Vitamina K – Tudo o que deves saber!

Vitamina K – Tudo o que deves saber!

Imagina, por um momento , que existe uma vitamina que tem a propriedade de lograr que o cálcio que o organismo assimila, seja utilizado para formar e fortalecer ossos, sem que se acumule nas artérias. Esta vitamina pode prevenir , de forma simultânea varias patologias, desde um infarto até a osteoporose. Pois bem, por incrível que pareça, os estudos clínicos demonstraram que a vitamina K2 tem exatamente estas propriedades.

Vitamina K2: a prevenção natural contra a osteoporose e a arteriosclerose

A arterioesclerose e a osteoporose, a primeira vista tem pouco em comum. Não obstante, ambas se desenvolvem a medida que as pessoas envelhecem.

Tanto uma como a outra não sucedem da noite pro dia, se não que tem um desenvolvimento lento durante décadas, de modo que até que não se produz o infarto ou a fratura óssea, a pessoa ignora que sofre esta doença.
Aparentemente, a semelhança fica aqui.

Porém, ao analisar os efeitos da vitamina K2, os cientistas chegaram à conclusão de que a mesma proporciona, de forma simultânea, uns ossos fortes e umas artérias limpas. Por isso, podemos assegurar que a vitamina K2 é decisiva para prevenir as duas doenças mais comuns dos países industrializados.

Informação sobre a vitamina K2

  • São vitaminas lipossolúveis do grupo de vitamina K
  • Contribuem a construir e fortalecer os ossos e dentes
  • Previnem e reduzem o cálcio que se deposita nas artérias
  • Ativam de forma natural, as proteínas que transportam o cálcio (proteínas Gla)
  • Garantem a coagulação sanguínea

A vitamina K2 está recomendada:

  • Para a prevenção e tratamento da arteriosclerose
  • Para prevenção e tratamento da osteoporose
  • Para prevenção dos problemas de dentes sensíveis

Os estudos clínicos demonstraram os efeitos da vitamina K2.

A relação direta entre a vitamina k2 e as doenças cardiovasculares se descobriu por primeira vez em 2004, num ensaio clínico sobre o coração realizado a grande escala e bem controlado em Rotterdam.[1]
Um estudo desenvolveu durante um período de dez anos, analisando 4.807 mulheres e homens a partir de 55 anos de idade.

  • O estudo demonstrou que aqueles que consumiram, durante esse período, alimentos ricos em vitaminas k2 tiveram uma menos calcificação nas artérias.
  • Ao mesmo tempo, estas pessoas têm um menor risco, até 50%, de morrer por uma doença cardiovascular. Esta redução observou-se nas pessoas que consumiram mais de 32 mcg de vitamina K2 por dia, em contraposição com os que consumiram muita vitamina K1.

Uma avaliação de sete estudos em dobro realizado sobre o consumo em adultos dos suplementos de vitamina K2, demonstrou que a sua ingestão reduzia até uns 60% o risco de sofrer fraturas vertebrais, aproximadamente uns 77% o de sofrer fraturas de bacia e até uns 81% de sofrer fraturas que não afetam o aparelho de Foucault. E ainda, também demonstrou que a vitamina K2 pode-se retardar a descomposição da densidade óssea.

O que é a vitamina K?

A vitamina K está formada por um grupo completo de vitaminas lipossolúveis que são essenciais para a coagulação do sangue e, por tanto, para manter os ossos fortes e as artérias saudáveis.

O grupo da vitamina K divide-se em vitamina K1 (filoquinona) e vitamina k2(menaquinonas).

A vitamina K1 joga um papel básico na coagulação do sangue. A vitamina K2, por outro lado, ativa as proteínas GLA, que são importantes para o controlo do cálcio. Esta função tem um forte impacto na saúde dos ossos e das artérias.
Estas proteínas GLA ajudam a unir o cálcio no osso e a reduzir os depósitos de cálcio nas artérias. Por tanto, falta de vitamina k2 está associada com um maior risco de padecer arterioesclerose e osteoporose.

Vitamina K2 y la osteoporosis

Benefícios da vitamina K

A vitamina K2 tem um efeito único entre todas as vitaminas: ativa as vitaminas GLA (ácido gamma-carboxilglutámico) , que existem mais de cem, tipos no corpo. A vitamina K2 é a única que ativa as proteínas.

Até o momento encontramos quinze tipos diferentes dentro desta classe de proteínas. Os científicos suspeitam que existem mais de cem tipos por todo o corpo. A vitamina k2 é a única que ativa as proteínas.

As proteínas GLA ativam os fatores de coagulação do fígado, a osteocalcina nos ossos e a proteína Gla de matriz (MPG) no torrente sanguíneo.

Por tanto as proteínas GLA ajudam na coagulação do sangue, garantem que o cálcio pode-se armazenar nos ossos e previne e reduz os depósitos de cálcio nas artérias.

O metabolismo do cálcio não funciona sem vitamina K2

Se há uma deficiência de vitamina K, o cálcio não se deposita nos ossos, o que origina osteoporose, A vitamina K2 também aumenta o conteúdo geral de minerais no tecido ósseo. Só um alto conteúdo mineral assegura uns ossos sólidos. Quando o organismo tem carência de vitamina K2, a densidade dos minerais diminui e os ossos se volvem mais porosos.

Devido a isto, uma deficiência origina depósitos de cálcio nas artérias, que pode provocar doenças cardiovasculares, renais e neurodegenerativas.

A vitamina K2 encarrega-se de regular o cálcio

A vitamina K2 é a encarregada de provocar ‘’carboxilação’’ das proteínas GLA. Durante a carboxilação, as proteínas GLA formam visualmente uma espécie de garras com as que podem se aderir ao cálcio e movimenta-lo.
As proteínas que não tem suficiente vitamina k2 não podem formar estas garras e, por tanto, não podem controlar o mineral. Sem as proteínas GLA ativadas, o cálcio emigra incontrolado desde os ossos até as artérias e os tecidos moles do organismo.

A vitamina K2 protege os ossos

A proteína GLA também é conhecida com o nome de osteocalcina, relacionada com a densidade óssea. A osteocalcina precisa de vitamina K2 para armazenar cálcio nos ossos. A osteocalcina subcarboxilada (osteocalcina sem vitamina K) não pode regular o cálcio, o resultado é a redução de cálcio nos dentes e nos ossos, que se volvem porosos. Ao mesmo tempo, o cálcio acumula-se nas artérias. A vitamina k2 pode inverter este processo.

A vitamina K2 protege as artérias

A vitamina K ativa a proteína Gla da matriz (MPG), que regula o cálcio nas paredes arteriais. Se há alguma diferença de vitamina K2 estas proteínas não se podem ativar e se originam depósitos de cálcio em forma de placa aterosclerótica.

Isto também explica o fato de que os pacientes que tomam anticoagulantes (por exemplo, Cumarinas que inibem os efeitos da vitamina K) sofrem de ateroesclerose acelerada.

Deficiência de vitamina K

A falta de vitamina K2 geralmente demora para se notar. Isto é devido a que esta vitamina está envolvida em processos do organismo que demoram em se produzir. Os primeiros signos da deficiência K2 são, por exemplo, os roxos causados por uma ligeira pressão sobre a pele.

As feridas sangrentas depois de uma lesão particularmente forte ou prolongada indicam um transtorno da coagulação sanguínea e por tanto, uma falta de vitamina K1.

As pessoas podem ter uma carência de vitaminas lipossolúveis se consomem pouca gordura na sua dieta alimentar, ou bem a absorção da gordura encontra-se comprometida como consequência da ingestão de certos medicamentos, ou padecer algum tipo de patologia. A fibrose quística é uma doença que provoca uma deficiência na síntese de enzimas que estão relacionadas com a absorção da gordura no intestino.

As doenças como a osteoporose e a calcificação das artérias são outros sintomas da deficiência da vitamina K.

Outras doenças que guardem relação com a patologia do sistema intestinal, tais como a síndrome de Chron ou colite ulcerosa, também vão produzir uma falta de vitamina K, devido a uma pobre absorção nutricional.

Baixos níveis de ingestão de vitamina K está sugerindo como fatores de risco dietético para a osteoporose. Ingerir via complementação alimentar uma dose de vitamina K diário, pode conduzir significativamente até um incremento na densidade mineral óssea, sobre tudo para o público de risco, como as mulheres pós-menopausa.

Baixos níveis de vitamina K também foram associadas com um maior risco de artrite, onde, possivelmente uma baixa atividade das proteínas depende da vitamina K dentro das articulações seja um importante condicionante como provável para o aumento do risco.

Para quem é importante a vitamina K2?

  • Para as pessoas que sofrem de um transtorno de coagulação no sangue
  • Para idosos que doença óssea
  • Para pessoas com doenças dos casos sanguíneos(arteriosclerose)[2]
  • Para crianças, para construir e fortalecer os ossos
  • Para pessoas com sensibilidade dental
Já que o corpo não produz suficiente vitamina K2, a sua comprovação do organismo se realiza através da alimentação ou dos suplementos dietético.

As pessoas mais velhas tem mais necessidade de vitamina K2. E ainda, dado que a virtamina K2 está presente principalmente em alimentos de origem animal, sua ingestão adicional está recomendada para vegetarianos e veganos.
A vitamina K2 ativa as proteínas GLA (ácido gamma-carboxilglutámico), que são importantes para o controle do cálcio. Até o momento , foi encontrado quinze classes diferentes destes tipos de proteínas.

A vitamina K” é a única que ativa estas proteínas. Sem as proteínas Gla ativadas, o cálcio emigra sem controle desde os ossos até as artérias e outros tipos de tecidos moles.

A vitamina K protege contra a ateriosclerose

A vitamina K2 e a aterosclerose

Durante mais de meio século acreditou-se que a vitamina K só era necessária para a coagulação do sangue saudável. Porém, nos últimos anos, se descobriu que tem muitos benefícios para o organismo.

A vitamina K2 ativa a proteína Gla da matriz (GLA), responsável da regulação do cálcio nas paredes arteriais. Se a vitamina K2 é deficiente, estas proteínas não se podem ativar, o que ocasiona que os depósitos de cálcio em forma de placa aterosclerótica.[2]

Vitamina K e saúde articular

Este aumenta o risco de sofrer uma doença cardiovascular e causa a patologia conhecida como “endurecimento das artérias”. Tanto é assim, que o tecido arterial saudável contém 100 vezes mais vitamina K que o das artérias calcificadas.

Isto também explica por que os pacientes que tomam anticoagulantes (como Coumadin, que bloqueia os efeitos da vitamina K no corpo) sofrem arterioesclerose acelerada.

O que é arterioesclerose?

endurecimento das artérias, conhecido como ‘’arteroesclerose’’ é a doença mais comum na atualidade. Cada segundo uma pessoa no mundo sofre sequelas que produz, tais como isquemia, trombose, angina de peito, infarto de miocárdio ou acidente cérebro-vascular.

Estas doenças do sistema cardiovascular supõe o 55% de todas as mortes que se produz no mundo ocidental.

A arteroesclerose é uma mudança degenerativa das artérias, especialmente das artérias coronárias, que se desenvolve lentamente durante décadas, A calcificação considerou-se durante muito tempo pelos profissionais médicos como um efeito secundário desfavorável de envelhecimento.
Porém, agora sabe-se que a arteroesclerose é um processo ativamente controlado. As calcificações não causam sintomas, mas, em combinação com os depósitos de gorduras e à redução de fluidez nos vasos sanguíneos pode causar problemas circulatórios, vasos sanguíneos obstruídos, angina de peito, trombose e, posteriormente, um ataque ao coração ou cardiovascular.

O estudo de Rotterdam demonstrou os benefícios da vitamina K2

A deposição normal do cálcio tem lugar em dois órgãos: os ossos e os dentes. A deposição anormal de cálcio situa-se em três lugares: na capa interna das artérias (intima), na que se acumula a placa aterosclerótica, na capa muscular das artérias (‘’calcificação medial’’) e nas válvulas do coração.

A vitamina K2 é o tipo de vitamina K que melhor ajuda ao organismo a evitar o funcionamento anormal do cálcio.

O cálcio sempre teve a consideração de um marcador passivo nas doenças cardiovasculares. EM teoria o cálcio era só um pequeno resíduo no que respeito a atividade inflamatória.

Conforme esta teoria, o cálcio poderia considerar-se um indicativo de uma maior estabilidade da placa, e não desempenha um papel ativo no desenvolvimento da placa arterioeclerótica.

As atuais investigações refutaram esta conclusão. No célebre ‘’Estudo sobre o coração’’ realizado em 2004, com um total de 4807 participantes, durante sete anos[1] se um vínculo claro entre os níveis de vitamina K2 e as doenças cardiovasculares. As conclusões do estudo foram as seguintes:

  • Encontrou-se que os participantes que consumiram maior quantidade de vitamina K2 reduziram num 57% a aparição de doenças cardiovasculares.
  • A anterior relação não pode se estabelecer nos participantes que consumiram vitamina K1.[2]
  • Foi comprovado que a ingestão de vitamina K2 evitava os depósitos de cálcio na aorta ( o que reduz de forma direta, a arterioesclerose).[2]
  • Porém, os participantes que tomaram menor quantidade de vitamina K2 sofreram calcificações moderadas ou severas.
  • Em menor risco de infarto de miocárdio e de calcificação da aorta, encontrou-se nos participantes que ingeriram, através da dieta, mais de 32,7 mcg de vitamina K2.
Em vista da qualidade do estudo de Rotterdam sobre o coração, podemos incluir que ficou demonstrado a estreita relação entre a ingestão de vitamina K2 e a redução de doenças cardiovasculares. Isto é devido a que a vitamina K2 tem um efeito positivo no coração e na circulação e inibe a aparição da arterioesclerose.
Os médicos estão centralizando atualmente em deter a acumulação de cálcio no coração porque sabem que os depósitos de cálcio provocam a aparição da placa ateroesclerótica.

Por tanto, a acumulação de cálcio é um indicativo do crescimento da placa aterioesclerótica, e a deficiência de vitamina K pode produzir um processo patogénico.

Pode a vitamina K chegar a reverter a arterioesclerose?

Um estudo recente realizado com animais no Instituto De Investigação Cardiovascular da Universidade de Maastricht (Países Baixos) demonstrou que a vitamina K2 não só preveem a calcificação se não que incluso pode reverte-la.

O estudo foi realizado com ratos de laboratório que receberam o anticoagulante de warfarina para induzir a calcificação das artérias. De seguida, alguns ratos receberam alimentos com um elevado conteúdo em vitamina K2. Este resultado foi que os ratos que receberam esta dieta, reduziram, até 50 por cento, o conteúdo de cálcio nas suas artérias em comparação com o grupo de controle que recebia uma dieta normal.[3]

Salud de los huesos y la Vitamina K

O líder do estudo, o professor Leon Schugers, comentou os resultados da seguinte maneira:

“Nas últimas descobertas encontramos sobre o papel que a ingestão de vitamina K2 resultam muito interessantes para o tratamento das doenças cardiovasculares e a doença coronária. Perante este estudo foi demonstrado que a ingestão de suplementos K2 pode inverter a arterioesclerose”.

A vitamina K2 e a saúde óssea

A proteína GLA mais conhecida chama-se osteocalcina. Esta proteína precisa de vitamina K2 para armazenar o cálcio nos ossos.

Se o organismo não tem vitaminas K2, a osteocalcina não pode regular o cálcio. Como consequência disso, diminuiu o conteúdo de cálcio dos dentes, e os ossos e volvem-se porosos. AO mesmo tempo, o cálcio acumula-se nas artérias. A vitamina K2 pode inverter este processo.

A vitamina K é um nutriente excecional para a correta manutenção da saúde óssea, estando bastante estabelecido o seu papel para tratar este condicionante. As pessoas que tem deficiência de vitamina K demonstraram repetidamente que tem um maior risco de produzir fraturas.[4] E ainda, para as mulheres que passaram pela menopausa e começaram a experimentar a perca de densidade óssea, a vitamina K pode colaborar para prevenir futuras fraturas.

Conforme a investigação[5], as nossas células possuem predileção pela forma das vitaminas K, K1 e K2, onde cada uma exercerá um papel diferente sobre a saúde dos ossos. Para o caso da K2[6], existem os dois tipos que maior nível de captação vão a gerar por parte do sistema ósseo:

  • MK4
  • MK7
De fato, a investigação está virando na direção da K2, onde estão pondo todos os olhares, em concreto sobre o sub-tipos existentes: a vitamina k2 possui uma estrutura química composta de repetidas unidades denominadas préniles, sendo a fomra mais comum de K2: 4, 5, 7, 8 ou 9 unidades, e daí a nomenclatura caracterizada por: MK-4, MK-5, MK-7, MK-8 ou MK-9.

As ‘M’ referem-se a ‘’Menaquinona’’, o término científico que recebe. Enquanto nas dietas padrão dos humanos normalmente consta de em torno 10-20% de K2, a proporção dos subtipos podem variar amplamente: as comidas fermentadas a partir de soja vão a conter mais MK-7; o queijo NK-8 e MK-9…

A relação entre os benefícios para a saúde dos ossos e a vitamina K depende, em princípio, de dois mecanismos básicos:

  • Células óseas denominadas “Osteoclastos”
  • Carboxilação
Os osteoclastos encontra-se a cargo da desmineralização óssea, ou seja, encarregam-se de obter minerais procedentes de ossos para levá-los a outros sistemas do organismo e usá-los para outras funções. Enquanto tal atividade é importante para a saúde, não é preciso uma elevada cifra destas moléculas, ou atividade propriamente delas, devido a que pode conduzir até um desequilíbrio mineral ósseo. A vitamina K ajuda o corpo neste processo, para mantê-lo regulado. Em concreto, a MK-4 (denominada mebatretona) evita a formação de demasiadas células[7], servindo também, como incio da morte celular destas (adaptose).

O segundo mecanismo envolve a vitamina K num processo conhecido como “Carboxilação”.[8] EEste processo está diretamente relacionado com os fatores de coagulação requeridos para a apropriada coagulação do sangue. Para uma ótima saúde dos ossos, uma das proteínas que se encontram nos mesmos, denominada “Osteocalcina”, necessita ser alterada quimicamente durante o processo de carboxilação. Esta proteína está relacionada com a medição da Densidade Mineral Óssea (BMD) e, por esta razão, os médicos atendem as análises sanguíneos para buscar parâmetros onde possam comprovar a saúde óssea. Quando um alto índice de proteínas osteocalcinas no nosso tecido ósseo são carboxiladas, existirá um maior risco de sofrer fraturas.
A vitamina K pode reduzir drasticamente esta situação[9]: e modo que a vitamina K é requerida para a atividade adequada da enzima carboxilase, que permite a carboxilação das proteínas de osteocalcina no tecido ósseo, a vitamina K pode reconduzir e reestruturar estas proteínas ósseas ao lugar adequado na estrutura óssea correspondente e, por fim, fortalecer a composição do osso.

Certos estudos[10] mencionam que a atividade da vitamina K2 (em especial da MK-4) é especialmente útil na proteção óssea pós-menopausa.

Vitamina K2 e osteoporose

Os ossos não são tecidos mortos, mas são constantemente regenerados dentro deles com uma matriz de tecido.

Se quantidade suficiente de vitamina D, cálcio, minerais e vitamina K forem adicionados, o esqueleto é substituído por ossos densos e estáveis a cada 7 ou 10 anos.

Este processo é regulado por osteoblastos (células anabólicas) e osteoclastos (células degradadoras). Desde que a atividade dos osteoblastos que formam os ossos seja maior que a atividade dos osteoclastos, a manutenção de ossos saudáveis é garantida.

Os osteoblastos produzem osteocalcina, uma proteína dependente de vitamina K que se liga ao cálcio na matriz óssea e aumenta o seu conteúdo mineral. A sua tarefa é tornar o esqueleto mais estável e resistente a fraturas.

Os ossos se tornam frágeis e finos, o que aumenta o risco de fraturas. Mesmo no caso de que do lado de fora a estrutura óssea tem uma aparência normal, no interior eles são fracos.

A osteocalcina requer vitamina K. A deficiência de vitamina K afeta a densidade. As células degradantes (osteoclastos) quebram mais tecido ósseo do que as células constituintes (osteoblastos) podem formar e causam uma perda progressiva do osso.

O que é osteoporose?

A partir dos 35 anos, naturalmente, há uma maior atividade dos osteoclastos, o que faz com que os ossos percam entre 1 e 1,5% de densidade por ano. Quando essa degradação ocorre mais rapidamente, nos deparamos com a osteoporose.

Isso acontece especialmente quando a absorção de nutrientes não funciona adequadamente. No caso de mulheres na pós-menopausa, a osteoporose é muito comum porque a hormona feminino estrogénio, que ajuda a armazenar cálcio nos ossos, diminui rapidamente.[11]

A osteoporose também é conhecida como perda óssea, uma vez que é uma falha na estrutura óssea. É uma doença progressiva porque se desenvolve ao longo de décadas e, em muitos casos, o primeiro sintoma é uma fratura óssea.
Em 1984, cientistas observaram que pacientes com fraturas osteoporóticas tinham 70% menos soro de vitamina K do que uma faixa etária comparável.

Estudos posteriores confirmaram que a diminuição da densidade óssea está relacionada a um baixo nível de vitamina K.

As estatísticas também mostraram que as mulheres com baixo nível de vitamina K no soro têm um risco 65% maior de fratura de quadril em comparação com aquelas com níveis mais altos de vitamina K.

Estima-se que na Alemanha haja cerca de oito a dez milhões de pessoas afetadas pela osteoporose. Na Áustria, a população afetada é de setecentos mil pessoas. Um terço das mulheres sofre de osteoporose após a menopausa. No caso das mulheres com mais de 80 anos, esse número sobe para 2/3. Os homens também podem contrair osteoporose, mas essa patologia é três vezes mais comum em mulheres.

A osteoporose é uma das doenças mais onerosas para o sistema de saúde, uma vez que o tratamento das fraturas do colo do fémur requer mais dias de internação do que ataques cardíacos ou acidentes vasculares cerebrais.

Cerca de dois milhões de mulheres e quase um milhão de homens sofrem de uma coluna quebrada e, de acordo com novos estudos, a cada ano há aproximadamente cento e cinquenta mil novas fraturas de quadril por ano.

Os ossos precisam de vitamina K2

Durante décadas, os suplementos alimentares escolhidos para fortalecer os ossos foram cálcio e vitamina D3. O esqueleto contém a maior proporção de cálcio (cerca de 99%), uma pequena quantidade é encontrada nos dentes e apenas 1% está na corrente sanguínea. O nosso corpo precisa receber cálcio regularmente para regeneração óssea.
A vitamina D3 tem sido considerada a vitamina óssea necessária para a formação da osteocalcina. No entanto, estudos clínicos recentes mostraram que o fornecimento de cálcio e vitamina D3 não é suficiente para manter uma estrutura óssea saudável.

Hoje sabemos que a vitamina K2 é tão importante para desenvolver ossos fortes como cálcio e vitamina D3. Embora a vitamina D3 seja responsável pela formação da osteocalcina, apenas a vitamina K2 pode ativar essa proteína, que armazena cálcio nos ossos.

Quando há deficiência de vitamina K2, embora haja ingestão suficiente de cálcio e vitamina D3, calcio e ocorre a osteoporose.

Estudos sobre osteoporose mostraram que a vitamina K2, além da formação óssea, também aumenta a densidade óssea, estimula a sua mineralização (deposição de cálcio) e promove a estrutura do colagénio, um tecido fibroso e fibroso que contribui para a força e flexibilidade dos ossos, e os torna mais resistentes as fraturas.

Neste ponto, surge a seguinte questão: para onde vai o cálcio se não for usado para a formação óssea?

Quando não damos ao corpo a vitamina k que precisa, faz que armazene cálcio nas paredes arteriais, o que, por sua vez, contribui para o desenvolvimento da aterosclerose.

De fato, quando confrontado com uma deficiência de vitamina K2, o corpo responde com uma enorme deposição de cálcio nas paredes arteriais. Isso explica o fato de que muitos idosos têm artérias endurecidas e calcificadas e, ao mesmo tempo, apresentam ossos frágeis com deficiência de cálcio.

Estudos clínicos comprovam os benefícios da vitamina K2

No estudo clínico Osteo 2003, foi demonstrado que a vitamina K2 previne a perda óssea. Durante três anos, dois grupos de pacientes foram avaliados: o grupo controle não recebeu suplementos e o segundo recebeu terapia sintética com MK-4. Os resultados mostraram claramente a relação entre a ingestão de vitamina K2 e a estabilidade óssea.

Um estudo pioneiro demonstrando a correlação entre o consumo natto e a redução da osteoporose já havia sido publicado por vários cientistas liderados por Masao Kaneki. A pesquisa mostrou que um nível mais alto de MK-7, na forma de natto, contribui para a melhoria da saúde óssea.

Beneficios de la Vitamina K

Existe uma relação direta entre a vitamina K2 e o aumento da densidade óssea.

O aumento na captação de MK-7 na forma de natto resultou num maior nível de osteocalcina ativada e menor risco de fratura. Esses achados foram confirmados em 2006 num estudo clínico realizado por Ikeda. Ikeda percebeu que consumir natto, que contém grandes quantidades de menaquinona 7, pode prevenir o desenvolvimento de osteoporose.

O estudo de três anos de 944, em que as mulheres (de 20 a 79 anos) participaram, demonstraram a associação entre a ingestão de MK-7 e perda mineral óssea reduzida.

Um estudo recente de Yaegashi, publicado no “European Journal of Epidemiology”. (2008) mostraram que um fornecimento adequado de vitamina K evita o risco de sofrer fratura de quadril.

O estudo mostrou que o magnésio, zinco e vitamina D são moderadamente importante para a saúde do osso, enquanto a vitamina natural K2 é um factor chave mostrou que pessoas que tomam vitamina K2 teve um menor risco de fractura quadril

Isto indica o importante papel do MK-7 na prevenção da osteoporose.

Uma revisão sistemática de todos os ensaios clínicos em que os adultos receberam suplementos de vitamina K1 ou vitamina K2 por pelo menos seis meses, revela as seguintes conclusões:

Um total de 13 estudos com dados sobre perda óssea e sete estudos sobre fraturas ósseas.

Todos os estudos mostraram que a ingestão de suplementos de vitamina K1 ou K2 diminui a perda de minerais ósseos.

Nos 7 estudos realizados sobre risco de fratura, verificou-se que a vitamina K2 é a mais eficaz. A sua ingestão reduz o risco de fraturas vertebrais em 60%, de fraturas de quadril em 77% e o risco de todas as fraturas não vertebrais em impressionantes 81%.

Prevenir é melhor que curar

A osteoporose se desenvolve lentamente, por isso é muito difícil fazer um diagnóstico precoce da doença. Além disso, a medida da densidade óssea geralmente não é suficientemente clara.

Na maioria das vezes a osteoporose é anunciada por uma sensação de queimarão, desconforto dos ossos ou dor nas costas. Outros sintomas são uma fratura óssea repentina, uma fratura vertebral ou uma fratura do fémur.

Infelizmente, a pesquisa na indústria farmacêutica se concentra exclusivamente na fabricação de medicamentos para idosos, quando o risco de fraturas ósseas já é muito alto. No entanto, essas drogas não podem mais interromper um processo que vem se desenvolvendo há décadas e só podem atrasá-lo levemente.

Os suplementos dietéticos abordam o problema de um ponto de vista diferente. Por um lado, eles são muito mais baratos e, além disso, não têm efeitos colaterais.

Qualquer pessoa que queira prevenir a osteoporose deve começar a tomar suplementos de vitamina K2 a partir dos 40 anos e manter, continuamente, suprimentos por 20 ou 30 anos para chegar aos 60 anos. Com isso, ele obteria mais benefícios do que com tratamentos farmacológicos.

Para que suplementos dietéticos sejam ainda mais eficazes, recomenda-se também a ingestão de outros nutrientes, além da vitamina K2, como cálcio e vitamina D3, magnésio, cobre, selénio, zinco, manganês, boro, vitamina B e vitamina C. Esta é a fórmula completa para a prevenção da osteoporose.

O consumo excessivo de café e bebidas com gás com altos níveis de fósforo, que diminuem o suprimento de cálcio, também deve ser evitado. Por outro lado, fumar também aumenta o risco de osteoporose.

Os estudos também mostraram que a densidade óssea é mais forte em pessoas que realizam exercícios moderados três vezes por semana durante 40 minutos.

Também é recomendado tomar sol por 30 minutos por dia, pois isso estimulará a formação de vitamina D3 na pele.

Os benefícios da vitamina K2 para o coração e artérias

Um estudo realizado com mulheres na pós-menopausa mostrou que tomar vitamina K2 por longos períodos de tempo pode inibir o desenvolvimento e a progressão da arteriosclerose relacionada à idade.
Além disso, um estudo publicado na revista “Trombose e hemostase”.[12] demonstrou que a ingestão diária de 180 mcg de vitamina K2 por 3 anos melhora a elasticidade vascular.

“Nas mulheres, a ingestão de suplementos alimentares de vitamina K2 mostrou estatisticamente uma melhora significativa na elasticidade vascular.” O Dr. Cees Vermeer, líder do estudo realizado na Universidade de Maastricht (Holanda) e um reconhecido pesquisador de vitamina K2, afirmou:

“Os nossos dados mostram que a ingestão adicional de vitamina K2 tem efeitos positivos no coração e vasos sanguíneos.”

Detalhes do estudo: suplementos dietéticos de vitamina K2 melhoram a função arterial em mulheres saudáveis

O estudo intitulado “Suplementação de Menaquinona-7 melhora a rigidez arterial em mulheres pós-menopáusicas saudáveis” é de grande importância.

Dr. Vermeer declarou: “Este é o primeiro estudo que mostra que tomar vitamina K2 na forma de MK-7 tem um efeito benéfico no sistema cardiovascular a longo prazo”. Estudos anteriores sobre a população mostraram a relação direta entre o consumo de vitamina K2 e um menor risco de doença cardiovascular, mas este é o primeiro estudo prático focado nos benefícios da vitamina K2 na saúde cardiovascular.

Dr. Vermeer e a sua equipa analisaram 244 mulheres na pós-menopausa saudáveis entre 55 e 65 anos e as prescreveram aleatoriamente por um período de três anos, ou uma dose diária de vitamina K2 (180 mcg de vitamina K2 natural por dia) na forma de um suplemento dietético ou um placebo.[13]

Mujeres Menopáusicas y la Vitamina K

Os efeitos no sistema cardiovascular foram medidos usando técnicas de taxa de pulso e ultra-som.

Dados das 227 mulheres que completaram o estudo mostrou que a ingestão de MK-7 produziu uma diminuição significativa na taxa de pulso e uma redução na arteriosclerose.

Um efeito positivo também foi observado em relação à elasticidade da artéria carótida naquelas mulheres que apresentaram maior rigidez vascular no início do estudo.

Os resultados confirmaram que a vitamina K2 não só inibe a arteriosclerose associada ao envelhecimento, mas também produz uma melhoria considerável na elasticidade vascular.

Os pesquisadores também examinaram os valores da proteína desfosforilada, matriz nichtcarboxyliertem Gla (dp-ucMGP), e encontraram um fator de risco para a aterosclerose.[14]

A ingestão de MK-7 durante três anos produziu uma diminuição de 50% na proteína dp-ucMGP, em comparação com o placebo. Este efeito foi observado no primeiro ano do estudo e foi mantido durante os dois anos seguintes.

Benefícios da vitamina K2 no coração e ossos

Em 2013, a revista “Osteoporosis International” publicou um estudo que mostrou os efeitos positivos do MK-7 nos ossos.

Este estudo, juntamente com o descrito no parágrafo anterior, é de grande importância, uma vez que foi feito em três anos, verificando os resultados a longo prazo e observando atentamente a mudança que a ingestão de vitamina K2 causa na saúde dos ossos e do coração.

As conclusões do estudo foram aceitas por revistas médicas de prestígio, que reconheceram os benefícios da vitamina K2 sobre o coração e os ossos.

“A vitamina K2 garante que o cálcio se liga à matriz mineral óssea e não é depositado nos vasos sanguíneos”, como explica o Dr. Dennis Goodman, especialista em cardiologia e chefe de medicina interna do Centro Médico Lang Langone. York Isso é importante porque, quando o cálcio é depositado nas artérias, produz aterosclerose e obstruções, que podem causar doenças cardiovasculares graves, como um ataque cardíaco ou um derrame.

Conforme o Dr. Goodman, que atualmente está trabalhando num novo livro sobre o papel da vitamina K2 na saúde dos ossos e do coração, existe uma relação direta entre a flexibilidade dos vasos sanguíneos e a longevidade do ser humano. A aterosclerose diminui a idade biológica de uma pessoa em até 10 anos, de acordo com um estudo publicado no New England Journal of Medicine (Rosenhek, 2000), a arterioesclerose diminui a idade biológica de uma pessoa até em 10 anos.
Outro estudo, publicado em Atherosclerosis (Shaw, N ° 188, 206), que mostra a idade biológica de uma pessoa pode variar de 10 anos, dependendo do progresso de aterosclerose associada com a idade.

Este estudo sobre a vitamina K2 demonstra claramente que a função arterial pode mudar drasticamente a forma como tratamos a prevenção da saúde do coração.

Benefícios da vitamina K2 em recém-nascidos, crianças e adolescentes

A infância e adolescência é o estágio em que os ossos crescem e se desenvolvem mais. A massa óssea atinge seu zénite aproximadamente com a idade de 30 a 35 anos. A partir de então, os minerais ósseos começam a diminuir lentamente com o processo de envelhecimento.

Portanto, quanto mais cedo você começar a agir, mais fácil será obter massa óssea. O objetivo é ligação do cálcio na matriz do osso saudável e aumentar a concentração de mineral do osso para a manutenção de massa óssea saudável mais e ficar em melhor chegar à velhice.

No entanto, se não houver quantidade suficiente de vitamina K ou osteocálcio, o cálcio não poderá gerar ossos saudáveis e fortes.

Estudos clínicos demonstraram que o melhor estado de vitamina K (isto é, níveis elevados de vitamina K no soro sanguíneo) corresponde ao desenvolvimento de ossos fortes e saudáveis em crianças.

Os ossos jovens permanecem ativos e os seus conteúdos de osteocalcina é 8 a 10 vezes maior do que no caso dos adultos. Portanto, eles têm uma necessidade maior de vitamina K. No entanto, pesquisas recentes mostraram que a maioria das crianças sofre de deficiência de vitamina K.

A ingestão média de vitamina K diminuiu consideravelmente nos últimos anos e atualmente a quantidade necessária de vitamina K não é consumida para manter o desenvolvimento ideal da massa óssea.

Essa deficiência deve-se ao consumo excessivo de alimentos processados e à baixa ingestão de vegetais e alimentos ricos em vitamina K.

Os especialistas recomendam que comam alimentos ricos em vitamina K ou que as crianças tomem suplementos de vitamina K2.

Vitamina K2 e a saúde de nossas crianças

Uma dieta na infância que não tenha nutrientes vitais pode afetar gravemente o desenvolvimento ósseo e a saúde do coração das crianças.
A falta de vitamina K2 também produz nutrição inadequada. Estudos clínicos demonstraram que a vitamina K2 protege contra a perda óssea, estimula a densidade e força dos ossos e protege contra a arteriosclerose.

Os ossos se desenvolvem durante a infância

A dieta de uma criança deve ser rica em cálcio, por isso uma alta ingestão de leite é recomendada. Mas para o cálcio entrar nos ossos, o corpo deve ter reservas suficientes de vitamina K.

A vitamina K, especialmente a vitamina K2, é, juntamente com a vitamina D, o principal fator no armazenamento de cálcio. Somente com sua contribuição pode ser formada uma matriz óssea saudável e uma densidade mineral ideal no osso.

Depois da infância, a vitamina K2 é responsável por manter a densidade mineral nos ossos e impedir sua deterioração. Se não temos suprimento suficiente de vitamina K, o crescimento e a densidade óssea ficam comprometidos.

Além disso, a vitamina K2 garante que o cálcio absorvido não se acumule nas artérias. Uma deficiência de vitamina K pode fazer com que as artérias do coração comecem a calcificar durante a infância.

A capacidade da vitamina K2 para impedir o cálcio de entrar nas artérias promove a saúde do coração a longo prazo. Então o corpo precisa ter uma quantidade suficiente de vitamina K2.

Vitamina K em recém-nascidos

Como falamos anteriormente, a vitamina K é bem conhecida pelas suas propriedades para a coagulação sanguínea. Em certo contexto, o termo “coagular” pode denotar certa inquietude, associando-o com processos não desejados (coágulo cerebral, artérias obstruídas…) mas, no entanto, estão longe do que verdadeiramente é o benefício desta vitamina essencial. A sua importância é tal, que aos recém nascidos, é-lhes administrada uma injeção de vitamina K assim que a mãe dá à luz, para evitar a “Doença Hemorrágica do Recém Nascido” (HDN). Esta doença leva a um deficit dos fatores de coagulação, devido a que o recém nascido possui um nível baixo desta vitamina no seu organismo. A vitamina K não cruza a placenta durante o desenvolvimento e, além disso, o intestino carece da bactéria que sintetiza a vitamina K depois do nascimento.

Depois do nascimento, há pouca vitamina K no leite materno e os bebés amamentados podem ser carentes em vitamina K durante várias semanas até que as bactérias intestinais começam a sintetizar-la.

Com os níveis de vitamina K baixos, alguns bebés podem sangrar severamente, por vezes no cérebro, causando um dano cerebral significativo. Esta circunstância denomina-se doença hemorrágica do recém nascido (HDN).

A vitamina K2 é essencial para crianças e adolescentes

A função da vitamina K2 é ativar certas proteínas no corpo. Estes osteocalcina em matriz de proteína gla do osso (PGM) nas artérias e coagulação no fígado estão incluídos.

A osteocalcina é responsável pela ligação do cálcio na matriz óssea. Sem a ingestão adequada de vitamina K2, uma parte importante da osteocalcina permanece inactivo e, portanto, não se podem ligar cálcio.

Ao mesmo tempo, a proteína gla da matriz (MGP) pára circule livremente cálcio e adere às artérias quando vitamina K2 disponível no corpo.

Se o organismo não tem a forma adequada de vitamina K2 (Menaquinona-7, MK-7), o cálcio não pode ser processado corretamente para construir ossos fortes e saudáveis.

As crianças precisam de uma quantidade maior de vitamina K2 para formar seus ossos fortes e saudáveis. Infelizmente, muitas crianças têm uma deficiência de vitamina K2. Nestes casos, os suplementos nutricionais de vitamina K2 pode compensar essa deficiência.

Os estudos clínicos demonstram a necessidade do organismo de dispor de suficiente vitamina K2

Estudos clínicos confirmaram que existe uma ligação direta entre a ingestão de vitamina K2 e o desenvolvimento de ossos fortes e saudáveis em crianças.

Um estudo publicado em 2008 mostrou que aumentar a ingestão de vitamina K2 em crianças mais velhas em dois anos resultou em seus ossos se tornando mais fortes e mais densos.

O mesmo grupo de pesquisa publicou um ano depois outro estudo que mostrou que uma pequena dose de suplementos de vitamina K2, na forma de MK-7, em crianças pré-púberes saudáveis aumentou a carboxilação da osteocalcina (ativação da osteocalcina).

Um novo estudo realizado em 2013 com 896 amostras de sangue de 110 voluntários saudáveis (42 crianças e 68 adultos) analisou os biomarcadores que refletiam o status da vitamina K2 nos voluntários. Tanto MGP inativo circulante e osteocalcina inativa, que são proteínas cruciais para a saúde do coração e dos ossos, foram medidos.

Os pesquisadores descobriram que crianças e adultos com maior deficiência de vitamina K2 responderam melhor a uma ingestão adicional de vitamina K2.
As crianças e os adultos com mais de 40 anos apresentaram maior deficiência de vitamina K2. Consequentemente, essas pessoas são aquelas que precisam tomar um suplemento de vitamina K2, na forma de MK-7, para suprir a deficiência.

Com base nesses achados, mais e mais médicos e especialistas em nutrição recomendam o fornecimento de suplementos dietéticos às crianças com vitamina K2. O fornecimento desta importante vitamina é necessário, mesmo na fase de crescimento.

A vitamina K reduz o risco de sofrer de diabete

Um estudo realizado na Holanda mostrou que a vitamina K1 e K2 ajudam a reduzir o diabete tipo 2. O estudo foi publicado on-line em 27 de abril de 2010 na revista “Diabete Care”.

Pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Utrecht analisaram os dados de 38 094 participantes que tinham entre 20 e 70 anos de idade no início do estudo.

As questões referentes à nutrição foram analisadas quanto à ingestão de filoquinina (vitamina K1) e menaquinona (vitamina K2). O resultado foi o seguinte:

Os participantes tomaram uma média de 200 mcg de vitamina K1 por dia e uma média de 31 mcg de vitamina K2 por dia.

Durante um período de observação de 10,3 anos, 918 casos de diabete tipo 2 foram diagnosticados.

Uma análise detalhada dos dados revelou que homens e mulheres que consumiram 25% a mais de vitamina K1 tiveram menor risco de desenvolver diabete em 19%, comparados àqueles cuja ingestão de vitamina K1 foi menor.

No caso da vitamina K2, foi observada uma redução de risco de 7% para cada aumento de 10mcg de ingestão de vitamina K2.

O aumento na ingestão de vitamina K2 também foi associado com a melhora dos lipídios sanguíneos e níveis mais baixos de proteína C-reativa, uma indicação de inflamação.

Este estudo é o primeiro em que foi examinada a relação entre o diabete tipo 2 e a ingestão de vitamina K. Seus autores concluíram que a vitamina K influencia o risco de desenvolver diabete através do metabolismo do cálcio.

Por outro lado, a redução da inflamação devida ao aumento da ingestão de vitamina K, como observado nos resultados de estudos in vitro, também pode produzir uma melhora na sensibilidade à insulina e uma redução no risco de diabete.

Os pesquisadores declararam:

“Os resultados deste estudo mostraram que tanto a ingestão de vitamina K1 e vitamina K2 reduzem o risco de diabete tipo 2”

A vitamina K2 e a coagulação sanguínea

Entre os benefícios da vitamina K2 está o fato de ativar várias proteínas de coagulação no fígado. Mesmo no caso de um excesso de vitamina K, a ativação não aumentaria além do limite ideal.

O Dr. Cees Vermeer, da Universidade de Maastricht, compara isso com a ingestão de vitamina C necessária para a construção do colagénio. Se tomar muita vitamina C, nunca ocorrerá um excesso de colagénio. Portanto, uma ingestão adicional de vitamina K nunca produz um aumento na coagulação do sangue, já que, sendo um nutriente natural, o processo se regula.

Os estudos recentes demonstraram que a ingestão diária de 45 mcg de vitamina K2 natural não interfere nos efeitos da medicação anticoagulante. Portanto, a vitamina K2 natural nunca provoca um risco na formação de coágulos nos vasos sanguíneos.

No entanto, nos casos em que estão sendo tomadas medicações anticoagulantes, como a cumarina ou a varfarina, você deve consultar o seu médico antes de tomar suplementos de vitamina K2, para que o tratamento seja revisado.

A vitamina K é necessária para criar coágulos sanguíneos e interromper os processos hemorrágicos que podem desencadear um desfecho fatal. Apenas para parar um simples corte em um dedo, esta vitamina é necessária. Mesmo assim, o processo de coagulação é bastante complexo e, para realizá-lo, é necessário que a ordem de 12 tipos de proteínas seja utilizada funcionalmente antes que o estágio final desse processo seja concluído. Quatro desses fatores de coagulação de proteínas requerem vitamina K para a sua atividade específica.

A capacidade do corpo de controlar o fluxo sanguíneo após um acidente vascular é fundamental para a sobrevivência. Para resolvê-lo, é produzido o que é conhecido como “hemostase”, que consistirá no processo de coagulação e na subsequente dissolução do referido coágulo, e no subsequente reparo do tecido ferido.

Nestes termos, a presença de vitamina K será crucial para realizar com sucesso o processo de coagulação:

  • Os fatores de coagulação são proteínas no sangue que controlam o sangramento. Quando um vaso sanguíneo é lesado, as suas paredes se contraem para limitar o fluxo de sangue para a área danificada. Em seguida, as plaquetas aderem ao local da lesão e se estendem ao longo da superfície do vaso sanguíneo para interromper o sangramento.
  • Naquela época, os sinais químicos são liberados de pequenos sacos dentro das plaquetas que atraem outras células para a área para criar um cluster, chamado plugue de plaquetas.
  • Na superfície dessas plaquetas ativas, diferentes fatores de coagulação atuam e cooperam numa série de reações químicas complexas (conhecidas como cascata de coagulação) para formar um coágulo de fibrina. Isso funciona como uma malha para interromper o sangramento.
  • Os fatores de coagulação circulam no sangue numa forma inativa. Quando um vaso sanguíneo é lesionado, a cascata de coagulação é iniciada e cada fator de coagulação é ativado numa ordem específica para levar à formação do coágulo de sangue.

Os efeitos secundários da Vitamina k2

A vitamina K2 não é um remédio, se não um suplemento natural, pelo que não tem nenhum tipo de efeito secundário.
A vitamina K não causa excessiva coagulação no sangue, já que as proteínas responsáveis da coagulação tem uma capacidade limitada para absorver a vitamina K. Uma vez que o organismo fica saturado, a vitamina K já não pode afetar a coagulação.

Tipos de Vitamina K

Existem 3 tipos de vitamina K:

  • K1 ou Filoquinona
  • Vitamina K2 ou Menaquinona
  • K3 ou Menadiona
A forma K1 encontra-se nas plantas e vegetais verdes, sendo muito ricas devido precisamente a que as plantas requerem de K1 para realizar a fotosintese. A K2 é gerada a partir da K1 e K3 mediante um tipo de bateria e microorganismo. Pode ser sintetizada no nosso corpo mediante o processo de conservação de se envoltura com a K1 e a K3.

Vitamina K e Vitamina D

No reino vegetal não vamos encontrar a pró-forma K2 em grande parte, a menos que ditas plantas tenham sido fermentadas ou transformadas por umabactéria. Por exemplo: Bacillus natto. Esta bactéria pode-se converter na K1 e K2 e é frequentemente utilizada na produção de fermentos de soja. A palavra ”Natto” é provavelmente uma fonte muito utilizada em suplementos dietéticos.

  • A vitamina K1 representa aproximadamente o 90% da ingestão de vitamina K na dieta típica occidental.
    Vitamina K2 representa aproximadamente o 10% da ingestão de vitamina K occidental.
A menaquinona (Na fórmula MK-n, o indicativo N representam o número de cadeias laterais de prenilo) também se absorve a través da dieta. A carne contém MK-4,os alimentos fermentados como o queijo e o natto contém MK-7, MK-8 y MK-9.

Qual é a melhor forma de Vitamina K2?

A vitamina K2 natural, Menaquinone-7 (MK-7), se obtém por fermentação usando cultivos natto. MK-7 é a forma mais eficaz de vitamina K2, já que tem maior biodisponibilidade e bioactividade, pelo que serão perfeitos como suplementos de vitamina K2.

Benefícios de la vitamina K2 natural:

  • A vitamina K2 natural ativa as proteínas dependentes da vitamina K, permitindo que o corpo a utilizar o cálcio para construir ossos fortes e depósitos de cálcio saudáveis e à prevenção nas artérias que ficam formando arteriosclerose. A
  • A vitamina K2 natural tem uma biodisponibilidade e bioatividade significativamente maior do que outras formas de vitamina K. Vitak cientistas da Universidade de Maastricht, têm trabalhado por mais de 30 anos pesquisando a vitamina K e chegaram à conclusão de que MK7 (vitamina K2 natural) é superior a outras formas de vitamina K, tanto a absorção e a duração dos seus benefícios.
  • A vitamina natural K2 absorve-se otimamente pelo corpo e rapidamente consegue uma alta concentração no sangue. O corpo precisa de doses menores de menaquinonas (alta biodisponibilidade) para atender às suas necessidades. Especialistas recomendam tomar pelo menos 45 mcg por dia, para prevenir e manter a saúde dos ossos e sistema cardiovascular.
  • A vitamina K2 natural também activa outras outros do que o fígado, tais como osso, artérias e outros tecidos moles.
  • A vitamina K2 natural tem uma bioatividade de 72 horas, por isso está disponível para todos os tecidos que precisam dele.
  • A vitamina natural K2 não tem efeitos colaterais
  • A vitamina K2 natural não causa “espessura do sangue” o “hipercoagulação” em pessoas saudáveis.

Vitamina K2 natural ou sintética, qual é a melhor?

A vitamina K2 existe em forma de vitamina K2 sintética (MK-4) e em forma de vitamina K2 natural (MK-7).

Os estudos clínicos demonstraram que a vitamina K2 sintética não é detetável no sangue depois de 8 horas. Por tanto, é necessário tomar várias vezes ao dia doses elevadas para manter o nível alto de vitamina K no sangue.
Pelo contrário, a vitamina K2 natural tem um alto nível de biodisponibilidade e bioactividade, pelo que sua dossificação é muito mais baixa e, ainda, não afeta aos efeitos anticoagulantes,

A vitamina K2 natural tem uma vida média de 3 dias, e subministra um aporte de vitamina K2 a todos os tecidos durante 24 horas.

Alimentos que contém vitamina K

Entre os exemplos dos melhores alimentos ricos em vitamina K: couve, espinafre, mostarda, beterraba, couve, nabo, salsa, brócolos, couve de Bruxelas, pepino, ameixa seca …

A vitamina K ajuda o intestino a permanecer saudável. A quantidade de vitamina K necessária é muito pequena e podemos obtê-la através dos alimentos.

No entanto, há sinais óbvios de que aNo entanto, há sinais óbvios de que a população ocidental não recebe vitamina K suficiente através dos alimentos.

Os principais tipos de vitamina K são K1 (filoquinona) e K2 (menaquinona).

Vitamina K1

A vitamina K1 encontra-se na verduras de folha verde, como os espinafres, a couve e o brócolos. Porém, o corpo absorve pouca quantidade de Vitamina K1.

E ainda, o fígado processa grande parte de K1 para a coagulação do sangue, deixando menos quantidade ao resto de tecidos. Isto explica porque a vitamina K1 tem um efeito tão baixo sobre a saúde do coração e os ossos. e

Ainda que a vitamina K1 também é muito importante, temos que ser conscientes que tem menos bioactividade, pelo que o seu efeito sobre a saúde dos ossos, artérias e o coração é menor que o da vitamina K2.

Vitamina K2

A vitamina K2 é encontrada principalmente em alimentos de origem animal, como carnes, vísceras, gema de ovo, quark e alguns tipos de queijos sujeitos ao processo de maturação bacteriana. Como a vitamina K2 é resistente ao calor, os alimentos que a contêm podem ser cozidos ou assados antes do consumo sem perder nenhuma vitamina.

No entanto, estes alimentos contêm muito pouca vitamina K2, pelo que devem ser consumidos em grandes quantidades para absorver suficiente vitamina K2.

A melhor fonte natural de vitamina K2 é o prato tradicional de natto japonês feito de soja fermentada. Natto tem uma concentração excecionalmente alta de K2 natural na forma de Menaquinona-7 de cadeia longa (MK-7). Por gerações no Japão, natto foi consumido diariamente com arroz no pequeno-almoço. Mas, infelizmente, o aroma intenso da natto, semelhante ao do queijo curado, é pouco atraente e atraente no mundo ocidental.

A vitamina K2 natural é a forma mais eficaz de vitamina K. A biodisponibilidade e a duração da vitamina K2 natural (MK-7) são muito superiores às outras formas de vitamina K.

A vitamina K2 é absorvida de forma ideal pelo corpo, portanto, imediatamente após a ingestão, entra na corrente sanguínea e fica disponível para o corpo.

É necessário ingerir suficiente quantidade de vitmina k2 para ativar as proteínas Gla no corpo e proteger o coração e os ossos. Quando não se recebe suficiente quantidade de vitamina k2 a través dos alimentos deve-se tomar vitamina K2 mediante suplementos.

Como e quando tomar a vitamina K?

A vitamina K apresenta-se numa grande variedade de formatos, onde cada um terá um uso específico, além de um limite inferior e superior:

  • Vitamina K1: 50 – 1000mcg diários
  • K1 (vía tópica): 5%
  • Vitamina K2 (MK-4): 1,5mg – 45mg diários
  • K2 (MK-7, MK-8 y MK-9): 90 – 360mcg diários
Al tratarse de una vitamina liposoluble se recomienda que sea ingerida con las comidas.

Com o que combinar a vitamina K?

Os benefícios que oferece a vitamina K, tal como vimos, estão relacionados com a melhoria da capacidade do corpo para a coagulação sanguínea, assim como a ótima manutenção do sistema ósseo. Nesta última, será onde a combinação com outros suplementos dietéticos se complemente com o uso da vitamina K.

Vitamina K e Vitamina D

Deste modo, recomenda-se realizar o “stack” de suplementos nutricionais para amplificar os benefícios da vitamina K, referidos em maior margem, para otimizar a manutenção da saúde óssea:

  • Vitamina D3: melhora a absorção do cálcio, incrementa a densidade mineral óssea e fortalece os ossos; a dose diária oscilará entre 2000 – 10000 IU.
  • Magnésio: entre as suas propriedades encontram-se as de oferecer suporte aos ossos; a dose diária oscilará entre 200 – 400mg, contando o resto de fontes
  • Cálcio: o mineral em questão que apresenta as propriedades para fortalecer e dar suporte a todo o sistema ósseo; a dose diária estaria situada à volta de 500mg, contando com o resto das fontes

A opinião dos especialistas sobre a vitamina K2

Os especialistas da Universidade de Maastricht sublinharam a importância de tomar vitamina K2. Recomenda-se que se opte sempre por vitamina K2 natural, já que é completamente absorvida e processada pelo corpo.

Conforme a sua opinião, nosso organismo precisa receber uma dose diária de 45 mcg de vitamina K2.

Os que tomam vitamina D, precisam aumentar mais o aporte de vitamina K2. A vitamina K2 natural está disponível em formato de suplementos nutricionais de alta qualidade.

Estudos e referências sobre a Vitamina K2

Artigos Relacionadas:

Apreciação Vitamina K

Efetividade da Vitamina K - 100%

Protege a Saúde Óssea - 100%

Vitamina K e Cálcio - 100%

Vitamina K2 em suplementos - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Melanie Ramos
Melanie Ramos
A través do Blog da HSN, Melanie Ramos expõe os conhecimentos e os conteúdos mais actuais, ao alcance dos leitores que procuram aprender.
Confira também
fatpr intrínseco
A Vitamina B12 e o Fator Intrínseco

A vitamina B12 (Fator Intrínseco) se toma através dos alimentos de origem animal e está disponível …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *