos através dos quais garantem as melhores práticas de fabrico e a análise de riscos e pontos de controlo essenciais no processo de fabrico de suplementos alimentares que asseguram a ausência total de contaminação com estas substâncias no produto “óleo de sementes de cânhamo e linhaça” da gama HSNessentials.

Porque é que não contém canabinóides?

Colocando de parte a vertente ética, através da qual todos os consumidores têm o direito de serem informados sobre a composição de qualquer produto adquirido, para no caso de não pretenderem utilizar uma determinada substância (independentemente da sua inocuidade), possam decidir não o fazer.

Os canabinóides (exceto o CBD) são proibidos pella WADA (Agência Mundial Anti-Doping), entidade reguladora da utilização ilícita de produtos para aumentar o desempenho da performance desportiva.

Categoria s8

Figura VI. Categoria S8 de produtos cujo consumo em competição foi proibido pela lista de substâncias proibidas por parte da WADA em 2020.

Pelo que a compra de um produto se garantias de isenção destas substâncias pode ser responsável por um caso positivo no consumo de drogas para a melhoria do desempenho da performance desportiva da categoria S8 da lista de sustâncias proibidas pela WADA 2020 com a respetiva penalização em competição para o atleta em questão.

Referências Bibliográficas

  1. Hazekamp, A., Fischedick, J. T., Llano, M. D., Lubbe, A., & Ruhaak, R. L. (2010). Chemistry of Cannabis. In H.-W. (Ben) Liu & L. B. T.-C. N. P. I. I. Mander (Eds.), Comprehensive Natural Products II: Chemistry and Biology (Vol. 3, pp. 1033–1084).

Entradas Relacionadas

  • CBD é o Novo Aliado para os Praticantes de Desporto… continuar a ler.
  • Diabetes e Marijuana, um potencial tratamento? Vamos contar tudo aqui.
Análise do Óleo de Cânhamo

O que é - 100%

Caraterísticas - 100%

Certificações - 100%

Suplementos - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Alfredo Valdés
Alfredo Valdés
Especialista e treino de fisiopatologia metabólica e nos efeitos biomoleculares da alimentação e o exercício físico, com os seus artigos, vai levar-te no complexo mundo da nutrição desportiva e clínica, de forma simples e desde uma perspectiva crítica.
Confira também
abacate
Benefícios e propriedades dos Abacates

Uma das maiores fontes de vitaminas, contém 20. Fonte de gorduras saudáveis que ajudam a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *