Beatman Performance Training: Iniciando-se no BPT

Beatman Performance Training: Iniciando-se no BPT

Conto-vos a minha experiência Iniciando-se no BPT (Beatman Performance Training), de Javier Colomer

Há já algum tempo que tinha a ideia de experimentar algo novo. Há anos que vou alterando rotinas e métodos de treino, mas sempre com as típicas rotinas clássicas de hipertrofia, força ou resistência muscular.

Experimentei muitos dos métodos que existem, desde os típicos métodos divididos, passando pelo método alemão, as tri-séries de Poliquin, o heavy duty, ou a típica fullbody para hipertrofia, até rotinas híbridas de vários sistemas idealizados por mim.

A questão é que sempre pensei que os meus treinos eram intensos, variados e eficazes, cada vez que fixava um objetivo físico (dentro das minhas possibilidades reais) conseguia superá-lo, mas quando comecei a fazer parte da família HSNStore, conheci um “maluco” chamado Javier Colomer, ou mais conhecido como Beatman, e que, somente com falar com ele, me apecebi do longe que estava de chegar ao êxtase ou colapso total nos treinos.

Iniciando BPT

Beatman Performance Training, ou Como ficares em Forma

Como todos sabem, Beatman criou o BPT (Beatman Performance Training) um treino metabólico avançado, que apresenta um objetivo claro:

Estar o mais forte, o mais ágil e o mais em forma possível

Para conseguir isto, não podes estar demasiadamente hipertrofiado, pois então vais penalizar a agilidade. Mas, sem músculo não há força, assim que este dilema é uma pescadinha de rabo na boca.

Em resumo, o objetivo deste treino é aumentar o rendimento, potenciando as capacidades atléticas de cada indivíduo e, tal como diz o próprio Beatman, para manter uma composição corporal ideal é necessário treinar, em certa medida, dando 100% de ti mesmo.

Para tanto, baseia-se nos exercícios mais eficientes e eficazes que existem: Agachamento, peso morto, press banco e press militar. Acrescenta exercícios complementares com acessórios, tais como: remos ou exercícios de calistenia.

O BPT já vai pela semana 56, isto é, acaba de passar o ano de existência com rotinas muito exigentes semana após semana

Conforme me comenta Javier, colocou toda a sua experiência de anos de treino, e veiculou-a ao público da melhor maneira que entende que pode fazer chegar a sua metodologia, dando uma rotina na qual está exemplificada a sua carreira, e que possivelmente é um “prato apetecível” para qualquer entusiasta do treino ou, então, para alguém que procura alguma coisa diferente, mas sobretudo muito eficaz, motivador e que o expresse ao máximo.

Beatman performance training semana 39

Iniciando-se no BPT

Por curiosidade, como tantos outros, e depois de algumas conversas com Beatman, deu-me vontade de experimentar este sistema. Isto de aumentar ao máximo o meu rendimento soa muito bem e, nem que seja só uma vez na vida, deixar-se levar livremente por uma alma louca pelo mundo dos pesos, como a de Colomer até tinha a sua graça.

Tenho que reconhecer que as três semanas de iniciação puseram-me logo no sítio, ou seja, constatei que eu não era para nada um experiente no treino metabólico, os seus “Combo-Hiit” e os seus MetCon fizeram-se passar as “passinhas do Algarve”.

O meu nível aeróbico não é mau, não tenho o nível que tinha há uns anos quando fazia triatlo, mas posso fazer os 10km em redor dos 42′, e também faço corridas médias de mais de 20km sem muita dificuldade, além de meter tri-séries e séries nas minhas rotinas híbridas sem que o meu coração se canse muito. Mas este método, os seus exercícios e sobretudo o pouco tempo de descanso, fizeram-se ver que não estou tão bem como pensava para este tremendo desafio.

Tenho que reconhecer que muitos dos pesos que Beatman indica para avançados eu não os podia usar, andava sempre entre os mais baixos para avançados, ou os mais altos para intermédios, e se estas 3 primeiras semanas eram de contato com este tipo de treino, passei mal para terminar todos os exercícios com o tempo de descanso marcado.

Iniciando BPT semana 15

Avançado no BPT

Depois de concluída a iniciação neste divertido sistema, até porque além de ser exigente é também “muito, muito divertido”, sempre e quando aches simpática esta forma de morrer a treinar…, tinha de passar às semanas de progressão de força, onde o treino me colocou realmente no “meu” sítio.

São 8 semanas onde se começam a usar alguns exercicios de halterofilia mais avançados, um mundo onde sou um verdadeiro novato e onde a técnica deve ser especialmente perfeita e imaculada, não apenas para não se sofrer lesões, mas também para poder realizar alguns dos exercícios.

Nestas semanas, realmente Beatman foi cauto, e introduziu progressivamente exercícios desta disciplina mediante a sua versão com halteres. Tal como especifica na semana 30, onde já “a coisa se põe mais séria” e recomenda que, se não dispões de material e instalações adaptadas, possivelmente vos seja muito difícil continuar pela linha que a partir daqui se desenha

Exercícios como o agachamento frontal, com o qual não estava familiarizado nos meus treinos anteriores, ensinaram-me que a dorsiflexão dos meus tornozelos ou a elasticidade das minhas ancas não estavam preparadas para carregar com excesso de peso.

Séries com “One Minute Work, One Minute Rest” faziam-se ver que a minha recuperação não era tão boa como pensava, ou um exercício tão simples à primeira vista como o arranque a uma só mão, punha a descoberto como a minha técnica de baixar na vertical não era nada boa, e corrigir isto ia custar-me talvez um rim, ou quem sabe inclusivamente os dois!

Prós para quem está iniciando-se no BPT, a meu ver

Chegado o momento de quantificar os prós de realizar este tipo de treino, vou citar as seguintes:

  • Extremamente exigente: por muita experiência e anos que tenhas com os pesos no ginásio, mas se não treinaste de forma metabólica, é um treino muito exigente, algo que seguramente motiva a todos os que querem dar um passo mais no treino e na melhoria de corpo e mente.
  • Inovador: sem dúvida nenhuma que incluír exercícios de halterofilia é muito “Crossfit” e, para todos os que nunca fizeram um WOD, é algo inovador.
  • Aeróbico: o treino é muitio aeróbico, o que aumenta a dificuldade. Não basta ter bom um nível com os pesos mas, se também o teu estado de forma cardiovascular não for bom, vais passar dificuldades. Deste modo, se realizas este tipo de exercícios, não tenho dúvidas que vais melhorar o teu nível cardiovascular.
  • Divertido: É verdade, é um treino que te surpreende todas as semanas, pois é impossível aborrecer-se. É claro que não é divertido quando te falte o ar, ou quando te doam as pernas, ou quando os teus bíceps colapsem. Mas quando terminares de o fazer, vais sentir que afinal passaste uns momentos bestiais, ou seja, é uma boa sensação “a posteriori”.
  • Provoca dependência: é um treino que provoca uma relação amor/ódio muito forte, há momentos em que te lembras de toda a familia do Beatman, mas essa dor é efémera. Quando terminares vais perceber que amanhã vais querer repetir, e vais agradecer-lhe a rotina.

Contras para quem está iniciando-se no BPT, a meu ver

Mas neste tipo de treino nem tudo são rosas, vamos também referir alguns contras:

  • Extremamente exigente: é uma característica que pode ser um pró, mas também um contra. É um treino muito exigente e não é para toda a gente. Isto não quer dizer que tenhas de ser um super herói, mas se não tiveres experiência no treino de alta intensidade, então é preferível que não te metas nisto.
  • Potencialmente lesivo: se não se fazem as coisas com cabeça, não se aquecem bem as articulações, se não se usar uma técnica perfeita, não se come e se descansa o suficiente, é um tipo de treino onde pode haver lesões. As lesões, como as dos ombros, são as mais frequentes neste treino fruto do tipo de exercícios que se fazem, a intensidade e a quantidade de séries que implica este tipo de articulações.
  • Frequência e volume elevados: chega um momento onde deves treinar praticamente todos os dias da semana, com treinos que se estendem por vezes acima dos 70 minutos. Assim, se és daqueles que vão com o tempo contado, ou não tens a possibilidade e/ou vontade de treinar todos os dias, este não é o teu tipo de treino.
  • Disciplina alemã: temos que ser perfecionistas e respeitar os descansos e os pesos. Se assim não for, o treino perde a sua função. Tem que se usar o crónometro constantemente, e aplicações que te ajudem a fazer o tabata, pois de contrário o treino não será eficiente.
  • Exercícios limitadores: na realidade, não são os exercícios mas sim a pessoa a que, pelas suas limitações físicas, sobretudo de flexibilidade e coordenação, não vais poder fazer os exercícios mais exigentes do treino, exercícios como o arranque com uma mão, o que parece tão simples torna-se muito complicado.

Dosiflexão do tornozelo

Soluções / atitudes a ter em conta para fazer o BPT

No meu caso em particular, a primeira coisa que tive que fazer foi repetir algumas semanas, inclusivamente ter tido que dar uns passos para trás na evolução, e isso nada tem de mal se tiveres de voltar ao princípio, pois é mais importante fazer as coisas bem que tentar avançar semana após semana.

Quando começares com os exercícios de halterofilia, arranques, potências, snatch,… vais tomar consciência das tuas limitações e então é o momento de decidir ir para trás e acrescentar exercícios para melhorar a flexibilidade para que, quando regressares ao ponto de inflexão, possas fazê-lo com maior fluidez de movimentos. De facto, quando cheguei à semana 12 o que fiz foi voltar ao começo, mas incluindo exercícios de melhoria da minha flexibilidade dentro da minha rotina semanal.

No caso de se necessitar de melhorar a dosiflexão do tornozelo o post que escreveu o nosso companheiro Mario sobre “Dorsiflexão do tornozelo: uma prova das nossas limitações” vai ser útil. Nessa publicação explica-se tudo, por que motivo isso acontece ou como a melhorar, por isso entendo que esse post é de leitura obrigatória.

Pouco mais tenho a acrescentar, bom, talvez mais uma coisa… que o experimentes por ti próprio e vais compreender em apenas algumas sessões que tudo aquilo que foi referido anteriormente é totalmente verdade…, e tu, vais experimentar o BPT?

Entradas Relacionadas

  • Também existe uma versão especialmente indicada para senhoras: BPT Woman
Avaliação Iniciando-se no BPT

Desafio - 100%

Diversão - 100%

Exigência - 100%

Resultados - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre David Diaz Gil
David Diaz Gil
Em cada um dos geniais artigos, está depositada a essência da experiência além do rigor científico, como assim acreditam a David Díaz Gil.
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *