Inositol: Por que motivo o teu organismo necessita da Vitamina B8?

Inositol: Por que motivo o teu organismo necessita da Vitamina B8?

O inositol é um desses suplementos dos quais se pode dizer que é um grande desconhecido, circunstância que, não obstante, não lhe retira nenhum tipo de importância, dado que o impacto que tem sobre a nossa saúde não pode ser subestimado.

Podemos apresentá-lo como um hidrato de carbono de estrutura cíclica e praticamente ubíquo no interior do organismo humano que, além do mais, está presente na maioria das células. Também é conhecido como Vitamina B8.

Conhece os benefícios do Inositol

O que é e para que serve o Inositol?

Dentro do nutrido repertório dos nutrientes que integram o que é conhecido como princípios imediatos, o inositol partilha a sua natureza de hidrato de carbono com a de a vitamina do grupo B e, em particular, é identificada com a vitamina B8.

O elemento mais destacado relativamente à riqueza desta substância, é o leite materno, constituindo a prova irrefutável de que o recém nascido apresenta uma necessidade inata de receber um fornecimento regular da mesma.

Considerada como uma substância com atividade nutricional, são-lhe atribuídos diversos efeitos biológicos depois de ingressar na corrente sanguínea, depois da sua absorção por parte do trato intestinal.

No entanto e ao contrário do resto das vitaminas, nos adultos não ostenta o carácter de essencial, dada a capacidade que o organismo tem de a sintetizar desde a molécula da glicose.

Inositol EssentialSeries

Inositol 500mg da EssentialSeries.

Muitos dos compostos químicos estão na natureza sob formas que se diferenciam muito pouco na estrutura da sua molécula. Estamos a referir-nos aos conhecidos como isómeros.

Apresentação molecular

São nove as suas possíveis apresentações, que unicamente diferem na disposição de algum dos seus átomos. Mais concretamente, podemos assinalar o ordenamento dos grupos de hidrogénio e de OH em redor dos átomos de carbono que configuram a sua estrutura anelar.

Entre todas elas, sobressai o mioinositol, por ser a que abrange uma grande maioria. Além disso, está estreitamente relacionado com o sistema nervoso dos mamíferos (que inclui o ser humano), fora outra série de localizações.

Relativamente ao resto dos isómeros isométricos (pela sua denominação técnica), são apenas quatro os que são apresentados espontâneamente na natureza, sendo que os outros são produto da síntese de laboratório. Em concreto são: o D-inositol, o L-inositol, o mioinositol e o esciloinositol ou esciclitol.

Inositol molecularmente

Que propriedades tem para a saúde?

Uma das características que resulta mais relevante na parcela do metabolismo associado ao inositol, é que o organismo humano foi “programado” para efetuar a sua síntese. Os tecidos principais nos quais as mesmas são levadas a efeito, são o sistema nervoso central, a mucose intestinal, os rins e o fígado.

A vitamina B8 encontra-se praticamente na totalidade das células do organismo, e constitui uma substãncia que integra a estrutura molecular dos fosfolípidos, compostos gordos determinantes na arquitetura da membrana celular, com especial incidência nos neurónios ou nas células nervosas.

Vamos fazer seguidamente uma breve resenha pelas principais propriedades do inositol:

Participa na organização dos tecidos

Pode qualificar-se como fundamental a existência do inositol para a transmissão do impulso nervoso e para a síntese dos neurotransmissores.

A partir desta propriedade, segue-se um imenso catálogo de processos patológicos relacionados com o sistema nervoso, que podem ser previstos com um consumo e síntese interna de inositol adequadas.

Toma nota das patologias que podes prevenir com o suficiente fornecimento de inositol!

  • Depressão
  • Transtorno bipolar
  • Transtorno obsessivo-compulsivo
  • A agorafobia, ou medo de espaços abertos, e a claustrofobia, ou medo de espaços fechados
  • Défice de atenção associado à hiperatividade
  • Anorexia e bulimia
  • Qualidade do sono, manutenção de um bom estado de ânimo, estados de ansiedade e de stress

    Constatou-se que os níveis de inositol no líquido cefalorraquídeo (o que banha, ao nível interior do sistema nervoso central), dos indivíduos que padecem de depressão (assim como dos outros também mencionados) são apreciavelmente escassos. Presumivelmente, será a depend~encia entre o inositol e a síntese do neurotransmissor serotonina, o fator que se repercute no momento de desencadear uma depressão.

    Reduz o colesterol e a acumulação de gordura

    O composto orgânico que estamos a analisar reduz o colesterol LDL, evitando que seja depositada uma acumulação de gordura. Tanto que assim é, que se comprovou que, em conjunção com a colina, chega a reduzir o colesterol no sangue.

    Distribui a gordura pelo organismo, eliminando-a daqueles lugares nos quais se acumula. Esta circunstância faz com que o fígado esteja livre de acumulação de gorduras, proporcionando um efeito detox.

    Ajuda o Inositol na perda de gordura

    Desempenha uma função lipotrópica no fígado

    É um elemento chave na mobilização das gorduras, em conjunção com a colina. Impede o depósito de lípidos no fígado e, pelo contrário, promove o transporte até às células dos tecidos nos quais a sua presença é necessária.

    Intervém na estimulação da musculatura lisa do trato gastrointestinal

    Ajuda a regular o peristaltismo, ou motilidade intestinal e, em coerência com isso, a fazer face à prisão de frente.

    Em virtude da sua condição de vitamina, é um colaborador necessário na atividade enzimática de várias reações químicas do metabolismo:

    • Visão, cabelo e pele.
    • Ótima digestão e bom estado do aparelho digestivo.
    • Regulação na formação das células da médula óssea imprescindíveis para a circulação sanguínea e do sistema imunitário.

    Qual é o seu papel enquanto mecanismo do segundo mensageiro?

    A estrutura molecular do inositol foi desenhada para transitar com facilidade entre o exterior e o interior das células, sendo uma substância determinante nas funções vitais.

    Conforme referimos antes, adopta um mecanismo denominado “do segundo mensageiro”, cuja essência reside na resposta intracelular da molécula do inositol à presença de uma hormona específica. O resultado? o início de uma cadeia de reações bioquímicas que materializam um preciso efeito fisiológico.

    Em prol da organização e especialização das células em tecidos e órgãos, é indispensável estabelecer uma subtil rede de comunicações cujo controlo estão nos fenómenos de multiplicação celular e coordinação da totalidade das atividades que aquelas que levavam a cabo.

    Se atendermos ao esquema de trabalho de qualquer dos vários sistemas de comunicação que intervêm no organismo, o pontapé de saída é dado sempre por um primeiro sinal denominado “primeiro mensageiro” e que tanto pode ser uma hormona, como um fator de crescimento, como um “releasing” fator do hipotálamo (glândula vital inserida no encéfalo), entre outros.

    O referido primeiro mensageiro é libertado para o meio extracelular e mobilizado pelos estímulos específicos que recebem o nome de tactismos, até entrar em contacto químico na membrana plasmática da célula, com um recetor da membrana de alta especificidade que o identifica.

    A partir de aí, dará começo uma série de fenómenos bioquímicos responsáveis da função vital própria de cada caso, tanto ao nível da membrana como dos órgãos que o citoplasma da célula contém.

    Transporte inositol

    Mioinositol e diacilglicerol

    Entre os mencionados recetores, existe um que merece especial atenção e que usa as conhecidas como proteínas G, juntas a umas bases nitrogenadas denominadas guaninas (das que integram o ADN).

    As suas funções incluem as de controlar a libertação de dois novos mensageiros intracelulares, os “segundos mensageiros”, que não são outros que o mioinositol e o diacilglicerol e que ocupam o último elo da cadeia de comunicação imediatamente anterior à manifestação do efeito fisiológico.

    Pode acontecer que o fator mais relevante no triunfo dos efeitos terapêuticos do inositol seja a sua capacidade de dar suporte aos neurotransmissores. Esta qualidade deriva, por seu turno, da sua aptidão para intervenir de modo indireto no sistema nervoso central, sem se ver implicado em nenhuma interação com os recetores cerebrais.

    Como efetua o seu trabalho

    Um dos métodos que utiliza, consiste na regulação do mineral cálcio que está contido no interior das células, quando o inositol trifosfato é projetado sobre um orgânulo do citoplasma da célula, de nome retículo endoplasmático. Pois bem, dentro deste retículo é facilitada a libertação das reservas de cálcio. Ditas reservas, por sua vez, e numa espécie de “efeito dominó” ativam a dos neurotransmissores.

    Por outro lado, o inositol exerce como um regulador da ósmose (uma permeabilidade inata do revestimento celular), o que facilita o movimento da água e dos elementos em dissolução através da membrana.

    O seguinte exemplo importante das notáveis alterações que o inositol promove no organismo, é a resposta à libertação da insulina que é produzida nos ilhotes de Langerghans do pâncreas, um canal fisiológico no qual adopta um comportamento de agente sensibilizador de dita hormona.

    É mais, podemos afirmar que os sujeitos que padecem de diabetes de tipo 2, têm alterada a quantidade de inositol que eliminam através da urina.

    Inositol em Pó da RawSeries

    Inositol em Pó da RawSeries.

    Qual é o papel que desempenha no Síndrome Metabólico?

    Estreitamente associado às alterações na resistência à insulina, encontra-se o conhecido como síndrome metabólico, no qual o inositol assume igualmente protagonismo ao prevenir algumas das alterações que o integram, como o caso da hiperlipidemia (elevada taxa de gordura no sangue) ou a obesidade.

    Não é por acaso que se constatou uma redução de 20% nos níveis de colesterol LDL, ou “colesterol mau”, um indicador fiável de um ótimo controlo da predisposição do síndrome metabólico, pela sua condição de ser um fator de risco das patologias cardiovasculares.

    Mas até que ponto é necessária a abundãncia do inositol no sistema nervoso central? Pois na medida que numerosos estudos que analisaram ao pormenor o papel do inositol em diferentes síndromes, deram como resultado uma conclusão que um prolongado défice em inositol celular é capaz de desencadear o aparecimento de transtornos neurológicos de certa entidade, entre os quais se encontram a doença de Alzheimer e a patologia amilóide.

    Inositol perder peso

    Fontes naturais de Inositol

    Por sorte, e para desfrutar dos benefícios do inositol importa saber que existe uma tendência geral entre os alimentos que contêm o isómero mioinositol em maior ou menor quantidade.

    Regra geral, podemos dizer que os alimentos que contêm mais inositol, são os cereais de grão inteiro e as frutas cítricas (constituindo o limão uma exceção), ocupando os primeiros lugares da lista que culmina com os produtos lácteos e as carnes.

    Frutas:

    • Uva passa (4,70)
    • Melão cantalupo (3,55)
    • Laranja (3,07)
    • Tangerina (1,49)
    • Kiwi (1,36)
    • Cereja (1,27)
    • Nectarina (1,18)
    • Manga (1)
    • Pêra (0,73)
    • Pêssego (0,53)
    • Damasco (0,52)
    • Melancia (0,46)
    • Abacate (0,46)
    • Ananás (0,33)
    • Maçã (0,24)

    Frutas fonte de Inositol

    Hortaliças:

    • Rutabaga ou couve-nabo (2,52)
    • Beringela (0,84)
    • Couve de Bruxelas (0,81)
    • Couve (0,70)
    • Espargos (0,68)
    • Espinafre (0,66)
    • Alcachofra (0,6), onde se concentra especialmente no seu coração
    • Pimento (0,57)
    • Tomate (0,54)
    • Cebola (0,27)
    • Alface (0,16)
    • Pepino (0,15)
    • Cenoura (0,12)
    • Cogumelos (0,09)

    Cereais:

    • Farelo de trigo (2,74)
    • Trigo inteiro (1,42) e trigo integral (0,47)
    • Farinha de aveia (0,40)
    • Massas (0,31)
    • Arroz castanho (0,30) e arroz branco (0,17)
    • Pão branco (0,25)

    Cereais fonte de Inositol

    Carne e derivados:

    • Fígado de vaca (0,64)
    • Carne picada (0,37)
    • Gema de ovo (0,34)
    • Lombo (0,30)
    • Peito de frango (0,30)
    • Costeleta de porco (0,42)

    Peixes e mariscos:

    • Ostras (0,25)
    • Atum (0,15)
    • Sardinhas (0,12)
    • Ameijôas (0,03)

    Produtos lácteos:

    • Leite gordo (0,04)
    • Iogurte (0,1)

    Leguminosas:

    • Feijão branco (2,83), vermelho (2,49) e verde (1,93)

    Défice de Inositol. Deve ser preocupante?

    Sim. Lamentamos, mas uma deficiência de inositol deve ser preocupante, na medida que é capaz de piorar em muito a tua qualidade de vida e, além disso, pode estar na origem de vários e importantes transtornos da saúde a longo prazo.

    Estes são os principais problemas que pode provocar uma carência de inositol:

    • Doenças oculares, dado que os olhos são um dos órgãos do corpo que maior concentração de inositol apresenta. Por esta razão, uma deficiência de vitamina B8 pode eventualmente ser a causadora de cegueira noturna e de fotofobia (condição que dificulta, no seu expoente máximo, suportar a luz direta).
    • Intensifica os problemas neurológicos em doentes de diabetes, ocasionando a conhecida como neuropatia diabética.
    • Pode dar lugar a um relaxamento das fibras musculares lisas da parede intestinal, encarregues da manutenção do peristaltismo, convertendo-se num fator de predisposição de prisão de ventre.
    • Esterilidade masculina, devido a que no interior dos testículos, a vitamina B8 contribui para a produção de espermatozóides.
    • Outros problemas nervosos. Na sua qualidade de vitamina, uma das suas funções é atuar nos mecanismos enzimáticos reguladores do equilíbrio entre o cobre e o zinco nos neurónios. Como seria de esperar, a sua falta provoca a rutura desse equilíbrio no qual o cobre é o fator predominante. Tal circunstância pode dar lugar a um bom número de problemas do sistema nervoso, como angústia, fobias ou insónias.

    Como e quando tomar a B8?

    O primeiro que tens que saber a este respeito é que uma alimentação equilibrada garante a satisfação das exigências diárias deste nutriente.

    Em virtude do critério da maioria dos especialistas em redor de uma grama diária de inositol será a quantidade que necessitamos.

    Pese a que, de acordo com o que acabámos de dizer e se te alimentares bem, em princípio não deves ter nenhum problema para satisfazer as necessidades diárias de vitamina B8. No entanto, e ao fim e ao cabo a realidade é quem manda, talvez o teu ritmo de vida não te permita ter uma alimentação tão saudável como pretenderias ter.

    Outro fator que também pode desembocar na falta de inositol, é o padecimento de um transtorno que eleve os níveis exigidos de suplementos dietéticos.

    Suplemento inositol quando tomar

    Necessitas tomar suplementos de Inositol, se…

    • Segues uma dieta deficiente, com poucos alimentos frescos e com alimentos em abudância que são muito processados e com aditivos
    • Fumas ou és viciado em álcool ou em drogas
    • Padeces de alguma infeção dos órgãos nos quais é sintetizada o inositol, sobretudo da mucosa do estômago, fígado, rins e do sistema nervoso central
    • Se te encontras numa situação de excesso de esforço, ansiedade ou stress
    • Consomes demasiadas bebidas com cafeína ou outros estimulantes (como café, chá, ou colas)
    • Estás a receber tratamento com antibióticos, dos quais se sabe que dificultam a sua absorção ao nível intestinal. Existem outros medicamentos que reduzem a capacidade do inositol, pois neutralizam as vitaminas em geral, entre os quais se destacam os contracetivos
    • Emites excessiva quantidade de urina como consequência de uma medicação à base de diuréticos, ou por ingerir muita água

    Consulta aqui a dose diária recomendada

    Uma coisa é a dose padrão de inositol, que oscila entre 0,5 e 2 gramas e diárias, e outra a que possa chegar a ser necessária em situações especialmente exigentes:
    • Perante casos terapêuticos mais agressivos, como é o caso de uma depressão, por vezes faz falta até 12 gramas diárias e que normalmente são bem toleradas
    • Para o tratamento dos transtornos psiquiátricos anteriormente mencionados, a dose recomendada situa-se entre as 10 a 12 gramas diárias, para as quais se costuma escolher uma apresentação em pó hidrossolúvel

    Se vais começar a tomar suplementos com inositol, o mais recomendável é que inicies o tratamento com doses moderadas, e que continues, pouco a pouco, a avaliar como te estás a sentir antes de aumentar a dose, o que deves fazer de forma gradual.

    Não caias no erro de tomar quantidades superiores às aconselhadas, pois essa medida pode levar a que padeças dos efeitos secundários típicos da suplementação com inositol (diarreia, náuseas e moléstias gastrointestinais).

    Quando tomar vitamina B8

    Se pretendes conseguir um maior amortecimento contra a resistência à insulina típica do síndrome do ovário poliquístico (SOP) os especialistas recomendam ingerir a dose de inositol em apenas uma toma antes do pequeno-almoço.

    Estrutura tipos de inositol

    Em que formatos podes encontrar este suplemento?

    Tens disponível no mercado o inositol em distintas apresentações

    • Em cápsulas moles ou géis, a biodisponibilidade do mioinositol é maior. Ao contrário das cápsulas duras, os géis são uma boa alternativa nos casos de suplementação com o objetivo de tratar transtornos mentais.

    De facto, estamos a referir-nos à possibilidade de transformar as 12 g diárias exigidas para produzir efeitos psicofarmacológicos em 4 g de mioinositol.

    • Em pó branco ou cristalino, apenas necessitas de o dissolver através de uma mistura enérgica num copo de água ou sumo de fruta.

    Do mesmo modo, há outros dois isómeros de inositol que se costumam incluir em suplementos, indicados para afrontar condições específicas de saúde. São:

    • Hexafosfato
    • D-chiro

    As mulheres que sofrem o já referido Síndrome do Ovário Poliquístico (SOP), podem optar por duss substâncias: mioinositol e D-chiro inositol.

    Algumas mulheres baseiam o seu tratamento em consumir apenas mioinositol à razão de 4 gramas por dia (parece que o pó pode ser mais aconselhável do que as cápsulas).

    Se vais tomar as cápsulas, podes fazê-lo numa mistura com metformina, um medicamento usado principalmente com fins antidiabéticos. Ao mesmo tempo, tens a possibilidade de optar por uma combinação de mioinositol e D-chiro inositol. Dita combinação, de acordo com o critério dos especialistas, parece melhorar significativamente, tanto o perfil clínico como o metabólico dos pacientes.

    A sinergia do mio e D-chiro inositol é fator chave na normalização dos desequilíbrios hormonais que são produzidos na área reprodutora, assim como na ovulação e nos ciclos menstruais.

    D-chiro Inositol

    D-Chiro Inositol da EssentialSeries.

    Do mesmo modo, reduz de maneira considerável os níveis de andrógenos circulantes (como a testosterona), responsáveis de que apareça um excesso de pêlo corporal e de acne. Também está relacionado com o síndrome do ovário poliquístico.

    A título de exemplo, dizer que as mulheres com excesso de peso e com obesidade, mostram maior predisposição para ter melhores resultados em tratamentos nos quais são combinados mio e D-chiro inositol.

    Tem efeitos secundários?

    Tomado dentro das doses recomendadas, o inositol é uma substância segura. Todavia, em casos extremos uma dose de 10 g por kg de peso desta vitamina pode desencadear consequências fatais.

    Portanto e à exceção de casos extremos, tudo aponta a que estamos perante uma substância bem tolerada e nas quais as doses terapêuticas encerram em si mesmo uma grande margem de segurança.

    Esse é o motivo pelo qual os efeitos secundários descritos relacionados com as doses mais convencionais sejam bastante moderados e estão circunscritos quase na sua totalidade a moléstias do aparelho digestivo, tais como diarria, náuseas e flatulências.

    O Inositol tem efeitos secundários?

    E contra-indicações?

    Apesar de não serem demasiadas, existem uma série de contra-indicações em relação à toma da vitamina B8.

    Não devem ingerir inositol…

    • Crianças que apresentem transtornos de hiperatividade
    • Pessoas com sintomas de transtorno bipolar

    Estás grávida? Então deves consultar o teu médico e ver se podes tomar inositol, já que durante a gestação é desenvolvido um estado de resistência à insulina que muitas vezes dá lugar a um quadro de diabetes tipo 2 gestacional.

    Deste modo, durante este período procura-se uma redução da captação da glicose circulante no sangue, com o objetivo de que o feto possa receber o fornecimento sustentável deste açúcar que precisa do seu desenvolvimento.

    O tratamento da diabetes gestacional tipo 2 necessita do apoio de algum medicamento hipoglicémico que, por um lado, não resulte tóxico para a mãe e para o feto e, por outro, mantenha estáveis os níveis de glicose no sangue. Pois bem, o mioinositol pode ser esse tratamento necessário.

    Em relação com o consumo de cafeína, indicar que os especialistas que consultámos descartam, em princípio, qualquer interação entre ambas as substâncias. Por isso, parece que a cafeína e o inositol podem ser consumidas sem grandes problemae, sempre sob as indicações dos especialistas, como sucede com qualquer outro suplemento alimentar.

    E agora, já te é mais familiar o inositol? Sá falta saber quais os valores e até que ponto te pode beneficiar, e te decidas a experimentar as suas qualidades.

    Fontes Bibliográficas:

      Avaliação Inositol

      Para a depressão - 99%

      Fontes de inositol - 100%

      Importância na gravidez - 100%

      Eficácia - 100%

      100%

      HSN Evaluação: 5 /5
      Content Protection by DMCA.com
      Sobre Alberto Ricón
      Alberto Ricón
      Alberto Ricón é Técnico de Saúde Alimentar, especialista em nutrição e higiene alimentar com vasta experiência no setor.
      Confira também
      Como aumentar vitamina D
      Como aumentar rapidamente a Vitamina D?

      De certeza que já ouviste mil e uma vezes que as vitaminas são necessárias para …

      Deixe uma resposta

      O seu endereço de email não será publicado.