Diástase Abdominal: O que é, Como Prevenir e Falsos Mitos

Diástase Abdominal: O que é, Como Prevenir e Falsos Mitos

É provável que nos últimos anos tenhas ouvido falar sobre o termo “Diástase Abdominal”.

Também é provável que identifiques este termo, que faz referência a uma patologia, como um problema que sucede unicamente às mulheres que alguma vez estiveram grávidas.

Nada mais longe da realidade.

Cada vez é mais frequente encontrar a pessoas, tanto homens como mulheres, que sofrem de diástase abdominal.

São muitos os homens que treinam com peso livre e que sofrem deste problema.

Neste artigo, contamos-te o que é a DIÁSTASE ABDOMINAL, quais são as suas causas principais e por que é que acontece, assim como falsos mitos que devemos desvendar sobre este tema e umas recomendações básicas para prevenir esta disfunção do reto abdominal.

O que é a Diástase Abdominal?

Trata-se de uma separação dos músculos do reto do abdómen; um aumento da distância dos ventres musculares do reto abdominal.

Separação abdominal

O reto do abdómen é composto na sua maioria por fibras musculares tipo I ( tónicas) em 65% e 35% por fibras fásicas.

Este facto provoca:

  • Interrupção do mecanismo de transmissão da tensão fascial do músculo.
  • Impede o suporte intersegmental e intrapélvico através da tensão fascial que gera.

Abdomen

Abdómen normal VS Abdómen com Díastase.

Quais são as funções do Reto Abdominal?

Entre as funções principais dos retos do abdómen encontram-se:

  • Flexão do Tronco
  • Descanso das Costas
  • Proteção Visceral

Juntamente com o resto da musculatura e tecido conjuntivo da zona média: transverso profundo, oblíquos, psoas ilíaco, solo pélvico, quadrado lombar, diagrama, forma a zona média (mais conhecido como core):

Formam uma complexa rede que actua de forma sinérgica e conjunta no padrão respiratório, na execução dos movimentos, estabilização, proteção dos orgãos vitais, entre outras funções.

Linha abdominal

Além disso, formam o centro da cadeia cinética funcional.

Atuam, pois, como uma unidade funcional: qualquer problema em alguma das suas partes, afetará directa e/ou indiretamente o funcionamento desta unidade.

Quais são os efeitos que provoca a Diástase Abdominal?

O facto de que exista uma separação dos retos do abdómen, diminuindo a tensão da linha alba, gera diferentes disfunções que afetam diretamente a saúde do indivíduo.

Existem diferentes tipos de Diástase Abdominal: por cima do umbigo, infraumbilical, completa ou em redor do umbigo…

Diastasis abdominal femenina

Este assunto deverá ser avaliado por um especialista.

Deste modo, de acordo com o grau de separação entre retos e a qualidade da musculatura, deve ser abordado de um modo ou outro a sua recuperação e o programa de exercícios específicos.

Antes de continuar, para poder compreender algumas das possíveis causas deste problema, é necessário que tenhamos presente que, em todo este complexo de músculos, fasciais e órgãos, deve existir uma correta repartição de pressões para evitar não apenas uma diástase abdominal, mas também outros problemas e disfunções relacionadas com o solo pélvico e posturas corporais.

A Pressão Intra-Abdominal

Pressão em Repouso

É produzida pela massa visceral e também pela tensão da postura dos músculos parietais. A pressão média em repouso em posição de deitado de barriga para cima é de 10 mmHg.

Pressão Durante o Esforço

Vai depender de:

  • Da resistência das vias respiratórias;
  • Do tipo de respiração;
  • Da sinergia existente entre o diafragma, abdómen e solo ou pavimento pélvico e do tipo de esforço.
Durante a manobra de Valsalva, por exemplo, a pressão pode aumentar até 40 mmHg. Deixamos este link no caso de pretenderes aprofundar mais acerca desta técnica de respiração direcionada ao treino.

Pressão intra abdominal

Isto é, a qualquer aumento da Pressão Intra-abdominal, há uma relação com toda a musculatura profunda.

Causas da Diástase Abdominal

Conforme anteriormente referimos, é fácil perceber que uma gestão deficiente de pressões pode provocar uma separação dos retos do abdómen, assim como esforços excessivos não controlados.

Por isso mesmo, podemos deduzir que é por uma falta de controlo motor.

  • Perda de funcionalidade da musculatura do solo/pavimento pélvico.
  • Um padrão respiratório incorreto.
  • Deficiente postura corporal.
  • Também determinadas alterações hormonais que enfraquecem o tecido conectivo podem provocar esta separação de retos do abdómen.
  • Intervenções cirúrgicas na zona do abdómen.
  • Peso e volume abdominal (é muito frequente a diástase abdominal em homens com a conhecida “Barriga de Cerveja”).
  • Grandes esforços nos treinos sem uma boa gestão do referido controlo de pressões.

Gravidez e Diástase Abdominal

A gravidez encontra-se entre as causas mais comuns, uma vez que durante o estado de gestação o músculo do reto abdominal é expandido para fora e se destende.

Ao mesmo tempo que a linha alba diminui a sua espessura e enfraquece.

No caso da gravidez e pós-parto, existe uma prevalência de diástase abdominal de 27 % no segundo trimestre; e aumenta para 66 % no terceiro, persistindo até quase 12 meses depois do parto.

Variação diastase gravidez

Variação da Diástase durante a gravidez.

Por isso, devemos ter presente que este problema não afeta única e exclusivamente as mulheres que já estiveram grávidas.

Como corrigir a Diástase Abdominal?

Toda essa unidade funcional da que falámos anteriormente, deve funcionar de forma perfeita.

Isso não depende exclusivamente da integridade anatómica de cada uma das suas partes, mas sim da correta coordenação funcional entre elas.

Trabalhos de ativação do transverso do abdómen e trabalhos de padrões respiratório ajudarão a que a tonificação de base de toda essa unidade seja ótima e proteja o resto de estruturas.

Como saber se se padece de Diástase Abdominal?

O primeiro ponto que se deve ter em consideração é que deve um profissional fisioterapeuta, em trabalho conjunto com o treinador, quem valorize a existência de possíveis disfunções em padrões respiratórios.

Além disso, deve analizar-se o historial clínico do indivíduo (em caso de ser mulher, saber quantas vezes esteve grávida); avaliar também a higiene postural, etc…

Palpação

Em várias ocasiões, se a distância entre retos é muito elevada ( > 3 cm), é perfeitamente visível.

Na maioria dos casos, podemos experimentar com a auto-apalpação desde uma posição em decúbito supino (deitados de barriga para cima). O especialista coloca um par de dedos na linha alba e realiza um levantamento da cabeça.

Aqui vai ter-se em conta:

  • Distância entre retos.
  • Profundidade (distorsão da linha alba).

Em relação à distância entre retos:

  • Uma separação inferior a 2,5 cm (aproximadamente a largura de um dedo), é considerado normal.
  • Acima de 3,5-5 cm já se considera de moderada a severa.

No que diz respeito à profundidade, se se produz um afundamento do dedo superior à zona da unha, já se considera de moderada a severa.

Exercícios

Em qualquer dos casos, o recomendável é recorrer à ajuda de um profissional e fazer uma avaliação completa.

Pode-se avaliar também através de uma ecografia, com um paquímetro e avaliando a gestão de pressões e abaulamento da zona abdominal. Avaliação completa do Core, do padrão respiratório, mobilidade diafragmática-costal etc…

Como prevenir a Diástase Abdominal?

Uma avaliação tanto do fisioterapeuta especializado como do treinador,com a finalidade de orientar o programa de treino e exercícios para reforçar o que apresente alguma debilidade.

No Início

  • Trabalho isolado do padrão respiratório.
  • Controlo da postura corporal.
  • Ativação do transverso, tanto em estado basal como integrado com certos exercícios.

Ativação do Transverso

Melhora a integridade da linha alba, aumentando a sua tensão fascial, o qual se traduz numa melhor transferência das cargas.

  1. Procurar a ativação do transverso: trabalho analítico, de postura, estabilização, hipopressivos se for o caso.
  2. Procurar e integrar o trabalho no resto da componente da faixa abdominal com ativação prévia do transverso: controlo motor.

Conclusões

Em face do supra exposto, e tendo presente os muitos corpos fitness aparentemente saudáveis com um abdómen muito marcado, mas que todavia apresentam separação de retos, é importante trabalhar desde o mais básico:

  • Postura;
  • Respiração e controlo de pressões;
  • Solo/pavimento pélvico.
Com a finalidade de melhorar a nossa unidade funcional de todo este complexo abdominal-lombar e pélvico, tanto desde o ponto de vista da saúde, como também sob o ponto de vista do rendimento desportivo.

Referencias Bibliográficas

  1. Caufriez M , Domínguez JF, Ballester SE, Schulmann C. Estudio del Tono de Base del tejido músculo-conjuntivo del suelo pélvico en el postparto tras reeducación abdominal clásica. Fisioterapia 2007;29 (3):133-138.
  2. Lee D, Hodges PW. Behaviour of the Linea Alba During a Curl up task inn Diastasis Retus Abdominins: An Observatory Study, 2016.
  3. Mens J, Van Dijke GH, Pool-Goudwaraard A, Van der Hulst V, Stam H. Possible Harmful effects of intra- abdominal pressure on the pelvic girdle. J Biomech 2006:39 (4): 627-35.

Entradas Relacionadas

  • Vamos contar-te os Exercícios de Kegel para fortalecer o Solo/Pavimento Pélvico. Visita este link.
  • Conheces a técnica de Vazio Abdominal? Aquí podes encontrar toda a informação.
Avaliação Diástase Abdominal

O que é - 100%

Efeitos - 100%

Causas - 100%

Como a identificar - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre Isabel del Barrio
Isabel del Barrio
Isabel tem o desporto nas veias, demostrou desde pequena e até aos días de hoje. Quer compartir esta paixão como todos aqueles que também são entusiasta desportivo.
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *