Como saber se o teu Colesterol é correto

Como saber se o teu Colesterol é correto

Este post vai servir para saber e conhecer se  o teu Colesterol se encontra em níveis corretos

Muitas, muitas pessoas ainda vivem com medo de ter colesterol elevado, um medo que é quase sempre infundado.

Mas não temos de ter medo do colesterol mesmo que esteja elevado. É imprescindível para o correto funcionamento do nosso organismo

Tudo começou com um estudo totalmente tendencioso

Não vou alongar muito em como se montou toda esta mentira do colesterol mau. Devemos saber que a faísca foi acesa pelo patologista alemão Rudolph Virchow que encontrou um espessamento nas artérias das pessoas que autopsiou e atribuiu-o, sem mais delongas, a uma coleção de colesterol.

Mais tarde, o fisiologista Ancel Keys publicou o seu artigo intitulado Seven Countries Study que serviu de base a este mito, onde o estudo em que se baseou ligava o consumo de gordura saturada a doenças coronárias.

No entanto, ligou o consumo de gordura saturada a doenças coronárias, o estudo estava truncado uma vez que dos 22 países do estudo apenas os 7 países foram utilizados para provar a sua alegação, uma vez que ao analisar os 22 países, não foi possível encontrar qualquer correlação.

Estudo sobre o colesterol

Muitos médicos na altura criticaram o estudo tendencioso e mal formulado, mas Ancel Keys era membro do conselho consultivo da Associação Americana do Coração, e ele usou os seus contactos para promover o estudo recomendação de reduzir as gorduras saturadas, e foi aí que todo este engano começou, muito bem explorado pelas empresas farmacêuticas para introduzir estatinas à esquerda, à direita e ao centro e ganhar milhares de milhões de dólares.

É inacreditável que, em resultado deste estudo disparatado, o grande negócio do século XX que ainda está em pleno andamento no século XXI, apoiada pelo consenso médico por interesse próprio, e apoiada pela maioria dos trabalhadores da saúde por receio de não respeitar as directrizes médicas, apesar de saberem que se trata de estafa ou engano

Estudos que desmontavam a teoria do colesterol mau

Pessoalmente, há anos que falo sobre a grande mentira do colesterol, de fecto há 4 anos

Na minha etapa como blogueiro em Vitónica, recolhi uma série de estudos sobre a grande mentira do colesterol mau (2,3), Eram posts muito controversos, e eu fui marcado como alarmista, mas os estudos tinham sido feitos por outros médicos, não por mim, eu simplesmente compilei e divulguei as conclusões numa grande compilação para mostrar que estávamos a ser enganados.

E o facto é que cada dia há mais e mais estudos que desmantelam a teoria do colesterol mau, estudos que fazem bons profissionais médicos que não são subsidiados por nenhuma marca, ao contrário de muitos dos estudos que viram uma ligação directa entre o colesterol e as doenças coronárias, onde a grande farmácia estava financeiramente por detrás disso.

Não vale a pena ter de demonstrar quem tem um interesse real nesta doença inventada, qualquer pessoa que tenha dois dedos de testa pode ver que os únicos que beneficiam de tudo isto são as empresas farmacêuticas, e se esta doença não existir, ninguém ganha, só as empresas farmacêuticas deixam de ganhar

O primeiro problema vem do consenso médico

Entendo perfeitamente os profissionais médicos que se guiam pelo consenso médico, é normal que prefiram seguir as diretrizes que são estabelecidas de cima do que investigar e atualizar os seus conhecimentos e que com isso possam cometer um erro, imagino que pensem: “Faço o que me mandam e lavo as minhas mãos”, por isso estatinas para dar e oferecer.

Consenso médico e colesterol
Isto não faz deles maus profissionais, uma vez que a medicina não é matemática e se baseia em estatísticas e se “os que estão no topo” decidiram que um comprimido deve ser dado àqueles que têm um colesterol total de 200 (mesmo que aqueles que decidem ser gestores de grandes empresas farmacêuticas), é-lhes dado e pronto.

Mas também se lhes pode chamar bons profissionais, não é verdade?

Ser um Bom Profissional

O bom profissional é aquele que investiga, se documenta e se atualiza, o que duvida quando há motivos para duvidar, aquele que não permanece superficial, aquele que, quando vê muitos estudos que confirmam que não há relação direta entre colesterol elevado e problemas coronários, não diz: “isso será porque alguém com dinheiro pagou por esse estudo”, porque eu gostaria realmente de saber quem está interessado em pagar por um estudo deste tipo, que não proporcionará qualquer benefício económico, mas tentará ajudar a ver a realidade bruta.

Um bom profissional tem vindo a aprender e a descobrir que a doença cardiovascular tem uma origem inflamatória e não é devida a níveis elevados de colesterol no sangue.

Sabe que os verdadeiros culpados são:
  • açúcar,
  • excesso de peso,
  • cortisol,
  • radicais livres,
  • gorduras trans,
  • sedentarismo,
  • álcool,
  • stress,
  • tabaco…
E tem claro que baixar o colesterol com estatinas tem muitos efeitos prejudiciais para a saúde

Então, esquecemos de controlar o colesterol?

Por vezes saltamos para conclusões que podem ser demasiado precipitadas para a nossa

saúde

E uma delas é a de deixar de lado o colesterol nas análises, mas o que é claro é que não basta olhar para o colesterol total, e muito menos para o colesterol LDL, a que chamaram mau colesterol, algo que não faz sentido porque uma molécula não pode ser má ou boa, ou um glóbulo vermelho é bom ou mau.

Colesterol HDL e LDL

O único problema em interpretar se existe risco de doença cardiovascular a partir de uma análise ao sangue não é concentrar-se apenas no colesterol, mas sim ver uma série de valores e calcular se esse risco é real ou apenas outro valor numa análise de rotina.

A primeira coisa que precisas de saber é que o colesterol LDL (o qual é um valor sem importância apenas usado para «vender» estatinas) que sai na tua análise não é o verdadeiro, pois é bastante caro analisá-lo, o que fazem é tomar o colesterol total e subtrair o colesterol HDL e os triglicéridos.

Assim, sd tens uns triglicéridos baixos o teu colesterol LDL será mais elevado e com um triglicéridos altos (o que é realmente grave, já que isto indica geralmente um excesso de açúcares e hidratos de carbono refinados na dieta que são convertidos em gordura no fígado através da lipogénese hepática de novo)

Valor mais real do LDL

Como mencionado acima, a maioria dos laboratórios mede diretamente os triglicéridos, o colesterol total e o colesterol LDL, enquanto o colesterol LDL é calculado indiretamente por meio de uma equação matemática denominada de Friedewald que data de 1972 e é imprecisa quando os triglicéridos excedem 400mg/dL ou descem abaixo de 100 mg/dL, sobrestimando os resultados obtidos.

Existe uma fórmula do ano 2008 conhecida como a «Equação Iraniana» ( LDL = TC/1.19 + TG/1.9 – HDL/1.1 – 38 (mg/dL) que corrige Friedewall, erros baseados num modelo de regressão linear, dando valores muito mais ajustados para aqueles com baixos valores de triglicéridos

Na página web «Gosto de estar bem» podes estimar melhor o teu LDL introduzindo o teu colesterol total, colesterol HDL e os triglicéridos e verás que lhe dá um valor mais baixo, por exemplo, aqui está a minha última análise e ostseus valores:

Valores de colesterol

Como podem ver, tenho o colesterol total «pelas nuvens», é o que tem fazer dieta cetogénica, mas os triglicéridos são baixos e o colesterol HDL é alto, por isso o LDL é muito alto. Se utilizarmos a fórmula iraniana recebo um LDL de 171, um pouco mais baixo mas ainda elevado de acordo com o binómio «consenso médico e grande mentira do colesterol», mas não é realmente algo que me preocupa pois o meu perfil lipídico é perfeito (como veremos em breve), isto só preocupa o meu endocrinologista que me sugeriu tomar estatinas, coisa que evidentemente não faço.

También me sugeriu deixar de comer tantas gorduras saturadas, coisa que também declinei, e evidentemente pediu-me por favor que deixe de fazer cetose já que sendo diabético tipo 1 eu poderia entrar em cetoacidose, que desconheço nas 5 semanas em que tentei não comer hidratos de carbono.

Mas disto vou falar na entrada «Cetose vs cetoacidose: a experiência de um diabético»

Como saber se tens um bom perfil lipídico?

Se leste até aqui, estás esclarecido que o colesterol LDL não serve de muito, temos então que nos centrar no colesterol HDL e nos níveis de triglicéridos

No entanto, como o valor dos triglicéridos está inversamente ligado ao nível HDL, e como o valor dos triglicéridos é mais flutuante e o valor HDL é mais estável, o HDL será o valor mais fiável de todos na análise, ou seja, um HDL baixo vai dizer que temos uns triglicéridos altos e vice-versa.

Teste de Colesterol

Ratio CT/HDL

Assim, sendo o HDL um indicador indirecto estável mas muito fiável do nível de triglicéridos, a melhor maneira de saber se temos um bom perfil lipídico é dividir o Colesterol Total pelo Colesterol HDL, de acordo com o que foi estudado, se o resultado for inferior a 4,5 isto indica que se tem um bom perfil lipídico.

No meu caso que tenho um Colesterol Total de 297 mg/dl (algo perfeitamente normal), com um HDL de 73 mg/dl, o meu cociente CT/HDL é de 4,07, totalmente saudável

Ter triglicéridos abaixo de 100 mg/dl indica que o meu colesterol LDL é do padrão A, subtipos 1 e 2, partícula grande, que é um colesterol totalmente inofensivo (ao contrário dos tipos 3, 4 e 5, chamados Small Dense, que seriam prejudiciais).

Triglicéridos/HDL

Outra razão que podemos investigar e analisar para saber se o nosso perfil lipídico está correcto é dividir os triglicéridos pelo colesterol HDL, que, de acordo com o que foi estudado, deve ser inferior a 2.

No meu caso resulta de dividir 50 entre 73, dando um resultado de 0,68

Notem que se o vosso colesterol total for 195, com um HDL de 28, triglicéridos de 109, teria um LDL de 58, o que parece correto, mas esta relação triglicéridos/HDL seria de 3,89, bem acima dos 2 recomendados. Tudo porque os triglicéridos são demasiado altos para o colesterol ser baixo.

LDL/HDL

E uma terceira razão que foi estudada para ser inferior a 4,3 para indicar que o nosso perfil lipídico está correcto, que é obtido dividindo os dois colesteróis LDL (com a fórmula iraniana) pelo HDL.

Seguindo com a minha analíse atual resulta de dividir 172 entre 73, dando um valor de 2,35, inclusive se uso o colesterol calculado na analíse que é de 214, dá um ratio de 2,93, muito longe do máximo marcado em 4.3

Conclusões

Portanto, não tenho de me preocupar absolutoamente com o meu colesterol:

  • O meu HDL é alto,
  • Os meus triglicéridos baixos,
  • Sou uma pessoa que faz desporte diariamente,
  • A minha % de gordura está abaixo de 12%,
  • Não tenho antecedentes na família de problemas coronários,
  • Não fumo,
  • Não bebo,
  • Tento não ter um stress elevado…

Outra coisa é que o destino seja caprichoso ou a genética faça com que tenha alguma doença cardiovascular, mas não terá nada que ver com o colesterol.

E tu, sabes realmente se os teus ratios estão dentro do normal? Calcula e não te deixes levar pela grande mentira do colesterol

Fontes

  1. O colesterol é nosso amigo Blog: A meteo que vem Autor: Jorge García-Dihinx Villanova Pediatra Hospital San Jorge de Huesca Ano: 2018
  2. A grande mentira do colesterol mau (I). Vitónica. Autor: David Díaz Gil Ano: 2015
  3. A grande mentira do colesterol mau (e II). Vitónica. Autor: David Díaz Gil Ano: 2015

Entradas Relacionadas

Avaliação Níveis de Colesterol Corretos

Ratio CT/HDL - 100%

Triglicéridos/HDL - 100%

LDL/HDL - 100%

100%

HSN Evaluação: 5 /5
Content Protection by DMCA.com
Sobre David Diaz Gil
David Diaz Gil
Em cada um dos geniais artigos, está depositada a essência da experiência além do rigor científico, como assim acreditam a David Díaz Gil.
Confira também
Microbiota e obesidade
A Microbiota é a chave para vencer a Obesidade?

O estudo da microbiota surpreendeu o setor científico de forma desmedida, até tal ponto que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.