Regresso aos Treinos em Futebol: O que ter em conta para regressar sem problemas?

Regresso aos Treinos em Futebol: O que ter em conta para regressar sem problemas?

Após dois meses de confinamento parece que, finalmente, começamos a ver a luz ao fundo do túnel. As restrições e o confinamento começam a abrandar, permitindo-nos em determinados horários sair, inclusive para praticar exercício físico ao ar livre. Sabes como é feito o regresso aos treinos, por exemplo, no futebol?

Parece que as competições profissionais pretendem retomar a sua atividade após quase 8 semanas de paragem. No entanto, as competições inferiores (de 2ªB para baixo) não voltarão a competir, a priori, até à próxima temporada (sem datas ainda confirmadas).

Futebol nao profissional de volta à formação

Por isso, é mais importante do que nunca ter em conta quais vão ser os efeitos deste período de confinamento caraterizado por uma redução da atividade física que muitos nunca antes tinham vivido, uma vez que um jogador de futebol nunca passa tantas semanas parado.

Um jogador de futebol com falta de treino

O organismo, após um longo período de inatividade, entra num estado de falta de treino. Mujika e Padilla em 2001 definiram a falta de treino como a perda parcial ou total das adaptações fisiológicas, anatómicas e do desempenho conseguido com o treino e como uma consequência da redução ou suspensão do processo de treino.

Uma das principais consequências desta falta de treino será a redução da capacidade cardiorrespiratória, que se manifestará como uma diminuição da resistência e um aumento de a frequência cardíaca para a mesma atividade relativamente aos valores que tínhamos antes da paragem.

Segundo Mujika e Padilla em 2001, esta redução da capacidade cardiorrespiratória começa a manifestar-se a partir das 4 semanas de inatividade, e vai diminuindo de forma gradual desde esse momento. Por isso, uma vez que esta capacidade vai ficando afetada em grande parte, o regresso ao exercício físico de caráter aeróbico deve ser gradual.

Regresso à formação

Os clubes profissionais de futebol já regressaram aos treinos de forma individual e com as condições de segurança e higiene.

E em que condições musculares chegam?

Outro dos principais efeitos da falta de treino será nas nossas estruturas mecânicas, como o são os músculos, tendões e ligamentos.

A prova científica mostra-nos uma diminuição tanto no tamanho dos músculos como na composição e propriedades dos mesmos após um período de falta de treino. A musculatura treinada, habituada a receber estímulos de uma certa dimensão, pode ficar atrofiada se estes estímulos pararem e deixarem de ter a necessidade de produzir os níveis de força a que está habituado após X semanas de inatividade. (Ronconi & Alvero-Cruz, 2008)

Tão importante ou mais do que os nossos músculos são os tendões, cujas propriedades mecânicas tendem a diminuir após um período de inatividade.

Recordamos que a principal função dos tendões é a transmissão de força para gerar movimento, pelo que uma perda das suas capacidades pode levar-nos a uma má gestão desta força que, por sua vez, pode desencadear uma lesão.

No entanto, não é o tamanho dos nossos músculos a única coisa que devemos ter em conta. Talvez, o mais importante que devemos considerar seja a perda das capacidades neuromusculares que se verificaram após um período de falta de treino (Rejc et al, 2018).

Estas capacidades neuromusculares traduzem-se na produção de força por parte dos nossos músculos, tanto na quantidade que conseguimos produzir, como o tempo que investimos aí.

Por isso, tanto a nossa força como a nossa velocidade e energia serão reduzidas quando regressarmos ao relvado.

Regresso gráfico à formação

Gráfico 1. Energia Explosiva Máxima (A) e Energia Explosiva Máxima Específica Reto Femoral do Quadríceps (B) realizada antes de um período de inatividade (PRE-BR), após o período de inatividade (POST-BR) e após 14 dias de regresso aos treinos (R+14).

Como é que deves regressar aos treinos?

Por tudo o que foi exposto anteriormente é totalmente necessário regressar à atividade física com cuidado e de forma muito gradual, uma vez que as nossas estruturas e capacidades estão muito longe de ser aquelas que costumávamos ter antes da paragem, apesar de a maioria ter estado a treinar em casa para evitar estas perdas.

Sabes qual foi o exercício recomendado para os jogadores de futebol durante esta época de confinamento? Acede ao link e poderás conhecê-lo ao pormenor.

Se é bem verdade que o treino em casa é absolutamente necessário para colmatar esta perda de capacidades que referimos, devemos ter consciência de que, embora tenhamos conseguido reduzir a dimensão da perda de massa muscular, capacidade cardiorrespiratória ou força neuromuscular, as atividades que estivemos a realizar estão muito longe de ser semelhantes àquelas que costumamos realizar no relvado.

Precisamente, um dos princípios fundamentais do treino desportivo é o Princípio de Especificidade, que nos diz que devemos aplicar ao jogador os estímulos mais parecidos possíveis das exigências que vai ter na competição, para causar uma boa adaptação para dar resposta às exigências.

Pre-temporada futebol nao profissional

Quando é que voltaremos a ver treinos em grupo ou pré-épocas em grupo no mundo do futebol?

Treino gradual

O que é que pretendo dizer com tudo o que foi exposto anteriormente?

Precisamente, a minha intenção é que entendas que, por mais trabalho de força que se tenha realizado em casa, por mais quilómetros que tenhas corrido na passadeira ou qualquer exercício semelhante, as tuas estruturas não estão preparadas para regressar ao futebol imediatamente.

Porque o futebol é considerado, segundo as suas exigências físicas, um desporto intermitente e com grandes exigências tanto de acelerações como de desacelerações (Newans et al., 2019). Com isto, teremos de voltar a treinar as nossas estruturas relativamente a estas caraterísticas específicas do futebol, como são as mudanças de direção, acelerações, desacelerações, saltos e golpes, principalmente.

Por isso, para regressar à competição em futebol de forma segura e eficaz, é condição indispensável realizar um período de treino gradual, que vá do mais geral (como corrida, trabalho de força, condução de bola e passe) para o mais específico. Introduzindo gradualmente ações cada vez mais específicas e exigentes do futebol, como acelerações, saltos, mudança de direção e rematar à baliza.

Trabalho individual futebol

Devemos ter em conta que, no futebol profissional, os períodos transitórios de verão duram cerca de 4 a 6 semanas, e os períodos de regresso aos treinos para a competição (as famosas pré-épocas) são realizados durante cerca de 8 semanas antes de voltar à competição.

Tendo em conta as diferenças de condição entre os jogadores de futebol profissionais e os amadores, e tendo em conta que o período sem jogar futebol será muito superior a 4-6 semanas, torna-se evidente a necessidade de realizar um período de treino muito mais longo e gradual para evitar as lesões e poder voltar a desfrutar daquilo que nos faz tão felizes.

Referências Bibliográficas

Descobre outros conteúdos relacionados:

  • Os atletas profissionais no Desconfinamento após a Quarentena. Acede ao publica aqui.
  • E como é que podem ficar em forma os outros atletas profissionais após a Quarentena? Sabe mais no link.
Avaliação do Regresso aos Treinos Futebol

Em que condições chegam - 100%

Falta de treino - 100%

Como regressar - 100%

Trabalho gradual - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Carlos Gallardo
Carlos Gallardo
Além de exercer como readaptador das escolas do Rayo Vallecano de Madrid, é um apaixonado pela divulgação científica. Desta forma, procura aproximar as novas técnicas de recuperação e trabalho através de textos especializados no HSN Blog.
Confira também
suplementos futebol
Que Suplementos Desportivos deve tomar um futebolista?

Os suplementos desportivos esta presente no mundo do futebol. Faz alguns anos, os serviços médicos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *