Suplementos para Estudar Concursos Públicos

Suplementos para Estudar Concursos Públicos

Vamos falar de Suplementos para Estudar Concursos Públicos.

Já seja porque queres aceder a um concurso de forças de segurança do Estado (exército ou polícia), bombeiro, médico, professor, maestro, etc… vais ter que preparar os temidos concursos.

Os que estudam concursos acabam que não deixam de ser estudantes (obviamente), e que os suplementos que podem utilizar para incrementar o seu rendimento cognitivo podem ser os mesmos que estes e outros.

Embora o concurso defere em hábitos de estudo de outros níveis académicos como a educação secundária ou a educação superior em algo, e é no tempo.

Qualquer que fez concurso, ou este estudando para algum concurso público, sabe do que estou falando, nos referimos a um grau de rendimento superior, uma implicação cognitiva intensa de forma constante, não é durante uma semana ou 15 dias; mas sim meses e meses; incluso anos!

Queres saber que suplementos te podem ajudar a optimizar as tuas sessões de estudo? Continua lendo que vou a contar como.

Como funcionam os neuromoduladores?

Um neuromodulador é uma substância que possui a capacidade de afectar os circuitos de sinalização neurológica.

Normalmente quando falamos de “neuromodulador” não costumamos falar de substâncias endógenas, referindo a substâncias de consumo externo.

Falar de nootrópicos é mais familiar, embora este é um termino pouco preciso, é adequado por que engloba todas substâncias entre outros mecanismos:

  • Aumentam a síntese e diminui a degradação de neurotransmissores,
  • Melhoram a condutividade nervosa, ou
  • Mantém a integridade dos terminais nervosos das neuronas.
Se queres ampliar informação sobre os Nootróopicos, faz click aqui.

comunicação nueronas

Em geral, qualquer substância que possa ajudar a estudar, que faz a través de qualquer mecanismo que regule a sinapse neuronal e, por tanto, a transmissão nervosa.

Como se classificam os neurotransmissores?

Neurotransmissores temos muitos, que cumprem diversas funções, e cujo desequilibro afecta negativamente o nosso rendimento mental.

Entre todos estes , a acetilcolina é possível que seja o principal neurotransmisor envolvido nos processos de aquisição e codificação da memoria e as novas recordações.

O resto dos neurotransmissores se podem resumir em:

  • Glutamato (principal neurotransmissor excitatório)
  • GABA (principal neurotransmissor inibitório).
  • E por outro lado temos os neurotransmissores monoamina: Histamina, Dopamina, Serotonina, Adrenalina, Melatonina.
Todos e cada um deles tem um papel importante no rendimento cognitivo, más modular um e outro ao cima, vai ajudar-nos a ativar-nos, melhorando nossa concentração, relaxar ou aumentar a nossa resposta psicomotriz.

Bom, depois destes conceitos, os presento os Suplementos para Estudar Concursos Públicos:

Cafeína

Em geral, é o melhor suplemento para a melhora do rendimento cognitivo.

O seu mecanismo de ação se baseia em:

O antagonismo das subunidades A1 e A2 dos receptores de adenosina nas neuronas postsinápticas; bloqueando a sinalização inibitória desta purina que nos faz que  “adormeçamos” e reduz o estado de vigília.

Graças a antagonização da subunidade A2 dos receptores de adenosina, devido a sua interacção intermembrana com os receptores de dopamina D2, aumenta sua densidade no cérebro, permitindo que a sinalização dopaminérgica seja mais potente (tendo mais sítios para unir).

Devido ao aumento na atividade dopaminérgica, potencialmente graças a inibição de certas isoenzimas fosfodiesterasas, e mecanismos especulativos que não percebemos profundamente; a cafeína aumenta a produção de adrenalina e noradrenalina, outras monoaminas que atuam como neurotransmissor excitatório do sistema nervoso.

cafeina vs adenosina

Figura I. Representação gráfica das moléculas de Cafeína e Adenosina; se pode observar a estrutura de purina compartida, em caso da adenosina, unida a uma pentosa. (Extraído de 23andme).

A cafeína é sem duvida a substância legal mais útil para melhorar o rendimento cognitivo de forma aguda; certas “Smart drugs” amplamente conhecidas pelo seu potencial para melhorar o rendimento cognitivo compartem mecanismo de ação com a cafeína.

Existem diferentes formatos de comprimidos de cafeína e efeitos, ler mais...

Como tomar

Consome ao menos 2mg/kg de cafeína, uns 50’ antes de estudar para poder beneficiar dos seus efeitos.

Devemos saber

  • Em função dos genotipos expressados em certos genes, a tua metabolização da substância sera mais ou menos eficiente, e te beneficiaras ou não dos seus efeitos, sofreras efeitos indesejados pelo consumo ou não, e modularás a resposta dopaminérgica ou não.
  • Sei que é complexo, assim que ou fazes um GWAS (estudo de associação de genoma completo), e aprendes a interpretar, ou experiementas: se não notas nada, ou te gera taquicardia, taquipnea, palpitações, dor de cabeça, tremores, diaforese… Descontinua o seu uso…

Indicações

  • A cafeína gera taquifilaxia, pelo que aproximadamente cada 5 dias de uso continuado seria recomendável passar 2 dias sem consumir cafeína ou outros similares (teobromina, teofilina, nicotina…)
  • 50 minutos antes de estudar consome entre 2 e 4 mg/kg de peso corporal de cafeína.
  • Cada 5 dias seguidos que consumas, descontinua o seu uso 2 dias.
  • Não é recomendável consumir mais de 15 dias seguidos para melhorar o teu rendimento cognitivo.

Mucuna Pruriens

A Mucuna Pruriens é uma planta cuja semente contem uma grande quantidade de Levodopa, o aminoácido precursor da monoamina dopamina.

Quando a levodopa se descarboxila, se transforma em dopamina; e está, da sua hidroxição e sua metilação se transforma em noradrenalina e adrenalina.

Todo isso a través da rota de síntese de catecolaminas, da qual já falamos com mais profundidade em outros artigos.

catecolaminas

Figura II. Rota de síntese de catecolaminas. (Ruohonen, 2019).

A dopamina cumpre importantes funções no cérebro, e está associada aos processos da memoria; além de ser o principal neurotransmissor implicado na regulação dos mecanismos de recompensa no sistema límbico, é o neurotransmissor “as adições”.

Transtornos neurológicos como o TDAH ou o Asperger, assim como as pessoas que sofrem mioclonías, estão associados a algum tipo de deficit de dopamina, por isso tratam-se com psicoestimulantes anfetamínicos e não anfetamínicos; ao fim de potenciar este sistema e melhorar a sua concentração.

Como tomar

Consome a quantidade necessária de extrato para conseguir uma dose de 35mg de Levodopa, suficiente no caso de complementar com 5-HTP.

Devemos saber

  • Seria possível utilizar outros aminoácidos como a L-fenilalanina ou a L-Tirosina, que são a sua vez precursores da L-Dopa, para conseguir o mesmo efeito, embora é menos eficiente.

Indicações

  • Se não usas um IMAO natural (NUNCA se deve complementar com um IMAO farmacéutico), podes beneficiar de dose mais altas en torno a 70mg.
  • Deixa de utilizar este suplemento, ou reduz a dose se experimentas: mioclonía intermitente, ataxia, espasmos noturnos, tremores, cãibras ou blefaroespasmo.
  • É recomendável que por cada 2 semanas de uso deste suplemento, se realize um descanso de igual duração.

5-HTP

O triptófano é o precursor da serotonina, um neurotransmissor monoamina com atividade eminentemente inibitória.

Embora participa numa grande variedade de processos neurofisiológicos que não são inibitório, como pode ser a modulação da ansiedade, a felicidade, a termorregulação, ou o desejo sexual.

A pesar de ser um neurotransmissor principalmente inibitório, manter uma boa relação entre serotonina e dopamina é imprescindível para não alterar o metabolismo da glicose e produzir excitotoxicidade, um efeito que afetaria negativamente a nossa capacidade cognitiva, especialmente em situações de stress elevado.

Para aumentar as concentrações nervosas de serotonina podemos consumir L-triptófano, ou ainda melhor, 5-HTP, a forma hidroxilada do triptófano que nada más se descarboxila, obtemos serotonina (5-HT).

serotina

Figura III. Rota de síntese de serotonina e metabolitos. (Lv & Liu, 2017).

Como tomar

Consome entre 200 e 300mg ao dia, repartidos em 2-3 tomas; uma antes de começar a estudar, e outra antes de dormir.

Devemos saber

  • Além do triptófano atúa como um inibidor da MAO, uma das duas enzimas que se encarrega de degradar os neurotransmissores monoamina; aumentando por tanto sua biodisponibilidade.

Indicações

  • Se sofres de uma excessiva excitação após o seu consumo, interrompe o seu uso.
  • No existem reportes conhecidos de toxicidade ou tolerância ao longo prazo, até a data de publicação deste artigo, pelo que não temos constância de ciclar o seu consumo seja necessário.

Colinérgicos + Acetato

Tanto a colina como o acetato são elementos precursores da síntese de acetilcolina no cérebro.

Como mencionamos anteriormente, a acetilcolina é o principal neurotransmissor envolvido nos processos da memoria, e em elevar suas concetrações que podem ser positivas para melhorar o rendimento mental.

Doenças neurodegenerativas como o Parkinson, o Alzheimer, a Corea de Huntington, entre outras, associadas a deficits corticais e extracorticais de acetilcolina.

O principal tratamento utiliza colinérgicos; embora as últimas investigações mostram que a doença também produz um deficit de dopamina, fazendo que se produza um desequilibro entre Ach/DA, pelo que quando a ataxia é mais preocupante que a perda da lucidez mental, se pautam anticolinérgicos.

A colina se obtém a partir de qualquer forma de colina, preferentemente devemos utilizar Alfa-GPC ou CDP-colina; que são aquelas que apresentam uma correlação mais alta entre as suas concentrações em plasma e no líquido cefalorraquídeo.

Respeito ao acetato, a forma más recomendável de aportar é a través de substâncias acetiladas que atúan como doadoras de grupos acetilo; sendo entre elas as mais utilizadas:

  • ALCAR (a versão acetilada da L-carnitina); e
  • A versão acetilada da tirosina (N-Acetil-Tirosina).

Estas substâncias doam um acetilo a coenzima A; e esta a través da ação de uma acetiltransferasa, acetila a colina (acetilcolina).

Como tomar Alfa GPC

A dose mais estudada é de 1200mg/dia, repartido em 3-4 tomas com uma separação de ao menos 4 horas, uma delas antes de estudar.

Deves saber

  • É um suplemento com um grande margem de segurança cujo efeito colinérgico se observa pelo seu consumo ao longo prazo.

Indicações

  • Requer um consumo continuado para beneficiar dos seus efeitos.

Como tomar ALCAR

Possivelmente a forma mais adequada de consumo seja: 1g repartido em 2 ingestas, uma delas antes de estudar.

Deves saber

  • Uma dose entre 1 e 2g parece ser efetiva para produzir um efeito neuromodulador. Embora há estudos com dose de até 4g para tratar a depressão.

Indicações

  • Ao igual que a colina, o ALCAR requer de um consumo continuo.

Huperzina A

A Huperzina A é um alcaloide, um sesquiterpeno, que se extrai da planta Huperzia Serrata.

Atúa como um potente inibidor reversível da enzima acetilcolinesterasa, o que é a responsável de que a acetilcolina que se libera no espaço intersináptico e se oxide de novo na colina e acetato, eliminando sua atividade neurotransmissora.

suplementos para concentrarse

Fármacos destinados ao tratamento de doenças neurodegenerativas possui este mecanismo de ação: bloqueam a ação da  acetilcolinesterasa para aumentar as concentrações da acetilcolina no cérebro e assim potenciar a sinalização nervosa.

Cómo tomar

Consome entre 50-100mcg, em uma dose, aproximadamente 30 minutos antes de começar a estudar.

Deves saber

  • Além disso, a Huperzina A modula a resposta dos receptores NMDA ao glutamato, reduzindo a excitotoxicidade que produz o consumo de cafeína por potencial o metabolismo glutámico.

Indicações

  • Assegura de encontrar um extrato de Huperzia Serrata com conteúdo estandarizado em Huperzina A.

Fontes Bibliográficas

  1. Newman, E. L., Gupta, K., Climer, J. R., Monaghan, C. K., & Hasselmo, M.
  2. Coleman, B. R., Ratcliffe, R. H., Oguntayo, S. A., Shi, X., Doctor, B. P., Gordon, R. K., & Nambiar, M. P. (2008). [+]-Huperzine A treatment protects against N-methyl-D-aspartate-induced seizure/status epilepticus in rats. Chemico-Biological Interactions, 175(1–3), 387–395.
  3. Ferré, S., Quiroz, C., Woods, A. S., Cunha, R., Popoli, P., Ciruela, F., … Schiffmann, S. N. (2008). An update on adenosine A2A-dopamine D2 receptor interactions: implications for the function of G protein-coupled receptors. Current Pharmaceutical Design, 14(15), 1468–1474.
  4. Guest, N., Corey, P., Vescovi, J., & El-Sohemy, A. (2018). Caffeine, CYP1A2 Genotype, and Endurance Performance in Athletes. Medicine and Science in Sports and Exercise, 50(8), 1570–1578.
  5. John, J., Kodama, T., & Siegel, J. M. (2014). Caffeine promotes glutamate and histamine release in the posterior hypothalamus. American Journal of Physiology. Regulatory, Integrative and Comparative Physiology, 307(6), R704-10.
  6. Lv, J., & Liu, F. (2017). The Role of Serotonin beyond the Central Nervous System during Embryogenesis . Frontiers in Cellular Neuroscience , Vol. 11, p. 74. Retrieved from
  7.  E. (2012). Cholinergic modulation of cognitive processing: insights drawn from computational models. Frontiers in Behavioral Neuroscience, 6, 24.
  8. Nieoullon, A. (2002). Dopamine and the regulation of cognition and attention. Progress in Neurobiology, 67(1), 53–83.
  9. Pettegrew, J. W., Levine, J., & McClure, R. J. (2000). Acetyl-L-carnitine physical-chemical, metabolic, and therapeutic properties: relevance for its mode of action in Alzheimer’s disease and geriatric depression. Molecular Psychiatry, 5(6), 616–632.
  10. Ruohonen, S. (2019). TRANSGENIC MICE OVEREXPRESSING NEUROPEPTIDE Y: AN EXPERIMENTAL MODEL OF METABOLIC AND CARDIOVASCULAR DISEASES.
  11. Veronese, N., Stubbs, B., Solmi, M., Ajnakina, O., Carvalho, A. F., & Maggi, S. (2018). Acetyl-L-Carnitine Supplementation and the Treatment of Depressive Symptoms: A Systematic Review and Meta-Analysis. Psychosomatic Medicine, 80(2), 154–159.

Entradas Relacionadas

Valoração de Suplementos para Estudar Concursos Públicos

O que são? - 100%

Efeitos - 100%

Deves saber - 100%

Indicações - 99%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Alfredo Valdés
Alfredo Valdés
Especialista e treino de fisiopatologia metabólica e nos efeitos biomoleculares da alimentação e o exercício físico, com os seus artigos, vai levar-te no complexo mundo da nutrição desportiva e clínica, de forma simples e desde uma perspectiva crítica.
Confira também
neurotransmisores
Neurotransmisores, O que são, Tipos e Efeitos no organismo

No interior do nosso cérebro liberam-se uma serie de reações químicas que vão influir sobre …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *