Alimentos ECO, Bio e Orgânicos: existem diferenças?

Alimentos ECO, Bio e Orgânicos: existem diferenças?

Se és uma pessoa interessada pela tua saúde, já alguma vez deves ter visto a classificação de alimentos eco e bio ou orgânico.

Uma áurea de saúde rodeia este tipo de produtos e parece que se os pões ao lado de qualquer alimento, este vai converter-se em saudável como que por magia.

Neste post, vamos esclarecer todas as tuas dúvidas relativamente a estas etiquetas:

  • O que quer dizer cada uma e quais são as diferenças?
  • Regra geral, estes produtos são mais saudáveis?
  • Devemos todos começar imediatamente a comer eco, orgânico e bio?

Então vamos lá.

O que são os produtos ecológicos?

Um alimento com a classificação de “ecológico” não é mais nem menos do que um produto agrícola ou agro-industrial que se produz sob um conjunto de procedimentos e protocolos denominados “ecológicos”, que, regra geral, evitam ou minimizam a utilização de pesticidas, fertilizantes artificiais ou herbicidas. Tão só e apenas isso.

Alimentos ecológicos

Portanto, quando alguém te disser, “esta maçã é ecológica”, significa que essa maçã foi produzida mediante uma metodologia “ecológica” muito específica e regulada, que permite dar-lhe essa denominação.

Por exemplo, dentro da Unão Europeia, os alimentos eco são regidos por normas muito específicas de produção e etiquetagem (muitos de vós devem estar familiarizados com a “eurofolha” que os diferencia de outros alimentos no eco).

Desta maneira, os produtores de alimentos ecológicos são obrigados pela legislação a utilizar certos produtos químicos autorizados, para fertilizar com compostos e a utilizar métodos menos agressivos para o meio ambiente.

  • Por norma, também ficam arredados da categoria eco os alimentos geneticamente modificados (ou transgénicos) que resistem melhor às pragas e melhoram a produção das culturas.
  • Outra norma essencial dentro da agricultura ecológica é respeitar os ciclos naturais sem os alterar artificialmente, o qual pelo menos, desde o ponto de vista teórico, contribui para uma maior riqueza em micronutrientes dos produtos obtidos.
  • Outro benefício proposto pelos amantes do ecológico é a diminuição nos níveis de contaminação gerados durante a produção, conseguindo uma utilização dos recursos mais sustentável e menor impacto no meio ambiente.

Agora vamos passar a ver em pormenor alguns dos benefícios dos produtos e alimentos ecológicos.

O que são os alimentos eco?

O principal benefício e publicidade dos produtos eco é o seu maior valor nutricional.

É conhecido por todos que os micronutrientes (vitaminas e minerais) das frutas e verduras diminuiram drasticamente nas últimas décadas.

Laranja Orgânica

Para dar um exemplo, comer uma laranja em 1950 era muito diferente do que comer uma agora em 2021, já que hoje em dia o conteúdo de vitamina C da laranja é muito menor.

Outro exemplo afastado do mundo vegetal é o conteúdo em ácidos gordos ómega 3, essenciais para muitos processos biológicos, muito maior naquelas carnes e lácteos produzidos mediante uma metodologia ecológica.

Carne de pasto - alimentos eco e bio

Um motivo mais pelo qual muita gente passou para a carne “de pasto” e para a do gado ecológico.

Outro dos benefícios frequentemente mencionados (e o que talvez, creio, mais justificado) é respeitar e melhorar o bem-estar animal, algo que está diretamente relacionado com a qualidade do produto, como no caso dos ovos ou da carne.

O que são os alimentos bio?

Qual é a diferença, prática e teórica, entre um alimento com o selo “eco” e outro com o selo “bio”?

Pelo menos em Espanha, não há nenhuma diferença.

Ambas as denominações estão equiparadas e estão regulamentadas pelas normas previstas pelo Real Decreto 1852/1993.

Portanto, um alimento ou produto eco não é mais do que um produto oriundo da agricultura ecológica. Se estavas confundido, já não o deverias estar.

A coisa muda ligeiramente de figura noutros países, onde um alimento bio se refere normalmente a um alimento não alterado geneticamente ou com conotações mais específicas, independentemente de que se tenham ou não usado pesticidas para o seu cultivo, ou seja, que se tenha produzido com uma metodologia ecológica.

Por isso já deves ter visto a etiqueta Non GMO ou NGMO em muitos produtos. Significa “Non Genetically Modified Organism” e está cada vez mais a ser utilizada.

O que são os alimentos orgânicos?

De forma muito semelhante, se procuramos a definição de alimentos orgânicos, estes são definidos como aqueles alimentos nos quais não são utilizadas substâncias tais como pesticidas, herbicidas ou fertilizantes no seu processo de produção.

Igualmente também não é admitido:

  • A utilização de sedimentos de águas residuais, como fertilizantes.
  • A engenharia genética para melhorar a resistência a pragas e melhorar o rendimento das culturas e antibióticos, ou outros fármacos para o gado.

Não acham que são parecidas as definições de alimentos bio e eco?

Alimentos orgânicos

Efetivamente. É o mesmo.

Mas os produtos etiquetados como orgânicos são mais saudáveis?

Se nos acolhemos a esta grande publicação sistemática com nada mais nada menos de 55 artigos, as claras conclusões são as de que não existe evidência de diferenças na qualidade nutricional entre agricultura orgânica e convencional.

Existem sim pequenas diferenças no conteúdo em nutrientes, mas justificáveis por diferenças biológicas entre produtos (nem todas as laranjas contêm os mesmos mg de Vitamina C) ou nos diferentes métodos de produção.

Então, por que razão é que as pessoas se empenham em comer mais produtos orgânicos?

São muitos os motivos e a maioria tem que ver com um bom marketing nutricional que fomentou a associação inconsciente na população de produto eco/bio/orgânico com o saudável.

E isto, juntamente com a quimiofobia existente em número crescente de pessoas e a maior preocupação em geral da população pela sua saúde, fazem com que cada vez mais haja corredores de supermercados cheios de alimentos eco e bio.

Conhece a fundo tudo sobre os Aditivos e Conservantes Alimentares em este link.

Em que se diferenciam?

Voltamos a incidir no conceito essencial do post: os três termos, orgânico, biológico e ecológico, fazem referência a práticas de produção que respeitam certas normas e metodologias “ecológicas”.

Sendo as mais proeminentes o respeito dos ciclos biológicos dos recursos naturais e a não utilização de produtos químicos como fertilizantes sintéticos ou herbicidas.

Então, devemos todos consumir alimentos eco e bio ou orgânicos?

A resposta é muito pessoal.

Pode ser que tenhas optado por incluir este tipo de alimentos para reduzir os “químicos” da dieta, ou então para ser mais amigo do meio ambiente e reduzir os vestígios de CO2.

Em qualquer caso, não há nada de mau em optar por produtos eco, desde que a tua carteira to possa permitir (e provavelmente seja benéfico em fazê-lo).

Isso sim, encontramos muitas incoerências nos argumentos utilizados a favor destes produtos:

  • Desde alimentos “eco” cultivados a mais de 150 km do lugar de venda, ou embalados em camadas e camadas de plástico;
  • Até estudos que garantem que os vestígios de carbono são muito semelhantes aos dos produtos tradicionais.
Por outro lado, os estudos científicos feitos a este respeito não concluem que sejam melhor para a saúde nem que sejam melhores do que os alimentos tradicionais.

E existe outro perigo com as “etiquetas nutricionais”, que salpica também a outros etiquetados, como “gluten-free” ou “sem lactose”.

Produtos locais - alimentos eco e bio

Este tipo de anúncios não garantem por si mesmos que estejamos a falar de um produto saudável.

Do mesmo modo que uma madalena sem glúten continua a ser um alimento pouco saudável, uma madalena ecológica feita com óleo de girassol e farinha refinada continua a ser pouco saudável, tal como o é uma madalena tradicional.

O problema é que, inconscientemente, o consumidor vê um “extra” neste tipo de produtos e costuma consumi-los com uma perceção “livre de pecado” ao contrário daquilo que se passa com um alimento desaconselhável.

Em qualquer caso, reiteramos, é uma decisão individual. O objetivo deste post é que seja uma decisão individual, e informada.

Um abraço e vemo-nos no seguinte post!

Fontes Consultadas

  1. Alan D. Dangour, Sakhi K.Dodhia, Arabella Hayter, Elizabeth Allen, Karen Lock, Ricardo Uauy (2009). Nutritional quality of organic foods: a systematic review.

Entradas Relacionadas

  • Conheces os benefícios da Comida Real? Descobre-os aqui.
  • Diferenças entre Data de Caducidade e Consumo de Preferência: ir ao Post.
  • Existem Apps para fazer scan aos alimentos e saber quando é saudável… continuar a ler.
Avaliação Alimentos ECO, Bio e Orgânicos

Controvérsia Nutricional - 100%

São iguais? - 100%

Diferenças - 100%

Conclusões - 100%

100%

HSN Evaluação: 4.5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Borja Bandera
Borja Bandera
Borja Bandera é um jovem médico dedicado as áreas de nutrição, exercício e metabolismo, que concilia a sua atividade clínica junto a sua vocação divulgativa e investigadora.
Confira também
Estudo Científico com a Cafeína da HSN
A Cafeína da HSN Posta à Prova

Um estudo científico da Universidade de Granada utiliza a cafeína da HSN. Índice1. Estudo Científico …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *