Alimentos para o Cérebro

Alimentos para o Cérebro

Neste post vamos falar destes alimentos para o cérebro e para a memória e qual é a melhor forma de os incorporar no teu dia a dia.

A dieta e a função cerebral

É conhecido por todos que o nosso cérebro e sistema nervoso geral é uma máquina potente que consome muitos recursos.

Apesar de ainda existir uma certa tendência para acreditar que o nosso cérebro e as suas capacidades são independentes daquilo que fazemos ou comemos, cada vez temos um maior peso de evidências que nos alerta que o contrário é certo.

Não existe cérebro independente do nosso ambiente.

A dieta e a função cerebral

Os mesmos hábitos negativos que nos estão a matar e que afetam aos nossos pulmões, coração ou rins, afetam o cérebro.

No entanto, na natureza existem alimentos que, pelo seu perfil de nutrientes, são especialmente importantes para o nosso cérebro e para a manutenção da sua saúde e função.

Qual é o principal alimento do cérebro?

O cérebro é um órgão com uma capacidade de adaptação assombrosa, um facto que nos levou até onde estamos hoje em dia.

Isto faz com que não haja um único alimento ou grupo de alimentos sem os quais o nosso cérebro não possa sobreviver.

Perante a pergunta, Qual é o melhor alimento para o cérebro?, logicamente, não existe resposta.

A nossa biologia encarregou-se de aperfeiçoar a forma de alimentar o nosso cérebro ainda nas situações mais inóspitas e frugais possíveis.

Se falamos de nutrientes, o principal, por ser o mais frequentemente utilizado pelo nosso SNC, é a glicose.

Isto foi interpretado de forma errada durante muito tempo, assumindo que o nosso cérebro “necessita de açúcar” para sobreviver, ou para funcionar de forma ótima.

Não, não e não.

Glicose e Cérebro

Ainda podes ouvir por aí coisas como “os neurónios morrem se não lhes dás açúcar”.

Claro que o açúcar não estava no meio da selva pendurado das árvores em forma de torrão de açucar. Estava intrinsecamente presente numa série limitada de alimentos e em quantidades muito menores às atuais.

Como conclusão, o nosso cérebro necessita de glicose, não açúcar (açúcar = frutose + glicose).

Mas temos de fazer três declarações importantíssimas:

  • A dita glicose pode-se conseguir depois da digestão e absorção de muitos alimentos saudáveis: tubérculos, outros vegetais ou frutas.
  • Inclusivamente se o nosso ambiente não nos pode fornecer de glicose, o nosso organismo tem a capacidade de gerar glicose de forma endógena mediante a neoglucogénese.
Um ser humano pode sobreviver perfeitamente sem tomar uma grama de glicose exógena.
  • Nesta situação de pouca disponibilidade de glicose exógena, o nosso cérebro tem a capacidade de utilizar um combustível alternativo, os corpos cetónicos.
Além disso, parece que estas moléculas beneficiam o nosso cérebro de formas bastante singulares.

10 alimentos bons para o cérebro

Entre os alimentos para a memória e o cérebro podemos encontrar a seguinte lista:

Ovos

O ovo é uma bomba de micronutrientes para o cérebro: vitaminas do grupo B (B12, B9, B6), colina (precursor da Acetilcolina), Zeaxantina e Luteína (na gema) ou DHA.

Azeite

O seu elevado conteúdo em polifenois, como o oleocantal, converte-o num aliado do cérebro.

Carne

Apesar do facto de haver divisão de opiniões relativamente à carne, não podemos esquecer que é um alimento importante para o nosso cérebro pelo seu conteúdo em Zinco, B12, creatina ou ómega 3.

a carne é um alimento bom para o cérebro

Mas sim, temos de ter em consideração a proveniência da carne e o tipo de preparação da mesma.

Por exemplo, o churrasco gera compostos problemáticos como as aminas heterocíclicas e os hidrocarboretos aromáticos policíclicos, que têm um impacto negativo na nossa saúde.

Mirtilos

Estes frutos vermelhos são um nootrópico natural.

O seu polifenol mais potente é a antocianina, que cruza a barreira hematoencefálica e gera mais BDNF.

O consumo diário de mirtilos melhora a função cognitiva, a memória, o estado de ânimo e o fluxo sanguíneo cerebral.

Peixe azul

O seu conteúdo em DHA, um tipo de ómega 3, juntamente com o Zinco, Selénio, Iodo ou vitamina D, faz com que o peixe azul seja um dos principais alimentos amigos do cérebro.

Se a tua preocupação é o mercúrio, escolhe peixe com menor quantidade de mercúrio: sardinha, carapau, arenque, atum, salmão, pescada, truta.

Ultra ómega-3

Ou inclusivamente podes optar pela suplementação com Ómega-3.

Chocolate preto

A sua ingestão está relacionada com um melhor fluxo sanguíneo cerebral e menores níveis de ansiedade.

Mas afasta-te do “açúcar achocolatado” que vais encontrar na maioria dos supermercados.

Ou seja, opta por, pelo menos, chocolate com 80% de cacau.

Café

Um consumo razoável de café (100-200 mg/dia) parece proteger contra o deterioro cognitivo.

Café para o cérebro

Isso sim, a dependência ao café, cada vez mais frequente, pode estar “a disfarçar” um problema de hábitos e a interferir com a qualidade do teu descanso.

Especiarias

O mundo das especiarias é apaixonante, pois cada uma fornece propriedades muito concretas.

Em relação ao cérebro, as mais benéficas são a curcuma, o gengibre e a canela.

Curcuma em pó da EssentialSeries

Curcuma em Pó da EssentialSeries.

Chá verde

A L-teanina é um aminoácido presente no chá verde que exerce um curioso efeito: potencia a atenção sem te estimular em excesso.

E quais são os alimentos que melhoram a memória e a concentração?

Todos os alimentos presentes na lista anterior podem, a longo prazo, melhorar a tua memória e a concentração.

Cafeína e Teanina

Mas se necessitas de um efeito mais imediato, recomendo a combinação vencedora de Cafeína + L-Teanina.

Vai proporcionar uma sensação de “calma concentrada” muito agradável que facilita a realização de tarefas cognitivamente exigentes.

Outro “must eat” é o chocolate preto como um snack.

Acostuma-te a comê-lo amargo, pensa nele como um “comprimido cognitivo”.

Alguns dos alimentos enumerados, como os mirtilos, são especialmente caros (e fora de época ainda mais).

Por isso, a minha recomendação é comprá-los congelados e adicionar às papas, batidos, iogurtes, etc. O que vos parece este smoothie?

Mais conselhos para proteger a tua saúde cerebral

Apesar de neste post nos termos concentrado em alimentos para o teu cérebro, a complexidade deste órgão é beneficiada de muitas outras ações que vamos debater noutros posts, se forem do vosso interesse.

Aqui vão algumas recomendações para proteger a tua saúde cerebral:

Procura conexão real

A solidão e o isolamento social são potentes tóxicos para o cérebro.

Falo de conexão real porque a que oferecem as redes sociais para ser mais negativas do que positivas para o cérebro.

Move-te

O sistema muscular não é mais do que uma extensão ou “prolongamento” do sistema nervoso.

Movimento

Grande parte da potência do nosso cérebro fica relegada ao controlo motor.

Se entendes o princípio “usa-o, ou perde-o”, vais perceber que mover o teu corpo é o melhor que podes fazer para não “perder” o cérebro.

Procura um ponto de desafio

O nosso cérebro evoluiu num meio de incerteza e com certo grau de risco sempre presente.

Procura meios desafiantes e enriquecidos ou simula o dito desafio como uma corrida de obstáculos, por exemplo.

Cuida do stress crónico

Outro tóxico intangível presente na maioria de lares é o stress crónico.

Investe em desenvolver capacidades e hábitos que limitem o dito inimigo.

Sobredose de presente

Caminhar pelo caminho do presente é outra apreciada capacidade.

Não só te vai converter em alguém muito mais eficiente, também em alguém muito mais feliz.

Entradas Relacionadas

  • Top de Suplementos para o cérebro: Ir agora.
  • Como o jejum intermitente afeta o cérebro?Deixamos-vos a nossa resposta.
Avaliação Alimentos para o Cérebro

Benefícios - 100%

Lista - 100%

Memória e Concentração - 100%

Recomendações - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Borja Bandera
Borja Bandera
Borja Bandera é um jovem médico dedicado as áreas de nutrição, exercício e metabolismo, que concilia a sua atividade clínica junto a sua vocação divulgativa e investigadora.
Confira também
Não concentrarmos no peso
O peso na balança não é real

“O peso da balança não é real”, guarda esta frase. Se pretendes melhorar a tua …

Um comentário
  1. Edineide Batista

    Conteúdo excelente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.