As Enzimas Digestivas e a sua Importância

As Enzimas Digestivas e a sua Importância

As Enzimas Digestivas são encontradas no corpo e nos alimentos para ajudar a decompor e digerir os alimentos depois de consumidos. Também podem ser consumidas através de suplementos e favorecem os processos digestivos em pessoas que sofrem de determinadas patologias.

Enzimas Digestivas e Saúde Digestiva

Quando comemos, ativamos todo o mecanismo do nosso trato digestivo para obter todos os seus nutrientes.

Isso é obtido pelo processamento do bolo alimentar por meio de procedimentos físicos (mastigação, mistura, agitação, transporte, etc.) e químicos (secreções digestivas: ácidos e enzimas).

Enzimas

A produção inadequada de enzimas pode levar a distúrbios digestivos , inchaço, falta de energia e reações alérgicas aos alimentos.

Como resultado, macro- (carboidratos, proteínas e gorduras) e micronutrientes (vitaminas e minerais) estão disponíveis para serem absorvidos no trato intestinal e, desta forma, são incorporados na corrente sanguínea e usados pelo corpo para as suas várias funções.

Sem dúvida, as enzimas digestivas desempenham um papel importante em todo esse processamento, mas o que são estas enzimas digestivas?

O que são enzimas digestivas?

As enzimas são proteínas que possuem uma região na sua estrutura, conhecida como centro ativo, onde se ligam a uma molécula e catalisam determinada reação química.Sistema digestivo

As enzimas digestivas ajudam a absorção de nutrientes e a quebra de partículas nos alimentos que comemos

Este processo permite que o alimento que se ingere seja usado como energia, para apoiar a construção de novos músculos e células nervosas, bem como para proteger o sangue de toxinas.

Função das Enzimas Digestivas

As enzimas são responsáveis por partir as moléculas mais complexas obtidas dos alimentos em partículas muito mais simples que podem ser absorvidas. A reação que catalisam é a hidrólise (hidro = água, lise = ruptura), ou seja, partem as moléculas em meio aquoso.

É por isso que estas enzimas digestivas estão classificadas dentro do grupo das “hidrolases”.

Além de cumprir a sua função biológica, as enzimas digestivas podem ser utilizadas para fins tecnológicos em inúmeras indústrias, como têxteis, papelaria, cosméticos ou na produção de detergentes (entre outras).

No entanto, usaremos este artigo para discutir o uso dessas proteínas específicas no processamento de alimentos e as vantagens que fornecem do ponto de vista tecnológico e de saúde . E não, não vamos falar sobre “enzimas milagrosas” ou charlatanismo relacionado neste post.

Quais são as Enzimas Digestivas produzidas pelo Organismo?

Dentro das secreções digestivas produzidas no organismo, podemos destacar 5 tipos principais:

  • Saliva (glândulas salivares)
  • Secreções gástricas (estômago)
  • Secreções intestinais
  • Bilis (fígado)
  • Suco pancreático (pâncreas)
Cada um deles tem uma composição diferente e, portanto, diferentes enzimas que irão determinar a sua ação sobre as gorduras, proteínas e carboidratos.

Digestão Enzimática dos Carbohidratos

Os carboidratos só podem ser absorvidos na sua forma mais simples, ou seja, na forma de monossacáridos (uma única molécula), por isso precisamos de enzimas que quebrem todas as moléculas complexas naquelas que podem ser construídas.

Desta forma podemos diferenciar entre:

  • Amilases: enzimas que decompõem o amido (cadeias longas e ramificadas de moléculas de glucose), dando lugar a moléculas de maltose (duas glucoses), maltotriose (três moléculas de glucose), e polissacáridos (mais de 3 moléculas de glucose juntas).
  • Dissacaridases: separam as duas moléculas que constituem um dissacárido:
  • Maltase: parte a união entre duas moléculas de glucose (maltose).
  • β-galactossidase ou lactase: parte a cadeia entre uma molécula de glucose e uma de galactose (lactose).
  • Sacarase: parte a cadeia entre a glucose e a fructose (sacarose).

Carbohydrates

As amilases são encontradas na saliva e secreção pancreática , enquanto as dissacaridases exercem a sua ação nas vilosidades do intestino delgado.

Como resultado, todos os polímeros são decompostos nas subunidades mais simples, que são as únicas que podem ser absorvidas..

Deficiência de lactase

Todos sabem que grande parte da população mundial (cerca de 70-75%) é deficiente na enzima lactase. Como já dissemos, é responsável por separar as moléculas de galactose e glicose que constituem a lactose, o açúcar do leite.

A consequência de sua deficiência é que essa lactose permanece intacta por todo o trato intestinal, ficando disponível para a ação das bactérias que povoam o intestino.

Lactase

Como consequência, os gases são produzidos pela fermentação que levam ao inchaço e dor abdominal, diarreia ou flatulência . Ou seja, aparecem os sintomas característicos da intolerância à lactose.

Por outras palavras, a intolerância à lactose não é nada mais do que a falta da enzima responsável por digeri-la.

Fibra alimentar

A fibra abrange um determinado grupo de carbohidratos. Embora estruturalmente sejam, como o amido, polímeros de glicose, o tipo de ligação que une algumas moléculas a outras não pode ser hidrolisado (quebrado) pelas nossas enzimas.

Porém, essa fibra pode ser metabolizada pelas bactérias do cólon, servindo para a sua alimentação e favorecendo a sua proliferação.

Fibra

Esta é a razão pela qual a fibra alimentar é considerada um prebiótico.

É possível que existam pessoas mais sensíveis e que podem sofrer de distúrbios gastrointestinais após comer uma refeição rica em fibras, como legumes, grãos inteiros e vegetais, por exemplo.

Digestão Enzimática das Gorduras

Do mesmo modo que acontece com os carbohidratos, a digestão das gorduras começa na boca, sob a ação da lipase lingual.

Gorduras

Para serem absorvidas ao nível intestinal, as gorduras devem passar em formas simples que permitam ser absorvidas na forma de micelas e/ou ácidos gordos livres (a sua forma menos complexa).

Dentro deste grupo, na natureza encontramos ácidos gordos saturados, mono-insaturados e polinsaturados. As diferenças entre elas, basicamente, são marcadas pela sua estrutura, já que tanto as mono como as polinsturadas possuem duplas ligações na sua estrutura.

Por outro lado, de forma artificial, podem criar-se os conhecidos ácidos gordos Trans, através de um processo de hidrogenização (introdução de moléculas de hidrogénio na estrutura) das gorduras mono e polinsaturadas.

As gorduras são fornecidas principalmente na forma de triglicéridos através da dieta, constituindo 90% da gordura total . Os 10% restantes são compostos de ésteres de colesterol e fosfolipídios.

Glicerol

Estruturalmente, os triglicéridos são constituídos por uma molécula de glicerol ligada a 3 ácidos gordos que podem ser todos iguais ou variar em todas ou algumas posições.

Quando chegam ao estômago, outra enzima lipase quebra os triglicéridos em diglicéridos (glicerol + 2 ácidos gordos) e ácidos gordos. Posteriormente, a lipase produzida no pâncreas continuará a processar a gordura do esvaziamento gástrico e gerará ácidos gordos e monoglicerídeos (glicerol + 1 ácido gordo).

Dessa forma, essas moléculas menos complexas acabarão por ser incorporadas no meio interno na forma de micelas ou ácidos gordos.

Digestão Enzimática das Proteínas

As proteínas são constituídas por cadeias ou sequências (estrutura primária) de aminoácidos (moléculas simples), que se dobram dando origem a diferentes conformações (estruturas secundárias, terciárias e quaternárias), que serão fundamentais para as proteínas exercerem a sua função.

Proteinas

Para que a proteína possa ser digerida, é necessário que seja desnaturalizada e fragmentada em frações simples que possam ser absorvidas.

A desnaturação, de um modo geral, compreende a perda das estruturas secundárias, terciárias e quaternárias das proteínas, tornando as cadeias de aminoácidos muito mais acessíveis ao maquinário enzimático encarregado de as fraturar.

Dois exemplos quotidianos de desnaturação de proteínas são cozinhar um ovo (passamos de uma consistência líquida para uma sólida e tornamos essa proteína mais digerível) ou no fabrico de iogurte , já que a proteína é desnaturada criando aquela estrutura semelhante a um gel característica.

Densaturalização

No primeiro caso estaríamos a falar de desnaturação por calor e no segundo, desnaturação por pH (por acidificação do meio)

A digestão das proteínas começa no estômago e não na boca, como se passava com as gorduras e com os hidratos de carbono:

  1. Aqui, é libertada a pepsina , enzima proteolítica que é ativada em meio ácido (com ácido clorídrico também secretado no estômago) formando o chamado pepsinogénio, sendo posteriormente inativada no duodeno devido à maior alcalinidade dessa região.
  2. O suco pancreático é despejado no intestino, o qual contém proteases muito poderosas que quebram a proteína em polipéptidos (cadeias curtas de aminoácidos).
  3. Finalmente, outras enzimas chamadas aminopeptidases encontradas nas vilosidades intestinais acabam por partir estes polipéptidos em aminoácidos simples que são incorporados . No entanto, existem transportadores específicos para di- e tripeptídeos, portanto, podem ser absorvidos sem ter de ser partidos em aminoácidos.

Além disso, há evidências que sugerem que algumas macromoléculas, como proteínas ou péptidos grandes, podem ser absorvidos no nível intestinal sem a necessidade de serem partidos.

Assim, passariam intactos para o sangue, preservando a sua estrutura bioativa , interagindo com o meio interno e exercendo efeitos no nível do sangue ou da linfa. Isto vai totalmente contra o dogma tradicional , pelo qual apenas péptidos compostos por 2 ou 3 aminoácidos, ou aminoácidos livres, poderiam ser absorvidos.

A verdade é que este tema nos daria um artigo completo; se isto te interessa, deixa-nos saber através dos comentários, e iremos posteriormente abordar esse assunto!

Utilidade das Enzimas Digestivas na Tecnologia Alimentar e na Saúde

Embora o seu uso tecnológico não seja novidade, atualmente podem ser usados para produzir ou modificar certos ingredientes ou alterar as texturas de produtos.

Tecnologia alimentar

As enzimas utilizadas pela indústria alimentar podem ser derivadas de animais, plantas ou microrganismos (bactérias, fungos e leveduras).

As principais enzimas introduzidas nos sistemas de produção são sintetizadas por microrganismos dos géneros Bacillus e Aspergillus . Podemos destacar o seguinte:

  • Proteases
  • Amilases
  • Glucoamilases
  • Pectinases
  • Celulases

Suplementos enzimáticos digestivos

Em geral, pessoas com insuficiência pancreática exócrina (secreção exócrina é aquela que contém enzimas digestivas) e aquelas com intolerância à lactose podem beneficiar mais da ingestão de enzimas como suplemento.

Recentemente, está a ser considerado o uso de enzimas como terapia na doença celíaca , algo que veremos mais tarde.

Digestivo

Não obstante, a aplicação de enzimas digestivas em indivíduos saudáveis pode favorecer os processos de digestão e evitar certas não conformidades.

Ao nível de saúde, a má digestão pode levar a problemas, como má absorção de nutrientes, dor abdominal, esteatorreia (presença de gordura nas fezes) e / ou perda involuntária de peso. A administração de Suplementos de Enzimas Digestivas pode ser a chave para os evitar.

Amilases

Embora seja raro que ocorra má digestão devido ao consumo de amidos, exceto em casos de insuficiência pancreática ou se o amido ingerido é resistente (isto quer dizer que pela sua estrutura comportam-se como uma fibra, ou seja, que não se digerem), as enzimas amilases são muito úteis desde o ponto de vista tecnológico.

A partir deles, podemos decompor uma matéria-prima amilácea (polímeros de glicose muito longos, pesados e ramificados) em outras mais simples, cuja digestão e absorção são mais rápidas e eficientes.

Carboidratos 1

Sabemos que esta maior facilidade de incorporação é essencial na regeneração dos depósitos de glucogénio muscular imediatamente depois de um treino ou competição exigentes.

Mediante a sua ação podem produzir-se carbohidratos, como a amilopectina, maltodextrinas, dextrinas, ciclodextrinas ou glucose, entre outros. Em qualquer caso, as amilases formam parte da grande maioria das preparações enzimáticas disponíveis comercialmente.

Enzima lactase ou β-galactossidase

Como mencionámos anteriormente, pessoas com intolerância ao açúcar do leite não têm essa enzima ou não a contêm em quantidade suficiente para digerir toda a lactose fornecida pelos alimentos.

A indústria é capaz de sintetizar lactase de fungos e leveduras , incorporá-la nos seus produtos e digerir a fração de lactose que poderia causar desconforto ao ser ingerida. Desta forma, é obtido um produto adequado para intolerantes à lactose.

Dependendo da origem da enzima , a sua velocidade de ação e a sua eficácia irão variar, de forma que diferentes tempos de ação e / ou quantidades de lactase podem ser necessários dependendo da sua origem. Por exemplo, a lactase do microrganismo Kluiveromyces lactis mostrou ser mais eficiente do que a obtida de Aspergillus niger.

Lactase 1

Além disso, existem medicamentos à base de lactase que podem ser consumidos antes de tomar um produto lácteo e, assim, evitar complicações.

Em termos de dosagem, 6.000 unidades de lactase parecem ser eficazes na hidrólise total de cerca de 20g de lactose (aproximadamente a quantidade contida em cerca de 400ml de leite) . No entanto, existem produtos no mercado com atividade enzimática muito maior (>30000 unidades de lactase.)

Lipases

Tradicionalmente, a lipase de origem suína tem sido usada em pacientes com insuficiência pancreática exócrina (IPE) para que esses pacientes sejam capazes de digerir e absorver gordura. A lipase faz parte da maioria dos complexos enzimáticos do mercado , embora a proporção incluída varie dependendo de cada produto.

A dose utilizada pode oscilar 25000 – 50000 unidades/refeição. Esta dose é equivalente a aproximadamente 18750 – 30000 unidades de lipase derivada de fungos por refeição.

Proteases

Há ocasiões em que a fração de proteína da dieta deve ser fornecida na forma de aminoácidos livres ou péptidos de cadeia curta.

É aqui onde os hidrolisados proteicos (EvoHydro 2.0 y PeptoPro®, por exemplo) entram em ação.

A nível industrial, a hidrólise de proteínas pode ser procurada para fins puramente tecnológicos ou para melhorar as propriedades organolépticas, mas se falamos de saúde, as proteínas podem ser hidrolisadas para melhorar a digestibilidade e reduzir a alergenicidade.

As características do hidrolisado dependerão do tipo de protease usada e do grau de decomposição da proteína que é necessária. É por isso que diferentes enzimas podem ser usadas para processar a mesma proteína até que o produto desejado seja obtido. Lembra-te de que às vezes podem ocorrer sabores amargos e ligeiramente desagradáveis quando uma proteína é muito hidrolisada.

Os hidrolisados proteicos além de que têm tido bastante protagonismo no mundo da nutrição desportiva, entre outras coisas por causa da sua maior velocidade de assimilação com respeito à proteína nativa.

Proteínas e Alergias Alimentares

A principal diferença entre uma alergia alimentar e uma intolerância é que, no caso da primeira, o nosso sistema imunológico entra em ação, gerando uma resposta de defesa contra um alimento ou seu componente.

Alergénicos

Principais alerégnicos alimentares: amendoim, nozes, leite, ovos, trigo, soja, peixe e crustáceos

Quando é uma proteína que causa essa alergia, como alergias comuns às proteínas do leite ou do ovo, a sua hidrólise pode ser a única maneira de o nosso sistema imunológico não os reconhecer como um fator alergénico.

Algumas das enzimas usadas para reduzir a alergenicidade das proteínas são pepsina, tripsina ou papaína , entre outras.

Bromelina

A bromelina é uma enzima que não se encontra no nosso trato digestivo, mas que se obtém do ananás. É constituida por uma mistura de enzimas proteolíticas.

Existem estudos que demonstram que pode ser absorvida ao nível intestinal e conservar a sua funcionalidade, inclusivamente ao nível sanguíneo.

Bromelaina

Note-se que o seu nível de atividade varia consoante o método de extração e mesmo se for extraído do fruto ou do caule…

Esta enzima tem atividade protease e, portanto, pode ser utilizada como suplemento nos casos de deficiência de pepsina e / ou tripsina (enzimas humanas responsáveis pela digestão de proteínas).

Entre outras, a bromelina destaca-se pela sua ação anti-inflamatória e antimicrobiana . Mesmo alguns estudos in vitro atribuem certas funções que desencadeariam um efeito protetor contra o cancro. Destes últimos, ainda há muito a ser investigado, pelo que ainda não é altura de embandeirar em arco.

A dose diária recomendada para esta enzima varia entre 200 e 2.000 mg , embora dependendo da combinação com outras enzimas, as doses aplicadas nas fórmulas comerciais podem cair para 45 – 60 mg.

Papaína

Do mesmo modo que a bromelina, a papaína é uma enzima proteolítica derivada de uma planta, neste caso da papaia.

Papaina

Como já foi observado, a ingestão de papaína pode ajudar nos processos inflamatórios, na cicatrização de feridas, na melhoria da recuperação pós-exercício e, claro, nos processos digestivos…

Porém, pode haver interação com determinados medicamentos , por isso antes de consumir é melhor consultar um médico especialista no assunto.

Enzimas e Doença Celíaca

Apesar de hoje o único tratamento para pacientes celíacos ser seguir uma dieta sem glúten, existem algumas tendências que posicionam as enzimas PEP (prolil endopeptidase) como uma possível alternativa para os pacientes.

Gluten

O glúten é a principal proteína fornecida por alguns cereais como o trigo, a cevada ou o centeio.

Isso poderia melhorar a degradação do glúten no nível intestinal , e existem estudos in vitro e in vivo que oferecem resultados promissores.

Combinação de Enzimas e Probióticos

Ao longo deste artigo, pudemos ver que cada enzima desempenha um papel mais do que relevante no tratamento de vários distúrbios digestivos. Bem, um novo e promissor campo de estudo é saber se a incorporação de certos probióticos pode exercer um efeito potencializador da atividade enzimática.

No entanto, é muito cedo para se poder concluir sobre este assunto, mas não há dúvida de que as pesquisas nesta área devem continuar.

Iogurte

Por exemplo, bactérias produtoras de iogurte hidrolisam a lactose durante a fermentação e continuam a exercer a sua ação no trato digestivo.

Outro caso é o do Aspergillus niger, que produz enzimas PEP, que, como já comentámos anteriormente, podem ser úteis para pacientes celíacos.

Enzimas Digestivas e Envelhecimento

A má nutrição é um dos principais problemas que encontramos em pessoas de avançada idade.

Até certo ponto, uma das causas dessa desnutrição pode ser o desgaste ou a condição dos órgãos do corpo que levam ao envelhecimento.

De fato, observou-se que tanto o tamanho do fígado quanto o volume de sangue que o abastece diminuem com a idade, algo semelhante ao que acontece com os rins. Ao nível do pâncreas, também foi observada uma correlação negativa entre a idade e o tamanho do pâncreas.

Pancreas

As mudanças no tamanho, estrutura e irrigação influenciarão a capacidade secretora desse órgão..

Numerosos estudos em que o conteúdo duodenal foi analisado mostraram menor concentração de enzimas pancreáticas em amostras de idosos quando comparadas às de jovens.

Um exemplo claro é que, ao dividir em 3 grupos populacionais (<40 anos, 40 – 65 anos e >65 anos), registaram-se menores volumes de secreção pancreática e menores concentrações enzimáticas nos individuos de mais idade.

Envelhecimento

À luz disto tudo, parece que a ingestão de enzimas exógenas pode ser benéfica em pessoas mais velhas , uma vez que podem reverter e prevenir vários sintomas associados à desnutrição.

Em suma, parece bastante claro que os anos jogam contra a funcionalidade do pâncreas , o que pode dar origem aos sintomas derivados da má digestão já mencionados: desnutrição, esteatorreia, perda de peso, diarreia e dor abdominal.

Contra-indicações ou Efeitos Adversos das Enzimas Digestivas

De acordo com meta-análise publicada em 2017, não é muito comum ocorrer desconforto relacionado à aplicação de enzimas digestivas, como dor abdominal ou flatulência. No entanto, podem ser administrados em caso de doses excessivas ou devido a uma reação alérgica à fonte de onde são extraídos.

Conclusões

As enzimas digestivas são os agentes responsáveis por partir os alimentos em nutrientes simples que podem ser absorvidos por todo o trato intestinal . A maioria é libertada nas secreções digestivas, mas algumas atuam nas vilosidades intestinais.

A administração de enzimas exógenas (amilase, lipase, protease, lactase) de fontes animais, vegetais ou de microrganismos é uma ferramenta fundamental no tratamento da insuficiência pancreática exócrina e outras doenças, como intolerância à lactose.

Digestão

Além disso, indivíduos saudáveis podem beneficiar ao tomá-los se tenderem a sofrer uma digestão pesada após comer certos alimentos.

Existem enzimas de plantas como ananás e papaia que, embora não façam parte do conjunto das enzimas humanas, podem auxiliar na digestão, além de possuírem certas características anti-inflamatórias e antimicrobianas que podem ser benéficas para a saúde.

Os casos de efeitos adversos são minoritários, sempre e quando se apliquem em doses recomendadas, o uso de enzimas digestivas é seguro.

Fontes

  1. Campbel (2014). Digestion and absorption.
  2. Jackson & McLaughlin (2009). Digestion and absorption.
  3. Ianiro et al. (2016). Digestive enzyme supplementation in gastrointestinal diseases.
  4. James et al. (1996). Application of enzymes in food processing.
  5. Montalto et al., (2006). Management and treatment of lactose malabsorption.
  6. Rathnavelu et al., (2016). Potential role of bromelain in clinical and therapeutic applications (Review)
  7. Roxas (2008). The role of enzyme supplementation in digestive disorders.
  8. Corgneau et al., (2015). Recent advances on lactose intolerancie: Tolerance thresholds and currently available solutions.
  9. Tavano et al., (2018). Biotechnological applications of proteases in food technology.
  10. Williams et al., (2014). Are intact peptides absorbed from the healthy gut in the adult human?
  11. Lorkowski (2012). Gastrointestinal absorption and biological activities of serine and cysteine proteases of animal and plant origin: review on absorption of serine and cysteine proteases.
  12. https://www.healthline.com/health/food-nutrition/papain
  13. https://healthnutritionblogbytito.com
  14. Löhr et al., 2018. The ageing pancreas: a systematic review of the evidence and analysis of the consequences.

Entradas Relacionadas

Avaliação Enzimas Digestivas e a sua Importância

O que são - 100%

Funções - 100%

Quais são - 100%

Propriedades - 100%

100%

HSN Evaluação: Nenhuma avaliação ainda!
Content Protection by DMCA.com
Sobre Carlos Sánchez
Carlos Sánchez
Carlos Sánchez é um apaixonado da nutrição e do desporto. Diplomado em Nutrição Humana e Dietética, sempre procura dar um sentido prático e aplicável nas diferentes teorias.
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *