Cordyceps – Fungo Milenário com espectaculares prestações Teraupêticas

Cordyceps – Fungo Milenário com espectaculares prestações Teraupêticas

A melhor prova de que as aparências podem ser enganadoras é que, se lhe dissermos que o Cordyceps é um fungo parasita obrigatório, poderá ter tendência a pensar nele de uma forma pejorativa. Bem, nada poderia estar mais longe da verdade.

De facto, o chamado “tesouro tibetano” é um cogumelo que tem sido utilizado na medicina tradicional chinesa desde tempos imemoriais para aumentar a energia, tratar doenças respiratórias ou aumentar o desejo sexual, entre muitos outros benefícios. O objectivo deste posto é mostrar-lhe porque é tão cobiçado.

cultivo natural

O que é o ‘Cordyceps’?

É um género de fungos pertencente à grande divisão dos ascomicetas (os mais numerosos dentro do reino dos fungos) que se divide em três famílias: cordycipitaceae (onde as principais espécies, Cordyceps sinensis), clavicipitaceae e ophiocordypitaceae.

O género Cordyceps é constituído por cerca de 400 espécies, incluindo ongisegmentis, larvicola, militaris e sinensis, sendo esta última o foco da nossa análise.

Esta espécie, conhecida no continente asiático há milhares de anos pelas suas espantosas propriedades curativas, é sem dúvida a mais popular e mais explorada do seu género e foi originalmente denominada yartsagumbu.

Como mencionado no início, é um fungo que vive como parasita obrigatório e precisa dos corpos de vários invertebrados, principalmente formigas, lagartas e aranhas, dos quais se alimenta vorazmente até que a sua vida termine.

Temível para as formigas

No caso particular das formigas, os esporos espalhados por sinensis ligam-se ao seu esqueleto, fazendo com que comecem a infligir uma deterioração progressiva causada pela expansão dentro do seu organismo, o que as leva irremediavelmente a uma morte agonizante. Este processo cruel tem lugar sem qualquer necessidade de danificar os seus “órgãos vitais”.

Uma vez que toma o controlo do seu cérebro, submete-o a uma espécie de “desprogramação neural”, fazendo com que a formiga perca o sentido de orientação e se torne errática durante horas. O resultado? Não poderia ser mais marcante ou mais lisonjeiro para o Cordyceps, pois morde o próprio fungo e deixa a sua mandíbula presa ali, morrendo paralisada.

A partir daí, começa, na cabeça da carcaça do insecto, um rápido crescimento orgânico que termina com uma maciça disseminação dos esporos, o que dará início a um novo ciclo de parasitismo para outros espécimes de formiga.

Quanto ao fenómeno que ocorre no corpo da lagarta, que aparece como uma fase larval da chamada traça morcego dos Himalaias (um insecto da família Lepidoptera), falaremos mais tarde sobre este processo fascinante.

natural na dieta cordocyps

Conhecer o habitat da ‘Tocheikasa’

Embora as cerca de 400 espécies do género Cordyceps tenham uma distribuição cosmopolita, são na sua maioria reconhecidas como indígenas da Ásia, especialmente dos Himalaias, Japão, península da Coreia, China e partes do Sudeste Asiático.

Se nos cingirmos à variedade sinensis, o seu habitat está localizado nos planaltos altos da cordilheira dos Himalaias, que inclui a região do Tibete, norte da Índia, Nepal e certas províncias do sul da China. No entanto, também foi relatado pelos Estados Unidos, Austrália, Canadá, Nova Zelândia, Quénia, Rússia e Tanzânia.

No Tibete, cresce espontaneamente em larvas de ledidópteros, mas como é caro cultivar e colher da forma tradicional, exigindo tempo e meios de cultura específicos, o seu preço é tremendamente elevado. Por esta razão, foram encontradas outras formas em que a sua produção pode ser aumentada e comercializada em grandes quantidades, para que as pessoas em todo o mundo tenham acesso aos seus extractos e comprimidos.

Breves notas sobre criação e cultivo

Se lhe dissermos que o Cordyceps sinensis leva 6 anos a completar o seu crescimento na natureza, juntamente com os enormes benefícios económicos que a sua exploração produz (como explicaremos mais tarde), compreenderá porque é que este recurso natural foi sobreexplorado e foi mesmo classificado como uma espécie ameaçada pelas autoridades chinesas.

Isto também explica porque é que a maior parte do Cordyceps comercializado em todo o mundo provém de uma cultura programada. A metodologia para o conseguir provém de uma cultura de meio sólido e meio líquido:

  • No primeiro caso, pode ser utilizado um substrato de cereais ou de soja, embora o método predominante na China (o país do seu cultivo por excelência) seja a fermentação em forma líquida. Esta consiste na formulação de um meio líquido estéril no qual estão incluídos todos os ingredientes necessários para um crescimento rápido.
  • No segundo método, utilizado principalmente no Japão e nos Estados Unidos, a fermentação é realizada em estado sólido. O recipiente de micélio neste caso pode ser sacos de plástico ou frascos de vidro, quase sempre utilizando um cereal esterilizado como substrato, geralmente arroz, mas também trigo ou centeio.

As origens do seu uso preventivo e terapêutico

Originalmente e durante vários séculos, o cogumelo tibetano tem sido uma substância indispensável no boticário da medicina tradicional chinesa, como remédio de eleição para o tratamento de problemas respiratórios, hepáticos, cardíacos e renais.

No entanto, para além das suas indiscutíveis propriedades curativas, tem sido utilizado como um argumento poderoso para explicar a surpreendente longevidade característica da população chinesa, bem como a sua melhor tolerância à fadiga e o maior desempenho do seu trabalho físico.

Além disso, as fontes do conhecimento filosófico chinês relataram historicamente que Yasra Gumba actua como um factor de equilíbrio entre corpo e alma, dando-lhe a capacidade de restaurar a harmonia entre os órgãos do corpo, o que é plenamente aceite pelo conhecimento médico chinês.

Durante séculos, tomar Cordyceps foi também considerado um privilégio reservado às classes de elite, até que a chegada dos anos 80 foi o ponto de viragem para se tornar um poderoso foco de atenção para a comunidade científica internacional.

cultivo casero

Algumas curiosidades sobre o ‘tesouro tibetano’

Os seus muitos benefícios medicinais trouxeram este humilde fungo parasita, que foi elevado ao estatuto de jóia medicinal, para os holofotes de todos os cantos do globo. Por esta razão, pensamos que seria uma boa ideia contar-lhe alguns factos interessantes sobre o assunto.

Por que é que o Cordyceps é referido como o “tesouro tibetano”?

Porque o Cordyceps sinensis é um dos remédios naturais mais populares na medicina tradicional asiática. De acordo com a FAO “Cogumelos Selvagens comestíveis – Uma visão geral do seu uso e importância para o público”, este cogumelo é um fungo que é “comido” única e exclusivamente pelos seus benefícios para a saúde.

Continua a ser um recurso de valor excepcional tanto pelas suas propriedades medicinais como pelos impressionantes benefícios económicos que traz para os seus coleccionadores.

Sabia que vale mais do que o seu peso em ouro?

As qualidades do Cordyceps são tão apreciadas que se diz ser um medicamento que vale mais do que o seu peso em ouro. De facto, pode até valer três vezes o seu peso em ouro.

Algumas fontes relataram que um único exemplar pode custar cerca de dois euros num mercado local e que o seu valor pode ser multiplicado por quarenta em mercados especializados.

O resultado de um processo biológico cativante

Na Ásia, é conhecido como “insecto de inverno, erva de verão”, um nome relacionado com o seu desenvolvimento e frutificação.

No Verão, os esporos de fungos invadem as lagartas de muitas espécies de traças nas gramíneas dos planaltos altos dos Himalaias, a mais de 3.800 metros acima do nível do mar.

Durante o Inverno, as larvas portadoras do fungo enterram-se no solo a fim de hibernar, enquanto o seu micélio invade os seus corpos.

A chegada da Primavera traz consigo a reactivação do micélio do cogumelo, que começa a dar frutos, dando origem a uma forma cilíndrica alongada que percorre as gramíneas para receber a luz solar. Cada espécime de Yarcha Gumba pode atingir um comprimento de 4 centímetros.

Muitos nomes para um único ‘Cordyceps sinensis’.

Embora o seu nome científico seja Cordyceps sinensis, a verdade é que este fungo em particular é chamado por muitos nomes diferentes. Assim, pode ouvir-se falar dela de muitas maneiras diferentes, mas todas elas se referem à mesma coisa!

  • Sus nombres locales:Yasra gumba, Yarcha gumba
  • Sus nombres comunes en Nepal:Jeera jhar, Jeevan buti, Keeda ghass, Chyou kira, Sanjeevani bhooti
  • Su nombre común en China:Dong Chong xi cao
  • Sus nombres comunes en Japón; Tocheikasa o TochuKaso
  • Su nombre en inglés: Caterpillar fungus

A este respeito, é de notar que, embora na linguagem corrente Cordyceps sinensis e yartsagumbu sejam considerados conceitos equivalentes, se nos cingirmos ao seu significado puramente técnico, eles são duas coisas diferentes.

Yartsagumbu seria entendido como o resultado da relação parasitária entre o insecto Hepialus armoricanus (traça dos Himalaias) e Cordyceps sinensis, o que justifica que seja um termo um pouco mais complexo do que o simples nome do fungo tibetano.

Que papel desempenham os ‘jaks’ na sua história?

As propriedades energizantes do Cordyceps estão ligadas ao pastoreio tibetano. A lenda diz que a chegada da primeira neve e dos primeiros degelos permitiu aos pastores levar o seu gado até às elevações mais altas das montanhas, para que pudessem alimentar-se da erva fresca, bem como da chamada “erva castanha” que mais tarde foi identificada como Cordyceps sinensis.

Após a ingestão, os pastores notaram que os seus iaques, ovelhas e cabras se tornaram mais fortes e mais robustos. Além disso, parecia que o seu comportamento era semelhante ao da época do cio. Assim, os primeiros usos medicinais deste fungo estavam relacionados com a melhoria da capacidade reprodutiva e da vitalidade do gado.

Descubra as primeiras menções às suas propriedades medicinais

Entre as cerca de 400 espécies conhecidas, a variedade sinensis é uma das mais apreciadas e amplamente utilizada na medicina tradicional.

Como cogumelo tradicional, encontramos as primeiras referências a ele na dinastia Qing na China. Especificamente, estamos a falar do tratado Ben-Cao-Cong-Xin, traduzido como “Nova Compilação da Materia Medica”, no século XVIII.

No Ocidente, devemos a sua primeira referência ao jesuíta e historiador francês Du Halde, que experimentou os seus efeitos revigorantes em primeira mão e quis contar ao mundo sobre eles.

Espaço de trabalho

Mais de 2.000 artigos científicos endossam as suas propriedades.

Se há uma coisa que se pode dizer sobre o Cordyceps, é que é um dos cogumelos medicinais mais estudados. Por exemplo, desde os anos 80, foram escritos mais de 2.000 artigos científicos sobre o assunto.

Uma elevada percentagem delas foi utilizada para determinar as suas propriedades renais, geniturinárias, hepáticas, imunitárias, respiratórias e energéticas.

Para que serve a ‘Yarcha gumba’?

O Cordyceps tem sido amplamente utilizado na medicina tradicional tibetana e chinesa durante séculos. Isto não significa que a sociedade ocidental tenha permanecido inconsciente dos seus benefícios, e que a indústria farmacêutica multinacional tenha utilizado os seus contactos para a incluir entre as suas matérias-primas mais seleccionadas. Forma a base de certos medicamentos com elevado valor terapêutico, como alguns destinados a combater o cancro ou a SIDA, por exemplo.

Mas, de onde vem o incrível poder terapêutico de um ser vivo tão único? Bem, assumindo que a lista dos seus componentes farmacologicamente activos ainda não foi finalizada, gostaríamos de mencionar os dois componentes que foram catalogados como constituintes activos do micélio do cogumelo: a cordycepina e o ácido cordyceptico.

A cordycepin foi anteriormente extraída da variedade militaris e está hoje sintetizada a nível industrial para satisfazer a crescente procura do mercado.

O seu principal componente é uma substância conhecida quimicamente como 3-deoxiadenosina, que tem uma série de mecanismos que lhe permitem agir, por vezes decisivamente, em vários processos químicos relacionados com inflamação, metástase tumoral, agregação plaquetária na coagulação do sangue, sinalização celular, apoptose ou morte celular, etc.

Embora em princípio desenvolva os mecanismos de acção de um antibiótico natural, os seus efeitos estendem-se a uma vasta gama de funções orgânicas.

Estas são as suas principais propriedades sanitárias

  • Exerce uma acção antiviral, especificamente contra o vírus que causa a SIDA
  • Modula o sistema imunitário, ao mesmo tempo, estimula a produção de interferão (antiviral natural) e de citocinas (substâncias mediadoras)
  • Estimula a função cardíaca e a ventilação pulmonar, tornando a respiração mais eficiente
  • Regula os níveis de colesterol e triglicéridos no sangue, reduzindo o LDL ou “mau colesterol”
  • Protege a função hepática e renal
  • Abranda a síntese de proteínas chamadas kinases, que estão envolvidas na resposta aos sinais químicos e físicos recebidos pelas células
  • Actua sobre o sistema nervoso central, com um marcado efeito anti-depressivo e anti-stress, e é considerado um adaptogénico
  • Baixa a pressão arterial
  • Aumenta a resistência à astenia e à fadiga
  • Ajuda a combater o zumbido recorrente irritante nos ouvidos, conhecido como tinnitus
  • Estimula a libido e melhora a fertilidade
  • É um remédio eficaz para a anemia
  • Pode ser um agente antimetastático para certos cancros, mas os ensaios ainda não são totalmente conclusivos e a investigação ainda está na sua infância.

recoleçao cordocyps

Qual é o seu perfil bioquímico

Todo este conglomerado de atributos solo puede proceder de un sustancial elenco de principios activos en la composición química de Cordyceps sinensis, entre los cuales debemos citar como más notables:

  • Cordicepina (0,28 %).
  • D-manitol ou ácido cordicéptico (8 %).
  • Enzima antioxidante superóxido dismutasa.
  • Vitamina B1, B2 e E.
  • Ergosterol (precursor da Vitamina D).
  • Betacaroteno (precursor da Vitamina A).
  • Macrominerais e oligoelementos: zinco, manganeso, selênio, cromo, fósforo e potássio.
  • Polissacarídeos funcionais tais como beta-glucanos (excelentes reforçadores de imunidade), galactomananos (fibra solúvel concebida para retardar a absorção de glicose e colesterol) e proteoglicanos (moduladores de sinais gerados na comunicação entre a célula e o seu ambiente).

De particular importância é a enzima conhecida como SOD, a enzima antioxidante superóxido dismutase, que realiza duas acções paralelas:

  • Obstrução da degradação da integração de lípidos nas bainhas de mielina dos neurónios.
  • Inibindo a actividade da monoamina oxidase, a enzima responsável por mascarar certos neurotransmissores, que desempenham um papel fundamental no funcionamento do sistema nervoso, tais como a serotonina.

Consistente com elas, esta enzima é uma arma para combater a deterioração das funções neurológicas e para apoiar o humor.

Existem alguns efeitos secundários conhecidos?

A primeira coisa que deve saber para este fim é que o Cordyceps é bastante bem tolerado pelo organismo, pelo que não há registo significativo de efeitos secundários, desde que seja rotineiramente suplementado na dieta.

Além disso, no caso de uma incidência, estes seriam sintomas ligeiros incluindo diarreia, náuseas e boca seca, que normalmente desaparecem num curto período de tempo.

E contra-indicações?

Outra questão é a questão das contra-indicações. Por exemplo, se estiver a receber tratamento com substâncias psicotrópicas, broncodilatadores ou anticoagulantes, ou a tomar serotonina, deve consultar o seu médico sobre a conveniência de tomar antes de iniciar a suplementação de Cordyceps.

Por outro lado, há indicações de que o seu princípio activo mais importante, a cordycepina, pode interferir com os tratamentos com medicamentos antitrombóticos, por isso, se os toma, deve evitar tomar suplementos do cogumelo tibetano.

Algo semelhante ocorre no campo das defesas orgânicas, uma vez que interfere significativamente com o funcionamento do sistema imunitário, pelo que a sua suplementação não é recomendada em casos de administração de drogas imunossupressoras.

Está grávida ou a amamentar? Então também se deve evitar o seu consumo, pois a prudência dita que a segurança do suplemento não pode ser garantida. O mesmo se aplica a crianças com menos de 12 anos de idade.

Como tomar as cápsulas deste fungo parasita tibetano?

A forma habitual de beneficiar do repertório de propriedades do Cordyceps é sob a forma de um suplemento dietético de extracto de micélio de Cordyceps.

Cordyceps de EssentialSeries

Extrato de Cordyceps de EssentialSeries.

A quantidade diária recomendada parece ser de cerca de 1,5 g por dia de extracto de micélio.

Tente tomar uma cápsula com cada uma das suas três refeições principais (para evitar um estômago vazio), com meio copo de água. Em certas apresentações, que contêm a substância activa cordycepin, foi estabelecida uma dose diária de 120 miligramas para uma pessoa adulta com 70 kg.

Algumas das suas combinações especialmente interessantes

Como já dissemos, o Cordyceps tem uma gama interessante de propriedades benéficas para o corpo, mas que tal utilizá-lo em combinação sinérgica com outras substâncias?

Tome nota das melhores combinações!

  • Com Reishi e ginseng. Assim que souber que no mundo dos remédios naturais foram baptizados “o trio imperial”, aperceber-se-á da sua potência sinérgica em termos de capacidade de desintoxicação, que está presente nos três em grande escala.
  • Com Ginkgo biloba. Juntamente com a Cordyceps, não encontrará um melhor aliado para implantar o seu efeito de envelhecimento celular. Além disso, ambas proporcionam uma forte permeabilidade à membrana celular, que é crucial para a prevenção de doenças degenerativas.
  • Com astragalus. Também conhecidos como tragacanto e Cordyceps, formam uma combinação excepcional para o tratamento de doenças renais.
  • Com mel de acácia em flor. Combina Cordyceps (de preferência de crescimento orgânico) com mel de acácia para se concentrar na recuperação de energia em situações de desgaste.

Tesouro tibetano, fungo parasita ou Viagra tibetano. Seja o que for que queira chamar Cordyceps sinensis, o importante é que beneficie de uma jóia natural que está a ser cada vez mais atribuída com propriedades terapêuticas, e finalmente a um preço acessível!

Estudos e Referências de Cordyceps:

    Apreciação Cordyceps

    Reforça o Sistema Imune - 100%

    Aumento do Libido - 100%

    Efetividade - 100%

    Combinações - 99%

    100%

    HSN Evaluação: 5 /5
    Content Protection by DMCA.com
    Sobre Alberto Ricón
    Alberto Ricón
    Alberto Ricón é um especialista em nutrição e higiene alimentar com ampla experiência no setor. Trabalha como Técnico de Saúde Alimentar na Comunidade de Castilla La Mancha.
    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *